Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Conto: O Réveillon na Paulista – Parte 1

por em 12/02/2020 em Entretenimento | Nenhum comentário

Conto: O Réveillon na Paulista – Parte 1

Cidade de São Paulo, 31 de Dezembro de 2019. Está próximo à meia-noite e uma multidão se prepara para a hora da virada na Avenida Paulista. Artistas se apresentam em um palco que ocupa as duas margens da avenida. As pessoas em clima de festa, vestidas de branco aguardando a contagem regressiva para acompanhar os fogos de artifício que já são uma tradição na festa de Réveillon.

Ao longo da avenida, pequenos grupos se formam destacando-se da grande massa, como se fizessem parte de uma mesma família aguardando o tão esperado momento para distribuir os abraços e as felicitações, nem que seja para este pequeno grupo.

O som que vem do palco é alto, as pessoas cantam, pulam, gritam e aproveitam o momento para extravasar todas as frustrações e dificuldades enfrentadas ao longo do ano. Afinal, em poucos minutos a esperança será renovada! Uma esperança de que tempos melhores estão por vir.

Carlos sente uma gota de chuva caindo em seu rosto e tenta abrir os olhos.  Sua mente está confusa e inebriada, uma sensação de ter consumido algum tipo de bebida alcoólica o dia todo. Os olhos ardem com o clarão das luzes e não consegue abri-los. Uma náusea terrível invade seu corpo e sente que a qualquer momento vai vomitar. Sente algo de estranho em sua pele, como se estivesse todo molhado com seu próprio suor, ou outro líquido qualquer. Tenta mexer os pés, mas não consegue. Tenta mexer os braços, mas percebe que estão dormentes e limitados por algo que sua mente ainda não conseguiu identificar. Mais uma vez tenta abrir os olhos e, acostumando-se com as luzes, por fim consegue. Sua visão está embaçada e tem dificuldade de identificar onde está. Sua mente começa a se organizar e a sensação de ebriedade vai se esvaindo aos poucos. Mais uma náusea e uma dor de cabeça lacerante o fazem gemer. 

Agora de olhos abertos, a névoa vai se dissipando de sua visão e da sua mente. Então percebe um som vindo de uma multidão. Assustado, tenta se mexer mais uma vez, mas sem sucesso. Percebe que está sentado em uma cadeira com seus pés amarrados à ela e suas mãos atrás das costas, também amarradas. A ideia de estar amarrado lhe causa estranheza e confusão, mas o medo cresce quando percebe que está inclinado na beirada de um prédio e está olhando para baixo. Tenta gritar, mas sua boca não abre e sua voz não sai. Uma dor terrível acomete seus lábios que o fez gemer, e a cada tentativa, a dor piora.

Procurando entender o que está acontecendo, olha para o lado e se depara com sua imagem refletida em um espelho, grande o suficiente para projetar seu corpo por inteiro. Ele leva alguns instantes para processar o que está refletido ali: a imagem de um homem usando um vestido todo branco, maquiagem e peruca. Mas um detalhe o fez ficar completamente apavorado… Seus lábios costurados com uma linha preta e um batom vermelho, cor-de-sangue, contornando o local.

Mais uma vez tenta de desvencilhar, mas os nós estão bem fortes e ele não consegue se mexer – talvez estivesse há muito tempo nesta posição e seus músculos não estão respondendo corretamente a seus estímulos. Tenta gritar uma vez mais, mas a dor nos lábios o impede e apenas um som abafado sai de sua boca costurada…

Depois de muitas tentativas em vão de tentar se soltar o, agora ofegante Carlos, fecha os olhos e começa a respirar fundo, tentando se concentrar para encontrar uma forma de escapar dessa situação. Volta a abrir os olhos e começa a observar, novamente, sua imagem no espelho e então percebe que tem uma corda grossa em volta do seu pescoço e esta corda está amarrada em algum lugar atrás da cadeira onde está sentado. Mais uma vez respira fundo e tenta encontrar uma forma de se soltar… A cadeira então balança para trás e sente uma pressão em seu pescoço como se alguém estivesse puxando a corda vagarosamente.

  • Está gostando do show, Carlos?
  • Hmmmm, tudo bem! Não precisa me responder. Afinal, em seu estado, acredito que está difícil você pronunciar qualquer palavra.

O único movimento que Carlos consegue fazer é olhar para o espelho que está ao seu lado. De repente, um pavor o invade quando vê uma figura parada atrás dele, segurando a corda com a duas mãos. Uma pessoa alta e corpulenta, vestida totalmente de preto e com uma máscara vermelha de um demônio que está a espera de sua vítima no inferno.

  • Lembra-se de mim, Carlos? Acho que não… Com esta máscara em meu rosto, dificilmente você se lembraria. Mas, a julgar pelo seu comportamento, nem se eu estivesse sem ela você seria capaz de se lembrar de mim!

Carlos fica imóvel, observando aquela figura falando com ele. Aquela voz… Ele percebe uma certa familiaridade naquela voz… Então começa a buscar, em sua mais antiga memória, alguma coisa que o faça lembrar, que o faça entender o porquê dele estar ali com aquela figura sendo seu algoz.

  • Não se preocupe, Carlos. Eu não esperaria que pudesse se lembrar de mim!
  • Ah, já ia me esquecendo… Faltam apenas 30 segundos para assistirmos os fogos. Aproveite!

Então a figura de máscara de demônio, tira um aparelho de suas vestes, aperta um botão e logo uma música antiga dos anos 90 começa a tocar. Carlos começa a ser transportado para sua infância, depois para sua adolescência. As imagens, aos poucos, vão se tornando cada vez mais nítidas em sua mente… 

  • Falta pouco – Ele pensa.

O apresentador que está no palco, na Avenida Paulista, chama a atenção de toda a multidão lá embaixo:

  • Senhoras e senhores, está quase na hora! Quero ouvir todos comigo: 10, 9, 8, 7, 6, 5, 4…

Então Carlos se lembra daquela voz! Se lembra do seu dono! E de tudo que aconteceu entre eles.

  • 3, 2, 1!!! Feliz Ano Novo!!!

Ao mesmo tempo que começam os fogos, Carlos sente algo se soltando atrás de si e seu corpo inicia uma queda-livre de cima do prédio. Uma sensação de arrependimento e de vazio em seu coração. Mas que durou apenas alguns segundos. E ao som de rojões, sente sua vida se esvair…

Modo Noturno