Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Como prever o futuro?

por em 01/05/2019 em Entretenimento, Notícias | Nenhum comentário

Como prever o futuro?

Escrevi um texto em novembro de 2018 aqui para o Portal no qual eu brinquei de vidente e fiz doze previsões para o futuro, baseado em uma gama de informações, encadeamentos lógicos e extrapolações mentais (um nome bonito para chute). Como tive uma ótima recepção ao texto (mais de duas pessoas curtiram, vejam só!), resolvi revisitar o tema para explicar um dos métodos que uso para ser um palpiteiro mais eficiente.

Mas, a pergunta inicial a ser respondida: por que este tema interessa tanto? Ora, nós, humanos, lidamos muito mal com a incerteza e o desconhecido. Não saber o que vai acontecer gera uma carga gigantesca de ansiedade, dado que esta é, por definição, uma resposta antecipada do organismo a um desfecho ainda não previsto, uma preparação do corpo para luta ou fuga. Todavia, a repetição em looping deste tipo de reação causa problemas de saúde no longo prazo, uma vez que os hormônios e neurotransmissores envolvidos nesta resposta causam diversos transtornos ao bom funcionamento da máquina corpórea. Não por acaso, a ansiedade tem sido encarada com um dos principais problemas a afligir a mente humana nestas primeiras décadas do século XXI. E quase nenhum dado parece indicar que esta tendência vá melhorar no curto prazo. Ao contrário, as evidências nos mostram que talvez o consumo de ansiolíticos piore muito ainda. Fontes? Inúmeras. Qualquer pesquisa simplória por palavras chave no Google nos retorna milhões de respostas juntando na mesma frase “ansiedade” e “tempos modernos” ou “doença da atualidade”, para ficar em poucos termos. Por que exatamente nossa época de conquistas maravilhosas tem feito aparentemente tanto mal à cabeça dos pobres humanos?

Bem, a resposta é justamente essa: excesso de mudanças no mundo em curtos espaços de tempo. Um ritmo frenético de mudanças aliado a uma abundância de dados brutos, sem separação clara entre sinais e ruídos, criam um imenso vazio de informações úteis. Tudo vira uma imensa floresta escura, tapada por um cipoal impenetrável de desconhecimento e incerteza, um grande poço sem fundo de medo a respeito do que é certo e errado, de qual profissão vai se extinguir, qual vai sobreviver, do que é certo fazer com os filhos, em quem confiar, etc. A rotina se perde. A previsibilidade vai embora e o que sobra deste caos é a ansiedade. Não por acaso, o mercado de análise de dados, análise de risco eleitoral, prognósticos geopolíticos, modelos de hedge (proteção) contra crises econômicas, etc. tem crescido exponencialmente nos últimos anos, com tendência a passar dos US$ 100 bilhões (com B mesmo) nos próximos dez anos. O que no passado se fazia recorrendo às pitonisas de Apolo no templo de Delfos em troca de uma oferenda, hoje se faz contratando-se a preço de ouro empresas ou think tanks especializadas para prestar consultoria em análise de cenários futuros.

No Brasil, uma das mais famosas é a Arko Advice (risco político e eleitoral), a qual chamou muita atenção no último pleito presidencial. No mundo, podemos citar a Stratfor Worldview (inteligência geopolítica) e a Agora Inc. (mercados financeiros), entre outras. O que elas vendem? Palpites. Ainda que bem embasados em gráficos, análises gigantescas de dados e raciocínios lógico-dedutivos bastante complexos, não passam de palpites porque o futuro é incerto e sujeito a interferências de eventos inusitados (Cisnes Negros, para citar Nassim Taleb, outro “vidente” famoso).

Por sorte, este mesmo mundo caótico, informacionalmente denso e gerador de ansiedade com apenas um clique de mouse também nos trouxe a possibilidade de aprendermos de graça um pouco sobre as metodologias de previsão que estas empresas de previsão usam. E, como eu escrevi anteriormente no meu texto sobre o futuro, eu poderia guardar isso só para mim e ficar milionário sozinho, mas como tenho um coração nobre e puro, vou compartilhar com vocês nas linhas abaixo todo o meu conhecimento sobre uma das partes deste processo.

Uma das principais dúvidas existenciais humanas diz respeito ao fim, ao término de alguma coisa, seja ela da sua própria vida, da vida de outrem, do fim da espécie, do universo, do planeta, ou, simplesmente, como sói acontecer recentemente, de algum gadget, rede social ou série favorita. Tanto é verdade que todo um ramo da filosofia se preocupa justamente em refletir sobre o fim das coisas, chamado de escatologia (éskhatos, “último, extemo”, em grego). Ressalva: não confundir com a outra escatologia (eskatós, em grego) que diz respeito a preferências, digamos, alternativas, como certas chuvas douradas por aí. Então, prever quanto tempo algo vai durar ou quando alguma coisa vai colapsar é uma das variáveis mais importantes dos estudos futurológicos, pois permite que se tomem atitudes para se antecipar e se proteger de algum dano potencial. Para fazermos isso, podemos usar uma fórmula matemática simples, baseada no Princípio de Copérnico. E novamente, uma ressalva: estou falando do famoso astrônomo polonês do século XV e não disso aqui.

Então, vamos lá: Copérnico, entre outras coisas, é famoso por ter postulado que o sol é o centro do nosso sistema solar, e não o planeta Terra. Ou seja, a Terra não tem um posto privilegiado na realidade tridimensional do mundo. A partir desta simples conclusão lógica, em 1993, um pesquisador chamado John Richard Gott raciocinou que o Princípio de Copérnico poderia ser aplicado também à quarta dimensão, ou seja, ao tempo. Gott deduziu que, se assumirmos que não ocupamos um momento único na história assim como a Terra não ocupa um lugar único no universo, podemos usar uma equação básica para prever o tempo de vida de qualquer fenômeno. A esta equação, Gott batizou de Copernican Lifetime Equation (ou Equação de Longevidade de Copérnico, em tradução minha mesmo). A mesma segue abaixo (fonte):

 

 

Para quem neste momento está tentado a largar tudo e ir jogar LOL porque “ah, colocou uma equação eu já não vou entender nada”, eu digo: calma! É mais simples do que parece. Na equação acima, o termo tcurrent quer dizer há quanto tempo algo existe e o tfuture quer dizer por quanto tempo algo poderá existir no futuro (não me diga!). O Z é uma constante resultante do cálculo acima (1 menos intervalo de confiança pretendido dividido por dois), sendo que o intervalo de confiança expressa o grau de certeza que queremos na estimativa. A ideia simples e bela, como todas as boas ideias devem ser, é que não existimos em um momento único no tempo, portanto, quando observamos um evento é mais provável que estejamos presenciando o meio do processo e não o início ou o seu fim, conforme ilustrado na figura abaixo (fonte):

Para ficar ainda mais claro, deixa o tio passar para um exemplo prático. Quanto tempo ainda a espécie humana provavelmente irá existir neste planeta, supondo um intervalo de confiança de 95%? Bem, trocando as letras da fórmula pelos números correspondentes e assumindo um tcurrent  de cerca de 200 mil anos (idade aproximada do surgimento dos Homo sapiens), temos que (fonte):

 

 

Dando como resultado final o intervalo de tempo entre 5130 a 7,8 milhões de anos, o que parece concordar com as pesquisas que apontam que uma espécie de mamífero dura em média 2 milhões de anos antes de ser extinta. Entre humanos, temos que os Neandertais duraram ~ 300.000 anos e o Homo erectus cerca de 1,6 milhões de anos. Ou seja, dentro da expectativa. O bom da equação acima é que se usarmos 95% de intervalo para tudo, sempre teremos os fatores multiplicativos 1/39 e 39, o que facilita aplicar diretamente em um Excel a fórmula pronta, só trocando a variável tcurrent que queremos estimar.

Antes de ter de ler isso nos comentários, já adianto: sim, as respostas desta equação são ridiculamente amplas, dando margem a que qualquer chute na lua dê uma taxa de acerto bem alta. No entanto, o objetivo é justamente não tentar cravar na tampa um único número, mas encontrar um intervalo plausível. Previsões futurísticas com números redondos e certeiros não devem ser levadas a sério, já que o futuro, por definição, ainda não aconteceu e todas as variáveis podem mudar até lá. A maneira certa de enxergar esta equação é como se faz com uma estimativa de Fermi. Em 1945, o físico Enrico Fermi, com nada além de alguns pedaços de papel e muito raciocínio lógico, estimou a potência do teste da bomba atômica Trinity com uma precisão absurda. Ou seja, este tipo de cálculo serve não para cravar um tempo preciso e certeiro, mas para obter estimativas razoáveis. O próprio Gott testou esta equação para estimar o tempo de vida de diversos espetáculos da Broadway e seus resultados previram o sucesso ou fracasso de 42 dos 44 shows analisados.

Em uma de suas obras mais famosas, Antifrágil, Nassim Taleb dissertou que a maneira mais fácil de descobrir por quanto tempo um item não-perecível (tipo uma ideia ou uma obra de arte) persistirá no futuro é olhar por quanto tempo este item já existe, havendo grande chance de que seu tempo de vida futuro seja proporcional à sua vida passada. Este fenômeno foi batizado de Efeito Lindy e faz todo sentido: um conceito que existe há muito tempo deve ter uma razão para ter sobrevivido tanto, de modo que podemos esperar que o mesmo persista no futuro.  Como exemplo, podemos pensar em livros físicos como meio de troca de informações: estão aí desde antes de Gutemberg inventar a prensa por tipos móveis e massificar seu uso. Por outro lado, uma nova ideia, (não consigo parar de pensar no Google Glass), se não causar uma melhoria considerável na vida das pessoas, isto é, for disruptiva de fato, caminha estatisticamente para o esquecimento, uma vez que um grande número de novos conceitos “revolucionários” surge a cada dia.

Para encerrar, fica aqui uma dica e um clichê: 1) sempre que desejarem ser pessoas com pensamentos melhores e menos sujeitas a ruídos aleatórios do mundo, dediquem alguns momentos do dia para entender melhor matemática e estatística. Abre a mente e nos blinda de acreditar em bobagem; e 2) o presente de hoje já foi o futuro de ontem e o presente de hoje será o passado de amanhã. Eu disse que era clichê.

Até a próxima!

Modo Noturno