Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Veículos autônomos na agricultura (Spin #1530 em forma de texto)

por em 21/01/2022 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Veículos autônomos na agricultura (Spin #1530 em forma de texto)

Olá, caro e cara leitor deviante, Dobrý Den! Esta é a edição 1530 do Spin de Notícias em forma de texto. Eu sou o Igor Alcantara, cientista de dados e um dos apresentadores do podcast Intervalo de Confiança, especializado em ciência de dados e Inteligência Artificial.

Veículos totalmente autônomos ainda podem demorar anos para chegar a uma rua perto de você. A gente já falou aqui em spins, no Scicast e lá no Intervalo de Confiança das complicações legais e tecnológicas relacionadas a isso. Só que e na fazenda? Será que esse não é um cenário mais realista para começar o uso em larga escala de veículos autônomos?

A empresa John Deere apresentou seu primeiro trator totalmente autônomo na CES, famoso evento de tecnologia e inovação, na primeira semana desse mês. Ou seja, notícia fresquinha aqui para vocês. Enquanto os tratores autônomos operam em fazendas há pelo menos uma década, o novo trator 8R leva as coisas um passo adiante, permitindo que os agricultores saiam da cabine e controlem a máquina remotamente.

Segundo argumenta a empresa, a população mundial está aumentando, e isso significa que a produção de alimentos precisa aumentar rapidamente. Ao mesmo tempo, as pessoas que cultivam esses alimentos estão envelhecendo – o agricultor médio nos EUA tem mais de 55 anos – e há dificuldade em encontrar trabalhadores agrícolas qualificados. A John Deere diz que a automação é a resposta, mas essa solução traz mais custos para os produtores rurais e ainda não foi testada em escala.

Segundo Deanna Kovar, vice-presidente de produção e agricultura de precisão sistemas de produção na John Deere: “Agora estamos criando camadas de autonomia para que o agricultor não fique mais preso a essa máquina o dia todo, mas possa concentrar sua atenção nos trabalhos que exigem mais experiência deles”. 

A empresa não divulgou o preço do trator, mas o trator 8R existente e o arado de cinzel para lavrar são vendidos por até US $ 500.000, sem recursos autônomos. Para contextualizar, o custo anual de produção para uma fazenda média nos EUA foi de cerca de US$ 180.000 em 2020, de acordo com o USDA, o equivalente ao Ministério de Agricultura americano.

O novo arado autônomo 8R e escarificador estará disponível para 10 a 50 agricultores no Centro-Oeste americano para alugar através de revendedores selecionados quando for lançado no segundo semestre desse ano, 2022. Kovar disse que a empresa espera pelo menos dobrar esse número no outono de 2023 e, eventualmente, mudar para um modelo de propriedade.

 

E como funciona esse equipamento?

O trator usa Machine Learning para lavrar o solo e pode funcionar 24 horas por dia, precisando apenas parar a cada 8 a 10 horas para reabastecimento. Os agricultores acompanham seu progresso e monitoram quaisquer problemas por meio de um aplicativo, mas não precisam estar no veículo ou mesmo na fazenda. Uma vez que os agricultores colocam o trator na posição e o montam, eles fazem o resto do trabalho sozinhos. A plataforma móvel do John Deere Operations Center permite que eles visualizem dados, imagens e vídeos ao vivo.

Segundo disse a empresa, nem todo agricultor vai ter que comprar um novo trator para fazer isso funcionar. Este sistema autônomo também será adaptado em tratores John Deere de vários anos.

O novo 8R está equipado com seis pares de câmeras que dão à máquina a capacidade de detecção de obstáculos em 360 graus. A empresa diz que o trator usa uma rede neural profunda (o famoso Deep Learning) que foi treinada em mais de 50 milhões de imagens de fazendas coletadas nos últimos três anos para guiar a máquina, mas os humanos estão de prontidão para ajudar a tomar decisões. Ou seja, se a vaca, ou melhor, o trator, for pro brejo, um humano pode intervir e remotamente controlar a máquina. O 8R para se encontrar algo no campo que não saiba navegar e envia imagens para os “teleoperadores” da John Deere que verificam manualmente a situação e alertam o agricultor, se necessário.

Uma fazenda tem “menos variáveis ​​do que uma estrada aberta”. Segundo disse Willy Pell, diretor sênior de sistemas autônomos da John Deere: “quando encontramos um objeto anômalo, paramos. Não precisamos nos preocupar em ser atingidos por outro motorista.”

Nos últimos anos, a John Deere vem desenvolvendo sua experiência em IA e robótica. A empresa adquiriu a Bear Flag Robotics, com sede no Vale do Silício, em agosto de 2021 por US$ 250 milhões (mas a empresa diz que o 8R é usado por um pequeno grupo de agricultores desde 2019 e não depende da tecnologia da startup).

Em 2017, a John Deere gastou US$ 305 milhões para comprar a Blue River Technology, uma startup da Califórnia que usa Machine Learning para identificar plantações e pulverizar pesticidas ou fertilizantes.

À medida que a empresa adiciona poder de computação aos seus equipamentos, alguns temem que os agricultores tenham ainda menos controle sobre suas máquinas. A John Deere tem sido criticada pela questão do direito de reparo – a capacidade de os agricultores consertarem seus próprios equipamentos em vez de serem obrigados a levá-los a uma concessionária autorizada. Além disso, existem as críticas sobre os empregos que serão perdidos com mais esse nível de automação.

Hoje em dia a máquina só prepara o solo pro plantio, mas a empresa, em breve, pretende tornar o plantio de sementes, a aplicação de fertilizantes e a colheita também processos autônomos.

Que esse é o futuro, não resta dúvidas, mas quais as consequências disso para a sociedade, fica aí a questão para debate. Aliás, deixe um comentário dizendo o que você acha a esse respeito.

Bom, gente, por hoje é só. Para encerrar, eu queria dizer que esse projeto, o Spin de Notícias, e também outros como o SciCast, Contrafactual, Fronteiras do Tempo, Beco da Bike, Miçangas,  RPG Guaxa, além de outros podcasts e tudo isso que é feito aqui só é possível por causa do seu apoio no site do Portal Deviante, através das plataformas Patreon, Padrim e PicPay. Clique no link “Seja um Patrono” em deviante.com.br e ajude a patrocinar a divulgação científica. Isso é muito importante.

Como eu disse, eu sou o Igor Alcantara e vocês me encontram volta e meia aqui, no Spin de Notícias e no meu podcast onde falo mais desses assuntos, o Intervalo de Confiança, intervalodeconfianca.com.br, no meu podcasts de histórias pessoais surreais o “Aconteceu com Igor”, ou no meu site pessoal igoralcantara.com.br

Tchau! Na Shledanou!

Modo Noturno