Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Vida Nova ou Morte

por em 05/07/2021 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Vida Nova ou Morte

Para o ser não tem limites, para o ter, tem. Já faz tempo que o momento de mudar passou, mas, se ainda não fomos extintos, é porque a esperança também não foi. Se ainda estamos vivos, é porque a chance de se reorientar também está.

Paradigmas são assim, uma hora quebram. Precisamos repensar nosso modo de existir para que seja possível continuar resistindo. Não se trata de abraçar árvores ou levantar cartazes, trata-se de enxergar que os sucessos que nos trouxeram até aqui, não são os mesmos que nos levarão até lá. Os exemplos do passado podem até nos servir como referência, mas os hábitos que adotamos já não nos servem como uma bússola viável para um futuro possível.

Como Está

Já caducou essa sociedade que só pensa em extrair, produzir e descartar. O individuo que só pensa em acumular não se educou pra perceber que já basta, não entendeu que a taxa de resiliência da terra foi superada pela taxa de consumo, aliás, isso aconteceu há 36 anos atrás, em 1986. Naquele ano, a estimativa da relação entre o consumo global e a capacidade de suporte dos ecossistemas era equivalente, ou seja, o limite já estava estabelecido ali mesmo.

De lá pra cá, os diagnósticos não se tornaram mais otimistas, muito pelo contrário. Em 2019, a taxa de consumo era 1,75 vezes maior do que a capacidade de suporte do ecossistema. Apesar de tudo, o senso comum ainda diz que a economia “parou” em decorrência do COVID-19, fato este que não foi reiterado pelos dados, pois, em 2020, ainda foram necessários cerca de 1,6 planetas para nos sustentar em condições de equilíbrio.

Com isso, digo que não está tudo bem porque a vida continua seguindo, pois essa vida que segue caminha para um suicídio coletivo. Uma ruína guiada pelo nosso próprio modelo de sociedade, construída sobre os alicerces da pós revolução industrial.

Caro leitor, não se irrite se um tal “arauto do apocalipse” te mostra um horizonte distópico, pois é pra lá que aponta a continuidade dos nossos atos. Todavia trago uma ressalva: ao mirar para o outro lado, teremos um outro horizonte, talvez uma utopia, talvez não, mas pra isso precisamos pelo menos mudar de direção. Não podemos mais nos comportar como uma boca sem estômago, sem âmago e sem limite. Não podemos continuar como se não houvesse o amanhã, como se não existissem consequências. Não podemos seguir vivendo como se nossos filhos e netos não precisassem de ar, água, alimento, agasalho e abrigo.

Gargalos da Mudança

Uma real transformação ainda encontra muitos gargalos, uma delas é a dinâmica do consumismo. Isso não quer dizer que o capitalismo é o demônio do século XXI, apenas quer dizer que os extremos precisam ser atenuados, que os miseráveis precisam consumir mais e os magnatas consumir menos, que os pobres precisam ser mais audaciosos e os ricos mais cautelosos. É como diz o próprio confucionismo: “tanto o excesso quanto a falta estão igualmente equivocados”. Ou ainda, como diz o nosso poeta Fabio Brazza: “Não é questão de ser socialista, mas de entender que não se pode viver num mundo onde a fome exista”.

Para entender essa dinâmica do consumismo precisamos levar em consideração dois pontos basilares. A primeira questão é que o consumo é diferente do consumismo. O consumo é apenas a dinâmica das trocas intermediadas pelo capital, enquanto o consumismo é o consumo em sua forma exacerbada. Outra questão fundamental ao assunto é o conceito de obsolescência, que torna inútil o que ainda é útil, que torna descartável aquilo que poderia ser duradouro.

Em poucas palavras, a obsolescência se divide em três faces: A obsolescência tecnológica, programada e percebida. O que deixarei explicado nos próximos parágrafos:

A obsolescência tecnológica pode ser vista quando um avanço técnico substitui produtos ou métodos que passaram a ser tidos como pouco eficazes. Assim como ocorreu na transição entre o carvão e o petróleo, ou ainda, entre os cavalos e os carros.

A obsolescência programada é quando um produto é planejado para perder o seu valor de uso em um prazo previamente estipulado, durando apenas o suficiente para não gerar a revolta por parte do consumidor. Assim é o caso dos eletrodomésticos, que antes eram tidos como quase vitalícios, assim é o caso das embalagens não retornáveis, que despencam no lixo assim que chegam em nossas mãos.

Por fim, a obsolescência percebida é o aspecto que mais está sobre o nosso alcance, pois é quando o consumidor é convencido a substituir os bens de consumo que ainda estão em perfeitas condições de uso. A moda é o nosso melhor exemplo. Compramos novas roupas e novos smartphones, sem ao menos nos questionar se isso é realmente necessário. Nesse contexto há dois grandes responsáveis: o “eu” e a indústria.

O “eu” é responsável a partir do momento em que cede ao extinto de manada diante de uma falsa demanda, tomando decisões irrefletidas para atender ao chamado da vaidade e ao chamado do senso de pertencimento. Já a indústria, é responsável na medida em que cria uma falsa sensação de onipresença, dando a entender que o produto proposto é de fato necessário. Essa manobra é facilmente constatável quando observamos a transversalidade da publicidade, principalmente quando expõe os seus produtos em todos os meios possíveis, seja por meio das propagandas, por meio dos merchandisings, ou por qualquer meio que lhe venham à mente.

Já parou pra pensar?

Como de costume, te deixo uma pergunta: Se temos apenas um planeta para nos sustentar, qual é o mundo que queremos? Se uma hecatombe ecológica bate à nossa porta, qual seria a nossa atitude? Seria natural que todos se mobilizassem em prol de uma reversão dos efeitos indesejáveis, seria esperado que toda ilusão se dissipasse diante da realidade, seria necessário que a visão irrestrita de mundo se dissolvesse diante dos fatos. E quando digo visão irrestrita, é no sentido descrito por Thomas Sowell, que divide a visão de mundo em duas perspectivas: A restrita e a irrestrita.

Na visão irrestrita, presume-se que nossos recursos são infinitos, como se o mundo existe pra atender todas as nossas demandas, como se a terra não possuísse recursos restringidos que se regeneram em uma taxa mais ou menos fixa. Por outro lado, segundo a visão restrita de mundo, presume-se que nem todas as contingências estão sobre o aval de nossas vontades particulares, que uma sociedade composta somente por clientes entra em colapso, já que para cada direito concedido é necessário um dever cumprido, equação esta que parece passar despercebida por boa parte dos habitantes desse pálido ponto azul.

Após tudo isso, deixo-lhe outra questão fundamental ao auto questionamento: Se fossemos condenados a reviver nossas vidas eternamente, seria desejável ou repugnante que isso acontecesse?

 

REFERÊNCIAS

 

LEONARD. Annie. A História das coisas: da natureza ao lixo, o que acontece com tudo que consumimos. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

KRENAK, Ailton. Ideias para Adiar o Fim do Mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. O Futuro Não Está à Venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

NIETZSCE, Friederic. Humano Demasiado Humano (tradução de Paulo Cezar de Souza). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

YALOM, Irvin. Quando Nietzsche Chorou. 1° Ed. Casa dos Livros, 2016.

Fabio Brazza. part. Mato Seco – Aiyra Ibi Abá (prod. Leo Casa1)

Mamilos 299 – “Quem é o Brasil na Nova Economia Global?”. B9 PodCasts.

OvershootDay – WWF (World Wildlife Fund) & GFN (Global Footprint Network).

The Story of Stuff Project – The Story of Stuff

The Story of Stuff Project – The Story of Plastic

 

Modo Noturno