Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Usina hidrelétrica part. 2

por em 29/11/2021 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Usina hidrelétrica part. 2

Olá, outra vez, neste texto vamos tratar cada etapa das usinas, conhecer os conceitos físicos que envolvem nessas etapas até chegar no poste de nossa casa.

E é nas usinas hidrelétricas que a ‘nossa’ energia é transformada. Lá ocorrem várias conversões de energias. Começando com a energia gravitacional, energia mecânica e energia elétrica.

Quando as águas caem nas barreiras das usinas elas fazem uso da energia potencial gravitacional e dessa forma giram uma pás que ficam na base das quedas d’águas. 

As pás estão ligadas a um eixo que se liga a um gerador. Dentro do gerador há um ímã e um anel condutor ligado ao eixo da pá. Ao girar a pá, todo o conjunto (eixo e anel condutor) gira e, devido a variação do campo magnético criado pelo ímã, o anel condutor produz corrente elétrica alternada. 

Figura 1: gerador de corrente alternada

Na figura acima o anel condutor está no meio do imã então as linhas do campo magnético saem do pólo Norte indo para o pólo Sul, sendo assim as linhas de campo passam pelo anel. A movimentação do ímã faz com que a corrente gerada no anel mude de sentido conforme o mesmo vai girando, ora ela vai pra direita e ora ela vai pra esquerda. Criando assim a corrente alternada.

Figura 2: corrente alternada

Até nesse momento a energia gravitacional, queda d’água, foi transformada em energia mecânica , o girar as pás,  e em energia elétrica, o gerador.

O próximo passo é a energia passar para o transformador que irá ampliar a tensão da energia. Esse transformador é um tipo específico é o transformador de distribuição. Seu funcionamento é parecido com os demais.

Dentro do transformador há dois filamentos enrolados em um núcleo  ferromagnético . Os princípios de funcionamento são por meio da indução eletromagnética. As espiras são submetidas a uma força eletromagnética variável. Essa força produz uma força eletromotriz causando o deslocamento da corrente elétrica. 

Figura3: parte interna de um transformador.

Quando a corrente elétrica alternada passa pela primeira bobina,a bobina primária que recebe a tensão, ela gera um campo magnético variável que se expande, se contrai e inverte a polaridade.

O campo eletromagnético da bobina primária atinge a bobina secundária com a ajuda do núcleo de ferro que concentra o campo magnético no local. O campo eletromagnético da bobina primária induz força eletromotriz  em cada  espiral da bobina secundária. As espiras estão ligadas em série, então a força eletromotriz total será a somatória da força eletromotriz de cada espira.

Para que o transformador aumente a tensão o número de espiras da bobina secundária tem que ser maior que o número de espiras da bobina primária. 

Ao sair do transformador a corrente elétrica vai para os postes e até chegar na nossa residência.

Figura 4: Caminho da usina hidrelétrica até sua casa

 

Depois que a corrente elétrica percorre todo caminho até chegar no poste da sua casa, lá ela será distribuída para todos os cômodos. Em todo percurso a corrente é alternada, e em sua residência ela também é alternada. 

Dentro das casas a corrente elétrica vai sendo dividida para cada cômodo e ao colocar a tomada dos aparelhos ela passa para o seu computador, televisão, celular e etc.

Agora que você já sabe a importância das chuvas para que não aconteça os racionamentos de energia  elétrica, tenho certeza que na próxima vez que começar a chover você não ira reclamar.

 

 REFERENCIAS:

 

Modo Noturno