Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Os limites do crescimento dos mamíferos

por em 20/10/2021 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Os limites do crescimento dos mamíferos

Por que será que não temos mais animais terrestres tão gigantescos como os dinossauros hoje em dia?

 

Se você já visitou um museu de história natural ou assistiu algum filme como Jurassic Park, deve ter notado que alguns dinossauros eram absurdamente grandes. Tudo bem que temos elefantes e girafas na África, mas nem eles se comparam aos grandes saurópodes que chegavam a ter dezenas de metros de comprimento, como o Maraapunisaurus, que pode ter chegado a 60 metros.

A resposta pra isso é simples: eles não cabiam na arca. :D~

Tá, sério, vamos explorar essa pergunta.

 

Depois que os dinossauros não-avianos foram extintos, a diversidade de mamíferos explodiu, e eles meio que dominaram o mundo e ocuparam vários dos nichos que ficaram vagos. Eles também cresceram muito, saindo de criaturinhas pequenas até alcançar um ápice há cerca de 30 milhões de anos, com o gênero Paraceratherium, um parente dos rinocerontes que chegava a cerca de cinco metros de altura e mais de sete de comprimento.

Importante lembrar que não estamos considerando animais aquáticos aqui, viu? A água é capaz de sustentar organismos muito maiores, graças ao empuxo, aquele do princípio de Arquimedes. É por isso que temos baleias azuis nos mares hoje em dia, com cerca de trinta metros e DUZENTAS FUCKING TONELADAS!

Tá, então vamos direto ao ponto. Por que não temos mamíferos terrestres tão grandes quanto os maiores dinossauros? Dá pra resumir em quatro motivos:

1 – GRAVIDEZ! Mamíferos dão a luz a filhotes vivos, enquanto dinossauros botavam ovos. Isso significa muita energia investida na criação e proteção dos filhotes, além de períodos de gestação que podem ser muito longos (nos elefantes, dura 22 meses). Mamíferos muito grandes teriam gestações absurdamente longas, deixando mãe e filhote vulneráveis por muito tempo.

2 – CLIMA! O clima era mais quente no Mesozoico. A temperatura e a quantidade de carbono na atmosfera permitia mais crescimento vegetal, fornecendo mais alimento para os herbívoros do que temos hoje. 

3 – ESQUELETOS! Os esqueletos dos dinossauros eram mais leves que os de mamíferos graças aos ossos pneumáticos (cheios de ar). Isso provavelmente permitia que eles tivessem metade do peso de um mamífero do mesmo tamanho. Um mamífero tão grande quanto os maiores saurópodes seria esmagado pelo próprio peso.

4 – ENDOTERMIA! Mamíferos produzem e mantêm sua própria temperatura, daí o termo endotérmico (endo = dentro; termo = temperatura). Os répteis atuais são quase todos ectotérmicos (ecto = fora), ou seja, dependem da temperatura ambiente pra se aquecer. Os dinossauros, no entanto, provavelmente estavam no meio do caminho, sendo parcialmente capazes de produzir e manter seu próprio calor; como atuns e ornitorrincos hoje em dia (é claro que o ornitorrinco ia ser o diferentão, né?). Animais assim são conhecidos como mesotérmicos (meso = meio).

Enfim, mamíferos muito grandes precisam dissipar muito calor pra não cozinhar por dentro; vide os elefantes, que usam suas orelhas de abano pra resfriar o corpo. Dinossauros não tinham que se preocupar tanto com isso, e, portanto, podiam crescer mais.

 

São esses os motivos que estragam nossa festa e impedem de termos animais terrestres colossais hoje em dia. :D~

Modo Noturno