Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

É possível maratonar uma série de forma saudável?

por em 21/06/2019 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

É possível maratonar uma série de forma saudável?

O primeiro caso de vício em séries online na web foi divulgado na Índia. Especialistas dizem que, se as pessoas não estiverem cientes de que até mesmo as séries podem ser tão perigosas quanto o vício em álcool, o país verá muitos mais desses casos no futuro. É por isso que você deve pensar duas vezes antes de planejar devorar uma nova temporada da sua série favorita de uma só vez.

O fenômeno de binge watching, ou maratonar, surgiu há algum tempo já, só que ganhou um nome americanizado. É como se fosse uma droga para o espectador, e ele se vê na obrigação de  assistir a série inteira. Isso leva à formação de um “padrão de dependência”.

As pessoas estão se excluindo do mundo da realidade e estão achando essas séries da web como escapismo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou recentemente os videogames como um vício. Especialistas dizem que não levará muito tempo para a OMS classificar a compulsão por dependência como transtorno aditivo. Embora não seja oficialmente reconhecido como um transtorno mental pelos especialistas, o transtorno de dependência de internet afeta muitos jovens e velhos.

Maratonar é viciante?

Ao contrário dos formatos de televisão convencionais, os serviços de streaming, nos quais uma temporada inteira de um programa pode ser visualizada em qualquer dispositivo de uma só vez, aumentam a vulnerabilidade dos espectadores à compulsão de assistir. As pessoas tendem a estimular o centro de recompensas do cérebro quando elas começam a saber o que está acontecendo em seu programa favorito, dizem os psiquiatras. Isso libera substâncias químicas que desencadeiam uma mistura de saciedade e prazer.

Tais casos de dependência, como qualquer outro, incluindo jogos, pornografia, bate-papo, mídia social, celulares e outros, baseiam-se em fatores impulsionados por condições psicossociais e ambientais.

“Para que tudo se torne um distúrbio, ele começará a interferir em hábitos pessoais como o sono, o programa básico de atividades, etc., que acabará prejudicando um indivíduo. A série dura apenas alguns dias, mas as pessoas imediatamente se ligam a isso”. Esta é uma das afirmações de um dos psiquiatras indianos responsáveis pelo trabalho. Ele ainda acrescentou: “A privação do sono pode ser o resultado de tais vícios. Isso pode torná-lo dependente. Essa ação tem potencial para gerar dependência, assim como as pessoas que consomem álcool, que não estão conscientes sobre seus efeitos nocivos. O espectador pensa que eles são capazes de se controlar. As pessoas pensam qual é o dano nisso? Mas eles precisam saber que estão no limite disso.”

Maratonar é gostoso demais

Milhões de pessoas em todo o mundo estão obcecadas com a compulsão de assistir. Especialistas dizem que agora se tornou o ópio das massas. As pessoas ficam acordadas até tarde apenas para terminar todos os episódios de séries particulares e ficam tentadas a substituir o sono por surras.

O Dr. Pankaj Borade, psiquiatra da Ruby Hall Clinic Pune, disse: “Não existe uma educação adequada sobre o uso de qualquer tipo de mídia. Quando uma pessoa não consegue alocar tempo para recreação, ela tende a comprometer o sono quando começa a assistir compulsivamente.”

Ele acrescentou: “Essas séries são convenientes para assistir. A TV tradicional, que tinha tempo fixo para determinado programa, fazia os espectadores esperarem por um dia inteiro para assistir ao próximo episódio. Mas plataformas como o Netflix têm programas ilimitados e podem ser facilmente acessadas. Essas coisas realmente encorajam seu uso excessivo.”

Ele concluiu dizendo: “Não há uma razão específica para assistir compulsivamente. Embora a falta de consciência e a formação de hábitos possam ser as principais razões para isso. As pessoas não foram informadas sobre seus efeitos negativos. Estas séries não vêm com um manual do usuário. Além disso, não há supervisão no visualizador. A auto-educação parece ser a única solução para este problema, mas até isso é esperar demais dessas pessoas. O que é necessário é criar conscientização primeiro e fazer as pessoas perceberem que a compulsão pode se transformar em um transtorno aditivo.”

O que acontece com o nosso cérebro quando praticamos o tal binge watching?

Assistir episódio após episódio de um show é bom – mas por que isso? Quando estamos envolvidos em uma atividade que é agradável, nosso cérebro produz dopamina. Este neurotransmissor dá ao corpo uma recompensa natural de prazer que reforça o envolvimento continuado nessa atividade. É o sinal do cérebro que se comunica com o corpo: ‘Isso é bom. Você deve continuar fazendo isso!’ Quando você assiste ao seu programa favorito, seu cérebro está continuamente produzindo dopamina, e seu corpo experimenta uma droga de alta dosagem. Você experimenta uma pseudo-dependência do programa porque você desenvolve desejos por dopamina.

O processo que experimentamos enquanto assistimos compulsivamente é o mesmo que ocorre quando uma droga ou outro tipo de dependência começa. Os caminhos neuronais que causam dependência de heroína e sexo são o mesmo que um vício em assistir compulsivamente. Seu corpo não discrimina o prazer. Você pode se tornar viciado em qualquer atividade ou substância que produz dopamina consistentemente.

E quando nos vemos viciados em uma série (vamos dizer Game of Thrones pois é a série que eu estou viciada há uns 5 anos)?

Passar tanto tempo imerso na vida dos personagens retratados em um programa também está alimentando nossa experiência de assistir compulsivamente. Nosso cérebro codifica todas as experiências, seja assistindo na TV, experimentando ao vivo, lendo em um livro ou imaginando, como memórias “reais”. Então, quando assistimos a um programa de TV, as áreas do cérebro que são ativadas são as mesmas de um evento ao vivo. Somos atraídos para as linhas da história, nos apegamos aos personagens e nos preocupamos verdadeiramente com os resultados dos conflitos.

Mas há diferentes formas de envolvimento de personagens que contribuem para o vínculo que formamos com os personagens, o que acaba nos tornando mais propensos a assistir a um programa em sua totalidade.

*ALERTA DE SPOILERS*

Identificação é quando vemos um personagem em um programa no qual nos vemos. Game of Thrones nos faz estabelecer uma identificação quase que imediata com os personagens, por exemplo com a Catelyn Stark, que ficou dias ao lado do filho que estava em coma por ter caído de uma torre da residência dos Stark. Foi muito fácil não aprovar o comportamento de Cercei e Jamie Lannister, e a partir daí, até o fim da série pessoas odiarem estes personagens, e amarem outros como Ned Stark, que, assim como Jon Arryn, descobriu a real origem dos filhos de Cercei. Ambos pagaram o preço de saber os podres da família Lannister e morreram a mando de Cersei, Jamie e Joffrey.

*FIM DOS SPOILERS*

Se você já se pegou pensando que você e seu personagem favorito seriam totalmente amigos na vida real, você provavelmente experimentou esse tipo de envolvimento. Outro tipo de envolvimento de personagem é aquele de  ‘eu sei o que ele está sentindo’, porque a afirmativa é familiar, e pode também permitir ao espectador aumentar a auto-estima ao ver qualidades valorizadas em outra história. Por exemplo, você é atraído por programas com uma liderança feminina forte porque muitas vezes você assume esse papel no trabalho ou em seus grupos sociais.

Binge watching pode aliviar o estresse

O ato de assistir compulsivamente nos oferece uma fuga temporária de nossa rotina diária, que pode atuar como uma ferramenta de gerenciamento de estresse útil, diz o Dr. John Mayer, Ph.D, (não o cantor pelo qual eu sou apaixonada) um psicólogo clínico do Doctor On Demand. “Somos todos bombardeados com o estresse da vida cotidiana e com a natureza do mundo de hoje, onde a informação nos inunda constantemente”, diz Mayer. “É difícil fechar as nossas mentes e desligar do stress e das pressões. Uma compulsão pode funcionar como uma porta de aço que bloqueia nossos cérebros de pensar sobre o estresse constante que estão em nossos pensamentos. A maratona pode estabelecer uma grande fronteira onde os problemas são mantidos à distância”, conclui.

Assistir a um programa que apresenta um personagem ou cenário que esteja ligado à sua rotina diária também pode ter um impacto positivo na sua vida real. O binge watching pode ser saudável se o seu personagem favorito também for um modelo virtual para você ou se o conteúdo do programa mostra a sua carreira profissional. Por exemplo, se uma pessoa tímida quer se tornar mais assertiva, lembrar como um personagem forte se comporta pode dar à pessoa tímida um exemplo vívido de como se defender. Ou, se estiver passando por uma crise pessoal, lembrar como um personagem favorito ou um modelo de TV resolveu um problema pode dar ao observador compulsivo soluções novas, criativas ou mais ousadas.

Como maratonar com moderação?

A chave para assistir muitas séries sem sofrer com as desvantagens do vício é estabelecer limites para o tempo que você gasta com sua televisão – o que pode ser difícil de fazer quando você se depara com cenas no fim do episódio que praticamente te obrigam a assistir mais um. Além do prazer, muitas vezes assistimos compulsivamente para obter o fechamento psicológico do episódio anterior. No entanto, como cada novo episódio deixa você com mais perguntas, você pode se envolver em uma maratona saudável definindo um horário de término predeterminado para a farra. Por exemplo, comprometa-se a dizer: “depois de três horas, vou parar de assistir esta série por hoje”.

 

Fonte da capa

Modo Noturno