Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Space Today TV Ep.187 – Buraco Negro Monstruoso Em Local Improvável

por em 07/04/2016 em Ciência | Nenhum comentário

Os astrônomos descobriram o maior buraco negro supermassivo, com uma massa equivalente a 17 bilhões de vezes a massa do Sol e em um lugar incomum, o centro de uma galáxia localizada num canto calmo do universo.

Até agora os buracos negros supermassivos maiores, com massas superiores a 10 bilhões de vezes a massa do Sol, haviam sido encontrados no núcleo de galáxias que residem no centro de massivos aglomerados de galáxias.

Desse modo, a descoberta anunciada no dia de hoje desafia o entendimento dos astrônomos.

O buraco negro supermassivo com massa de 17 bilhões de Sóis foi descoberto no núcleo da galáxia NGC 1600 localizada a cerca de 200 milhões de anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Eridanus. A NGC 1600 pertence a um pequeno grupo de cerca de 10 galáxias.

O maior buraco negro conhecido, tem uma massa equivalente a 21 bilhões de vezes a massa do Sol e localiza-se no agitado Aglomerado de Galáxias Coma, que possui mais de 1000 galáxias. Pode-se dizer que os buracos negros são como os arranha-céus, é muito mais provável encontrar grandes edifícios em grandes cidades, do que em pequenas e isoladas cidades do interior. No caso dos buracos negros sempre espera-se encontrar um monstro desse tamanho nos agitados aglomerados maiores do que em agrupamentos menores de galáxias.

Além de ser encontrado numa galáxia pertencente a um pequeno agrupamento, outra característica surpreendeu os astrônomos. A massa do buraco negro é cerca de 10 vezes maior do que eles haviam previstos. Com as observações já feitas até hoje, os astrônomos possuem uma correlação entre a massa da galáxia e a massa dos buracos negros em seus núcleos, quanto maior a galáxia, maior é o buraco negro.

Porém, no caso da NGC 1600 a massa do buraco negro supera em muito a massa do bulbo esparso e central de estrelas da galáxia.

Vamos as explicações:

Uma ideia para o buraco negro ter uma massa tão grande assim é o fato da NGC 1600 ter se fundido com outras galáxias menores na época em que essas fusões eram mais frequentes. Quando as galáxias se fundem, os buracos negros centrais podem também se fundirem, e devido ao aumento do suprimento de estrelas, de gás e de poeira ele começa a se alimentar intensamente crescendo cada vez mais. Esse pode ter sido o que aconteceu com esse buraco negro que deve ter passado por um período de grande voracidade.

Essa hipótese da fusão também explica o fato do aglomerado onde localiza-se a NGC 1600 ter poucas galáxias. Como essa é a principal galáxia no aglomerado ela pode ter devorado todas as outras galáxias menores. A NGC 1600 é cerca de 3 vezes mais brilhante do que as galáxias vizinhas, uma diferença de brilho assim não ocorre nos aglomerados mais populosos.

A maior parte do material galáctico foi consumido pelo buraco negro a muito tempo atrás, na sua fase mais voraz. Atualmente ele se encontra adormecido, como se estivesse tirando uma ciesta eterna. Para medir a massa do buraco negro os astrônomos mediram a velocidade com a qual as estrelas perto dele se movem, devido a influência gravitacional do buraco negro, a velocidade é uma propriedade diretamente ligada à massa do buraco negro.

Para fazer essa descoberta os astrônomos usaram o Telescópio Gemini North de 8 metros em Mauna Kea no Havaí e o seu instrumento GMOS para medir a velocidade das estrelas. E devido a qualidade do instrumento foi possível medir velocidade de estrelas situadas a somente 3000 anos-luz do núcleo da galáxia.

– E usaram também imagens de arquivos do Hubble, feitas com o NICMOS. O NICMOS revelou que o núcleo da galáxia aparece apagado, como se estivesse faltando estrelas. Essa depleção de estrelas no centro é que distingue galáxias massivas de galáxias elípticas padrão. Estima-se que a quantidade de estrelas eliminadas da região central da NGC 1600 equivale a 40 bilhões de sóis. É como se todo o disco da Via Láctea tivesse sido ejetado.

Links:

http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2016/12/full/

http://www.gemini.edu/node/12496

http://news.berkeley.edu/2016/04/06/supermassive-black-holes-may-be-lurking-everywhere-in-the-universe/

http://www.spacetelescope.org/news/heic1607/?lang

Link para o artigo original:

http://pt.slideshare.net/sacani/a-17-billionsolarmassblackholeinagroupgalaxywithadifusecore

=====================================================

Seja meu Patrão:

http://www.patreon.com/spacetoday

=====================================================

Apoio e apresentação:

http://deviante.com.br

A nova casa do SciCast

=====================================================

Science Vlogs Brasil:

https://www.youtube.com/channel/UCqiD87j08pe5NYPZ-ncZw2w/featured

http://scienceblogs.com.br/sciencevlogs/

https://www.youtube.com/channel/UCqiD87j08pe5NYPZ-ncZw2w/channels?view=60

=====================================================

Meus contatos:

BLOG: http://www.spacetoday.com.br

FACEBOOK: http://www.facebook.com/spacetoday

TWITTER: http://twitter.com/spacetoday1

YOUTUBE: http://www.youtube.com/spacetodaytv

Obrigado pela audiência e boa diversão!!!

=====================================================

 

Modo Noturno