Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

A biologia de como o cérebro se esquece

por em 12/12/2018 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

A biologia de como o cérebro se esquece

Uma parte fundamental para entender o funcionamento do cérebro  é conhecer os mecanismo de como nos lembramos e como esquecemos das coisas. Vou falar aqui um pouco do que já se sabe sobre como esquecemos as coisas.

Não é de hoje que tentamos entender a forma como o cérebro trabalha. A busca por esse conhecimento está abrindo inúmeras possibilidades. Um exemplo disso é  o aprimoramento da Inteligência Artificial. Falei um pouco disso neste artigo que escrevi aqui para Deviante.

Nosso cérebro tende a esquecer coisas que gostaríamos de lembrar sempre. No entanto, não se pode esquecer certas coisas que gostaríamos nunca ter que lembrar.

Então, como o seu cérebro esquece?  Por natureza, o cérebro humano esquece o tempo todo. O mecanismo biológico responsável por esse processo é pouco compreendido ainda. Apenas alguns estudos esclarecem esse fenômeno. Em maio de 2012, cientistas tentaram explicar a biologia molecular da eliminação ativa de memórias. Em setembro de 2018, outra equipe de pesquisadores identificou as partes do cérebro associadas ao esquecimento. Com base nas frequências cerebrais, eles analisaram como o cérebro humano esquece voluntariamente .

A Biologia Molecular do Esquecimento

Em 2012, uma equipe de pesquisa independente do Scripps Research Department of Neuroscience tentou entender como funciona a biologia molecular do esquecimento ativo.  Para isso, eles usaram moscas-das-frutas ( Drosophila ). É uma espécie usada frequentemente para estudar a memória. Assim, eles descobriram que um pequeno conjunto de neurônios e de dopamina regulavam a lembrança, assim como o esquecimento de memórias. Em outras palavras, eles viram que, se por um lado os neurônios que adquiriram memória, eles também eliminavam a memória por outro lado. Os pesquisadores identificaram os dois receptores de dopamina envolvidos nesse processo, dDA1 e DAMB.

Nesse caso, a dopamina, que é um neurotransmissor, aparentemente desempenha papéis duplos, mas opostos. A princípio, ela ativa o receptor dDA1 de um neurônio. Com efeito, o neurônio começa a formar memórias. No entanto, o mesmo neurônio envia sinal a partir de outro receptor de dopamina, o DAMB. Quanto a dopamina se liga ao receptor DAMB, ele é ativado. Como resultado, ele aciona eventos que levam ao esquecimento da memória recentemente adquirida (desde que a memória ainda não tenha sido consolidada).

Em essência, enquanto a memória se forma ativamente, um mecanismo oposto de esquecimento baseado na dopamina também funciona. A menos que o cérebro julgue a memória como importante, essa lembrança será apagada da memória.

Esquecendo de propósito

Em setembro de 2018, pesquisadores da Ruhr-Universität Bochum e do Hospital Universitário de Gieben e Marburg colaboraram com pesquisadores de Bonn, Holanda e Reino Unido. Em resumo, eles identificaram as partes do cérebro envolvidas no processo de esquecimento voluntário . Em particular, essas áreas do cérebro incluem o córtex pré-frontal e o hipocampo, a região do cérebro associada a memórias.

Neste estudo, os pesquisadores descobriram que o córtex pré-frontal regula a atividade no hipocampo, “falando” quando o hipocampo deve ou não funcionar. A frequência que o hipocampo é ativado ou não pelo córtex interfere diretamente na formação da lembrança ou do esquecimento. Essa frequência é chamada pelos pesquisadores como a frequência do esquecimento.

Esquecer é fundamental para a saúde mental

Por mais que recordar seja importante, esquecer certas coisas é crucial para o bem-estar mental e emocional. Nós esquecemos das coisas e, na maioria das vezes, nem nos damos conta. Imagine lembrar de tudo – bom e ruim. Não apenas teríamos que lidar com a sobrecarga de informações, mas também estaríamos expostos por muito tempo a sentimentos associados a essas lembranças.

O transtorno de estresse pós-traumático, considerado como um transtorno mental, se desenvolve quando uma pessoa passou por um experiência traumático. Pessoas com essa condição enfrentam riscos maiores de infligir autoflagelação, ou pior, cometer suicídio.  

Mais pesquisa

A incapacidade de esquecer certas coisas impede a pessoa de seguir em frente e se concentrar nas tarefas que tem em mãos. Os eventos traumáticos parecem estar arraigados profundamente na mente e na alma. Por exemplo, a perda de um ente querido, a guerra e as agressões sexuais são difíceis de ignorar. Assim, precisamos de mais insights sobre a biologia do esquecimento.

Mais estudos poderiam ajudar a moldar futuras intervenções terapêuticas. Pode não levar necessariamente à absoluta incapacidade de recordar. Mas, esperançosamente, isso pode ajudar a deixar de lado as lembranças rancorosas. Dessa forma, indivíduos afetados poderiam ser libertados das armadilhas do passado e ajudá-los a viver a vida com uma esperança otimista para um futuro.

Referência: 

https://www.scripps.edu/newsandviews/e_20120514/davis.html

Modo Noturno