Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Scicast #174: Agricultura

por em 6 06America/Sao_Paulo janeiro 06America/Sao_Paulo 2017 em Ciência, Destaque, Notícias, Scicast | 32 comentários

Scicast #174: Agricultura

Sejam bem vindos Deviantes e Derivadas a mais um SciCast! Essa semana vamos falar da profissão mais antiga do mundo (carece de fontes) a agricultura!

Do passado ao futuro! Métodos de plantio e tudo mais que precisamos saber sobre a comida da comida.

Arte da Capa:


Publicidade:

  • Continuando a série Monsters of Science em grande estilo a Loja SciCast lança a camiseta Einstein Kiss, está esperando o quê pra pegar a sua?

IMG-20160809-WA0008

  • Ao lado de um dos mais conhecidos  cientistas da história da humanidade, temos uma das maiores e mais importante cientista na camiseta Marie Curie and the Radioactivity Experience, dentre muitos outros itens imperdíveis.

Avisos Paroquiais:

Campus Party 2017:

Bancada do Portal Deviante na Campus: http://campuse.ro/events/CPBR10-Grupos/workshop/republica-deviante-by-scicast/

Todas as palestras do Portal Deviante:

OBS:  Marque para participar de todas! Mesmo que você não saiba se vai ao evento, assim a palestra possuirá mais chance de ser aprovada e você estará ajudando o Miçangas e o Portal Deviante!


Contato Comercial:

Quer anunciar seu produto, marca ou serviço aqui no SciCast? Entre em contato:


Redes Sociais:


Aperte o pause:


Expediente:

Produção Geral: Tarik FernandesHosts: Fernando Malta e Marcelo Guaxinim. Edição: Talk’ nCastEquipe de Gravação/Pauta: Roberto Pena, Márcio Fernandes e Werther KrohlingArte da Vitrine:


Material Complementar:

Fazendas Verticais – Singapura, Tokyo,

Plantagon – The Future of Urban Food

Lei que dispõe sobre Agricultura Orgânica

These folks feed their family with a garden in their swimming pool — and you can, too

Game – Farming Simulator

  • wesley Oliveira

    Vou ter que descordar de um ponto, não me recordo quem falou, talvez eu esteja sendo um tanto radical, porém, a parte de “não atacar as pseudociências” pq ela tem seu lado bom, me parece uma visão muito medíocre. Os fins não justificam os meios, a pseudociência aceita a idiotice e propaga a ignorância. Que seja mais difícil chegar a finalidade desejada, mas chegue de forma inteligente, de forma a todos evoluírem e não da forma mais fácil.

    • Oi Wesley, obrigado pelo seu comentário.
      Fui eu quem falou primeiro sobre não atacar as pseudo-ciências. Essa questão é muito maior do que apenas a apresentada no cast. Não é sobre “fins justificam os meios”. Ela é anterior.
      Começa pelo princípio de não atacar ninguém. Pq o objetivo de um cientista, ou um divulgador científico não é atacar… ninguém. Não existem inimigos por ai. Existe falta de informação. As pessoas não escolhem no que acreditar. Atacando a crença das pessoas dificilmente vou conseguir dialogar com elas e expor uma alternativa, trazer mais informação.
      O segundo ponto, e talvez mais importante, é que eu não sei se a minha verdade é melhor do que nenhuma outra. Eu posso argumentar tranquilamente que a ciência faz sentido, que responde minhas perguntas, que me empodera de meios para argumentar a natureza e o universo. Mas outras pessoas com outras crenças podem argumentar da mesma forma. E eu seria muito idiota (e pouquíssimo cientista) de já acreditar a priori que a minha verdade é melhor. Como cientista, meu dever é questionar sempre, e nunca ter certeza de nada. Me responde agora, como eu posso, adotando essas premissas, querer atacar alguém, ou pre-julgar qualquer tipo de conhecimento? É muito mais simples tacar um selo de “idiotas” e querer catequizar esses idiotas, mas quando penso nisso já não consigo me diferenciar dos mesmos fanáticos religiosos ou ideológicos que critico.
      Desculpe, mas eu não tenho que condenar ninguém, mesmo quem dialoga com conhecimentos pseudo-científicos. E serei provavelmente mais sábio se souber sim aproveitar o que ali tem de verdade científica ou o que ali contribui para um mundo mais decente e sustentável. O melhor mundo não é aquele em que todo mundo acredita nas mesmas coisas que eu acredito. Eu não tenho nenhuma pretensão de “salvar” o mundo. Eu quero contribuir, levando conhecimento para quem tiver vontade, e se sentir convidado, para tal. Mas conviver com as diferenças é fundamental.

  • Tiago Paulo

    Olá Deviantes,

    Notei uma ausência na parte dos métodos: Agrofloresta. Conheci esse método recentemente, ele consiste em imitar uma floresta misturando diversas espécies de vegetais de portes diferentes de uma forma que uma ajude a outra, você seleciona 4 ou 5 ruas de vegetais fazendo uma “escadinha” e vai repetindo a sequência. Uma agrofloresta quando estabelecida utiliza a própria poda das espécies não produtivas para adubar o solo. Em grande escala a tal agrofloresta vista por cima fica extremamente parecida com uma floresta mesmo, inclusive afetando(de forma positiva) o clima e ciclo de chuvas da região onde está instalada. Se eu não me engano isso começou com um cara chamado Ernst Gotsch, ele comprou uma fazenda na Bahia bem destruída no começo dos anos 80 e restaurou ela utilizando esse método. Outro exemplo é a “Fazenda da Toca” do Pedro Paulo Diniz, ela utiliza agrofloresta em grande escala comercial.

    A questão da soja é extremamente séria, é uma das maiores causas diretas de desmatamento da Amazonia. De forma indireta, é notável que o nosso atual ministro da agricultura o Sr. Blairo Maggi também conhecido como REI DA SOJA e REI DO DESMATAMENTO por “”””””contribuições”””””” que ele deu no novo códico florestal. 80% dessa soja produzida é utilizada como ração para animais de corte que apesar da exportação, é muito utilizado internamente também visto que no Brasil só de gado temos 215 milhões de cabeças, mais boi que gente. Acredito que no mínimo o consumo de carne deveria cair para a recomendação máxima da OMS, pois o custo ambiental é ridiculamente alto, são 7 kg de soja para cada kg de carne produzida no final.

    Sobre a questão dos prédios de produção alimentar, achei isso fantástico! Vou ver os vídeos depois, mas fiquei pensando, isso é feito no Brasil de alguma maneira atualmente? Fiquei pensando em quão interessante seria comercialmente produzir vegetais orgânicos em uma capital, arriscaria dizer que a economia em transporte e a eliminação de vários intermediários tornaria esses vegetais tão baratos quanto um proveniente da agricultura convencional.

    Flws Senhores.

  • O Maia
  • Muito bom! Gostei demais da parte onde vcs ressaltam que devemos respeitar o conhecimento popular, ao menos parar para escutá-lo. Algumas coisas parecem superstição, como colocar brinco de cobre na vaca para matar verruga, mas se vc associar a prática a teoria, tudo faz muito sentido. Existe muito conhecimento popular desprezado e não deveriamos simplesmente ignorá-los. Escutar é sempre importante. A biodinâmica, permacultura, agricultura celestial são formas de tratar a natureza e se beneficiar também, extremamente interessantes de se estudar e colocar em prática. Um grande abraço e parabéns pelo episódio. Popó e eu somos super a favor de mais episódios em Ciências Agrárias! :)

  • Esron Silva

    Hoje em dia os jovens só pensam em uma coisa: Máquinas agrícolas.

    • Antonio Carlos da Graça Mota D
      • Esron Silva

        Não é delicioso? Olha pra essa máquina, olha como ela se move, olha a precisão do plantio.

        • Antonio Carlos da Graça Mota D

          Acho que encontramos um dos jovens que só pensam em máquinas :D :D :D

  • Gradash

    Comentário gigante, mas lá vai.

    Seria bom se vocês tivessem chamado para o podcast alguma pessoa de agricultura familiar para explicar melhor como é a coisa de verdade, eu cresci em um sítio e trabalhei com meu pai e mãe desde os 10 anos de idade na roça. Estudei em escola rural com uma só professora e 2 turmas de séries diferentes na mesma sala. Saí do campo com mais ou menos uns 21 anos mas meu pai trabalha com isto até hoje o que ainda rende algum lucro. E preciso admitir que vocês falaram muita coisa que me deixou um pouco… ressentido com o que foi falado sobre a agricultura principalmente familiar.

    Para o desespero do Tarik, uma coisa muito importante que é preciso saber, se TODOS nós fossemos veganos, nós estávamos FUDIDOS, a área necessária de desmatamento seria gigantesca pois a produção energética das plantas é muito baixa baseado na área necessário, por outro lado um boi de 700 a 800kg é capaz de sustentar uma família 4 quatro pessoas comendo carne todos os dias em todas as refeições e a área necessária é relativamente pequena quando comparado com os vegetais. Porcos é melhor ainda, porcos precisam de uma área muito pequena (alguns metros quadrados está de bom tamanho deste que seja um local muito nojento pois eles adoram), um porco de seus 800kg também duram menos que um boi, mas como a área para cuidar deles é menor, então é ótimo, isto aliado a galinhas e afins garantem carne e muita carne para a família por um ano inteiro.

    Meu pai tinha cerca de 11 hectares (1 hectare é igual a 10.000m²) mas hoje ele tem cerca de uns 3 que ele planta maracujá com meu irmão mais velho. Mas pela minha experiencia na área, acredito que para a subsistência de uma família em termos de comida, 4 hectares está de ótimo tamanho para produzir o que vão comer para o ano com poucas necessidades de compra externa, sendo assim se tiver mais que isto, ai basta plantar uma cultura para venda que vai garantir a renda da família (4 pessoas).

    Sobre orgânicos

    Como reconhecer um produto parcialmente orgânico: está bonito, suculento, grande e com cores vivas. Não é parcialmente orgânico! Produtos parcialmente orgânicos são normalmente pequenos, feios e nada suculentos (mas o gosto é infinitamente melhor).

    Por que eu falo parcialmente orgânicos?

    Primeiramente gostaria de retificar aqui que provavelmente vocês NUNCA comeram absolutamente nada orgânico, a produção orgânica é absurdamente minimizada e muito difícil se não impossível para a maioria dos produtos, para poder ter produtos orgânicos você precisa estar em uma região completamente limpa de produção convencional, pois o veneno é transportado pelo veneno por quilômetros e mais quilômetros facilmente, depois disto você precisa que todo o alimentos sejam produzidos em estufas climatizadas e isoladas com altíssimo controle pois a incidência de pragas é absurda, precisa que a terra e área usados passem por tratamentos pesados contra bactérias, e como é orgânico não pode ser tratamento químico, fora que os estercos e minerais precisam de tratamento semelhante, então no final das contas se o tomate que você está comprando custa menos de 100 reais a unidade, não é orgânico.

    Além disto, não é porque o alimento é orgânico que isto significa que ele está uma lindeza para a sua saúde, pois para manter ele será preciso muitas soluções naturais como chamamos que não são das mais agradáveis de se olhar, variam de esterco (merda mesmo) dissolvido com cálcio e urina (mijo do mais amarelo possível) que estão provavelmente CHEIOS de bactérias nocivas aos humanos, sendo que na maioria das vezes se usa estes excrementos de porco e qualquer um que conhece um pouco sobre porcos, sabe que as bactérias deles são facilmente transmitidas para nós pobres coitados humanos.

    Sobre a produção, orgânicos de verdade, a taxa de perda seria mais ou menos de a cada 1 tonelada de produtos convencionais, você produz uns 100kg ou menos de produto REALMENTE orgânico, mas sendo mais realista acho que se conseguir 10kg é muito. Agora para produtos que se dizem orgânicos mas não são nem perto (sim você está sendo um otário e passado para trás), acho que uma produção de 1/3 é mais realista. Se colonizarmos marte e começarmos a produzir comida lá, acho que sai mais barato fazer orgânico lá por não termos as pragas lá.

    Sobre a sustentabilidade, sim orgânicos é impossível se sustentar uma vez que nem mesmo só com vegetais isto é possível sem devastar o planeta inteiro. Porém pelo que vemos acontecendo hoje na colheita, se continuar neste ritmo a seleção natural de pragas, no máximo (meu chute) em 50 anos vai se tornar quase impossível a produção de ortálicas das mais variadas devido as pragas.

    • Oi Gradash. Muito legal seu relato. É sempre interessante a visão de quem realmente viveu neste meio.
      Apenas gostaria de corrigi-lo numa questão. Você diz que se todos virássemos vegetarianos seria um problema pq é necessário mais espaço de plantação do que espaço para criar um boi, por exemplo. Porém você está esquecendo nesta conta de incluir todos os vegetais necessários para alimentar os bois. Um boi come mais de 10kg de alimento (vegetais) por dia. Para vc comer 1 kg de carne, centenas de quilos de vegetais foram necessários para alimentar esse boi. A maior parte da agricultura de grande porte hoje é dedicada para alimentar os animais. Se pensarmos em água, 1kg de bife gasta mais de 15.000 litros de água, enquanto 1kg de arroz (que é dos vegetais que mais consome água) leva 2.500 litros.
      Sem dúvidas a alimentação vegetariana é muito mais sustentável, e tem muita gente que adota essa dieta por questões ambientais, e não apenas pela causa animal.
      Convido a todos a ouvir este episódio do Alô ciência – Vegetarianismo : http://alociencia.com.br/podcast/006-vegetarianismo/
      para ter mais informações sobre essa questão ambiental.

      • Gradash

        Sim um boi come muito pasto, mas ai que está. Ele come PASTO! Grama, Normalmente você faz rodízio com os bois e o resultado é que a área que eles precisam é bem pequena, claro que porcos e frangos é beeeeeeeeeeeeeem menor!

        Para nível de comparação, 1 boi gera comida suficiente para uma família (4 pessoas) por 1 ano, você precisa de 1 Hectar (menos na realidade, BEM menos mas vamos deixar a conta fácil), em contra partida, você precisa para um ano de vegetais para a mesma família coisa de 3 a 4 hectares, para 1 ano de comida claro. Como nós tinha-mos cerca de 11 hectares, o meu pai mantinha uma parte para criar bois e vacas, plantava um pouco de comida em coisa de mais de 2 e o resto era produtos para vender (Tabaco) pois para plantar comida (ninguém vive só de carne) precisaria usar todo o resto e isto dá trabalho demais, então era melhor comprar coisas como arroz e etc.

        • Oi Gradash,

          Essa conta não está batendo. Você já ouviu falar de pirâmides ecológicas? Tem uma chamada de pirâmide de energia
          https://uploads.disquscdn.com/images/3b1e0ea6571674dd53320d077ef11bd67065b9d1ec74d8587512123ee9676166.jpg (imagem anexa) e representa quanto de energia cada nível trófico tem disponível. O gado come plantas e usa parte dessa energia para sua própria vida. Quando alguém come esse gado, essa pessoa tira muito menos energia do gado do que o gado consumiu das plantas. A cada nível que subimos na pirâmide menos energia tem disponível. (esse site explica tudo certinho http://brasilescola.uol.com.br/biologia/piramides-ecologicas.htm)
          Sendo assim, não tem como um boi alimentar mais gente do que poderíamos gerar com vegetais no mesmo espaço. Pelo contrário, com certeza um boi alimenta bem menos gente do que os vegetais que ele consome poderiam alimentar.
          Dá para entender isso facilmente quando comparamos a quantidade de água necessária para fazer 1kg de alface e 1kg de bife. O bife é o alimento que mais consome água para ser fabricado (veja os dados na minha postagem acima)
          Para você ter uma noção, 70% da soja produzida no Brasil e 80% do milho são destinados para alimentação animal. 70% da superfície agrícola do mundo é usada na criação animal, seja em pastos ou em plantação para fazer ração.
          A dieta carnívora não é sustentável, são muitos indicadores que entram aqui. Veja um compilado aqui: http://www.onca.net.br/textos-e-publicacoes/textos/textos-onca/producao-animal-e-impacto-ambiental/

          • Gradash

            Sim já. Falo por EXPERIENCIA PRÓPRIA. Uma coisa é a parte teórica que leva dados “perfeitos” em conta, outra é o lado prático que já viu que perfeição estão BEM longe da realidade. Se você colocar no papel, orgânicos funcionam, não são suficientes para a população mas permite que muita gente possa come-los, na pratica? Se você conseguir se ALIMENTAR de orgânicos enquanto produz está muito bem já.

            Gado come tipos de plantas que nós humanos não comemos, na real eles comem literalmente tudo, enquanto nós precisamos de uma área plantada, além que nossas plantas são pouca produtivas, as que o gado comem? Absurdamente produtiva. Isto já muda muita coisa.

          • Oi Gradash

            Concordo contigo q o gado come plantas que nós não conseguimos digerir e eventualmente isso pode até representar mais eficiência (mas porcos e galinhas não tem essa vantagem, é algo q se aplica apenas p gado).

            Mas eu não estou me baseando apenas na teoria (embora a teoria aqui esteja me dando um fator de 10x q não é algo a ser ignorado). Estou me baseando em evidência dos números q apresentei, por favor não os ignore.

            Aproveitando, gostaria de entender a conta q vc fez de q um boi alimenta uma família de 4 pessoas por um ano.

            Abraços

          • Gradash

            Eu não os ignoro não, não precisa se preocupar :)

            Em números macros pode ser uma realidade sim, agora em micro, é bem diferente da realidade, eu me refiro a uma família com a sua própria subsistencia, e como eu falei várias vezes aqui, porcos são MUITO mais eficientes que gado, diferença é grosseira! Comem maior variedade e exigem menos espaço. Frangos ai é beeeeeeeeem complicado, vale muito mais a pena você ter só para ovos que para comer como carne, é meio que disperdícil, normalmente o que fazemos é manter as galinhas e quando nasce mais de um macho, o mais velho vai para a panela literalmente.

            E antes que pense que eu sou um cara carnívero elouquecido que não aceita os veganos, eu praticamente não como carne, só como carne MUITO bem passada, não como porco, frango só o peito e não gosto de nenhum tipo de peixe, meu prato é praticamente só vegetais :)

  • Gilmar Colombo

    é gurizada, mandaram mal heim… monocultura, transgênicos, químicos, petróleo, tecnologia e manejo foram os responsáveis pelo grande salto na produção. Todas essas outras pseudociências servem apenas para propagar desinformação. Orgânicos é algo mais estético(não visual, mas processual) doque mais produção ou com melhor qualidade. Recomendo que vcs começem assistindo “Mark Lynas GMO speach” e sigam um Eng. agrônomo chamado Dirceu Gassen, que inclusive deveria ser convidado para algum futuro cast sobre o assunto. Por fim, se o MS e o MT não plantassem soja e milho com a produtividade que hoje existe, os ditos agricultores familiares do PR, SC, SP, RS, MG e outros iriam acabar com suas pastagens, café e arroz plantando a soja.

    • Marcelo Rigoli

      E aí @gilmarcolombo:disqus tudo certo? Cara, eu confesso que tenho uma certa inclinação para os argumentos que tu trouxe, mas o que eu sinto falta (por não ter procurado mesmo) são evidências para suportar essas afirmações. Tu tens indicação de artigos ou levantamentos oficiais para essas afirmações? Acho que é um debate super importante.

      • Gilmar Colombo

        Bah! Agora tu me apertou sem me abraçar… rssss

        Mas vamos lá, busque por “mark lynas gmo speech” no youtube, é um video com fundo verde. Nesse video ele defende os organismos transgênicos e retira a santidade que é posta nos orgânicos.

        Dirceu Gassem é um agrônomo que ajuda os produtores rurais a melhorarem suas técnicas, ele tem muita coisa bacana publicada no FaceBook, vale a pena dar uma conferida.

        Busque estudar a chamada “revolução verde” que ocorreu depois da IIWW que usando de agrotoxicos, químicos, tratores, GMOs(melhoradas por seleção artificial) e melhores tratos culturais aumentaram e muito a produção e continuam aumentando.

        Siga também AgPHD no FaceBook e YouTube, um grupo gringo que divulga direto o aumento de produção, tecnologias que ajudaram e tecnologias novas.

        Agora vai uma carterada, sou produtor rural no PY, se tu viajar pelo MS vai reparar que há quase só gado, soja e milho, porque são as culturas que mais dão dinheiro, no PR tu vai notar essas culturas, mas com barracões de gado leiteiro, de porco e de galinha(pois o PR tem os abatedouros desses animais e plantas beneficiadoras desses produtos). No PR tu encontra também mais plantação de feijão e arroz pois fica mais próximo do mercado consumidor. É mais barato transportar 1 T de feijão pro MS doque 30 T pro PR.

        Enquanto a saca de soja vale R$60 aqui no MS em Paranagua-PR vale R$82, com um gradiente de preços no caminho. Enquanto em Londrina-PR tu com uma área de 50ha tu consegue viver com uma qualidade boa, no MS tu vai precisar de pelo menos 200ha ou até 500ha dependendo da região e da terra(mais argilosa ou mais arenosa). Isso ajuda a falir pequenos proprietários em anos ruins e aumentar o numero de propriedades grandes. Ja no PR o pai tem 3 filhos, cada um herdando um pedaço de terra e com maior chance de sobreviver como um pequeno agricultor mais tecnificado. E há uma gama muito maior de possibilidades de produção.

        Imaginemos um cenário louco, o MS e o MT para totalmente a produção de soja e milho. Automaticamente o soja em Paranaguá vai a R$120(o mercado é muito mais complexo que isso, estou simplificando, existem muitos jogadores nesse jogo), fica muito mais tentador ao cara que planta feijão, frutas e outras coisas no PR a mudar pra soja. E pode tornar mais rentavel plantar soja no RR e mais rentavel criar gado de corte no AM e AC aumentando assim a devastação da floresta.

        Destruir a floresta vai rolar enquanto a população aumenta e enquanto essa população estiver melhorando financeiramente tendo mais acesso à carne, principalmente na china. Duvido que alguém defenda pessoas mais pobres e com um pior acesso a alimentos, então temos que focar na tecnificação da produção, produzindo mais. E incentivar uma menor natalidade, talvez até mesmo algo compulsivo.

        Orgânicos estão totalmente na contramão disso. Eles produzem menos, com menor qualidade e apenas com um apelo estetico(querer uma fazenda que ja não existe desde os anos 60 e achar que mais natural é melhor). Claro que há parcelas(pequenas e pontuais) desse dito conhecimento validas. Mas apoiar isso cegamente é jogar toda a produção cientifica do ultimo século. Agrotoxicos quando usados corretamente, e sim há muiiiiiitos mal usos, são como remédios, seus efeitos colaterais, são melhores que a alternativa.

        Se tiver mais duvidas ou se quiser que eu fale mais sobre algo que não ficou bem explicado basta pedir.

        Desculpe por erros de PT e a má síntese, pois nunca fui bom em redação, e reveja esses dados que eu te passei, pois posso estar errado.

        []’s e Boa tarde!

        P.S.: o Canal Rural também, é algo bom pra se acompanhar, mas acredito que seja muito chato pra quem não é da área.

      • Gilmar Colombo
  • tiago

    Interessante o Cast, sou engenheiro agrônomo, ja trabalhei com agricultura familiar na região amazônica e atualmente trabalho na área de proteção ao meio ambiente no Mato Grosso. Infelizmente existe uma ilusão muito grande, em acreditar que são os grandes produtores que destroem florestas, com a minha experiencia observei que na verdade são sempre pequenos produtores, que abrem a floresta pecuária, devido ao custo de formação da terra, pois é muito caro retirar a floresta, (arvores com mais de 15 metros com 2m de diâmetro), que acabam vendendo a terra para pecuaristas maiores, que depois de muitos anos acabam vendendo a terra para grandes agricultores (é muito dificil um pecuarista extrativista virar agricultor, eles não investem na recuperação da propriedade e abandonam a terra quando ela se torna exaurida). Outro ponto é mais fácil cobrar e fiscalizar um grande produtor do que um pequeno. Os pequenos sempre insistem em produzir em área de mata ciliar, por considerar o solo mais produtivo, se quiser observar o estrago ambiental que faz a “agricultura Familiar” compare numa imagem de satélite (google earth mesmo) o estado de Rondônia que quase todo ocupado por pequenas propriedades, com o estado de Mato Grosso.

  • Darley Santos

    A atividade mais antiga desde que o homem deixou de ser nômade…Toda técnica agrícola ou forma de manejo que se guie pelos princípios da sustentabilidade e otimize a produção por m² é bem vinda. O manejo agroflorestal é um exemplo de como maximizar a produção (aumentando a densidade de plantação por área) promovendo o ciclo renovável do uso da terra. Parece que engenheiros agrônomos não gostaram muito do cast…

  • Esse curto documentário é muito bacana.
    https://www.youtube.com/watch?v=gSPNRu4ZPvE

  • Vitor Muller Anunciato

    Olá scicasters sou engenheiro agrônomo e estou realizando mestrado (UNESP-Botucatu), amante incondicional da ciência e por isso me senti um pouco ofendido em ver vocês discutirem algumas praticas pseudocientíficas realizadas dentro de todos os tipos de agricultura, sei que algumas foram claramente “estampadas” como pseudociência, mas mesmo assim em toda a maratona de episódios de scicast que eu ouvi nunca vi vocês discutirem a influencia de aires em libra e etc… E talvez algo assim poderia alimentar a ideia de muita gente que não conhece os sistemas agrícolas e pressiona quem trabalha e/ou pesquisa os mesmos, muitas vezes em esfera politica e impede e/ou atrasa o desenvolvimento da verdadeira ciência na agricultura, vocês conhecem muito bem o lobby anti transgênicos.
    E para meu espanto a comunidade de agrônomos ouvintes é significativa e praticamente a totalidade sentiu falta de alguém com maior conhecimento do setor na discussão, longe de desmerecer o trabalho realizado por todos. E para todos os amigos agrônomos, pessoas apaixonadas pela agricultura gostaria de deixar um convite a debater e quem sabe ajudar a desmistificar muita falsa ideia que circula sobre nossa tão gloriosa atividade.

  • Marcelo Rigoli

    Ainda bem que não é pro pessoal do miçangas mandar fotos da hortinha, se não a PF ia bater aqui no deviante

  • Antonio Carlos da Graça Mota D

    Para os interessados em avanços HiTech na área de agricultura, é uma boa ficar de olho em uma startup chamada FarmLogs.

    A idéia geral é um app que informa ao produtor o estado das plantações analisando de imagens de satélite.

    https://techcrunch.com/2017/01/11/farmlogs-raises-22-million-to-make-agriculture-a-more-predictable-business/

    • Antonio Carlos da Graça Mota D

      Fico pensando como é a apresentação deles:

      “Olá, amigo fazendeiro!

      A performance da sua coreografia para no festival Abydos está te deixando
      preocupando com a Shemu desse ano?

      Esqueceu de fazer oferenda pra Deméter e está preocupado se perderá a produção do ano?

      Seus problemas acabaram!
      Conheça a FarmLogs: Encontre-nos das lojas de aplicativos do seu celular!”

      :D

  • Daniel Carvalho

    Não tá dando pra baixar…
    :(
    Nem no zip nem no MP3

    • Fernando Malta

      É só clicar em “Convert” quando abrir o site, Daniel. ;-)

      • Daniel Carvalho

        Vou tentar fazer.
        Muito obrigado, Fernando
        :)

  • Gedvan Dias

    Olá pessoal!

    Vocês já fizeram algum episódio anterior sobre agricultura? Pergunto isso porque parece que vocês deram um salto direto para a era contemporânea e começaram a falar das técnicas atuais de agricultura, etc. Como leigo no assunto, senti falta de falarem como a agricultura surgiu, quais as primeiras civilizações a utilizá-la, quais os primeiros alimentos cultivados, quais eram as principais dificuldades (pragas, solo, …), como se desenvolveram as técnicas de irrigação, plantio, colheita, etc.

    É isso, fica a dica.
    Abraço!

  • Tem um projeto desenvolvido por um suiço, que está fazendo no Brasil, agricultura sintropica, ou agro floresta. Em que utiliza podas e deixa se decompor no proprio solo, com varias espécies de plantas juntas, vale a pena conhecer Ernest GÖTSCH.
    Também tem a fazenda da toca, mostrando a viabilidade comercial.