Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Somos todos poeira estelar

por em 28/08/2017 em Notícias | 51 comentários

Somos todos poeira estelar

Conheci o SciCast muito provavelmente como boa parte de vocês. Recomendação de alguém, “olha que projeto bacana”, “ciência em formato de podcast!”. Já tinha ouvido casts nacionais e internacionais sobre o tema, mas esse parecia ser diferente. Outra pegada, outro ritmo, mais humor. Como boa parte de vocês, me apaixonei pela proposta quase que imediatamente.

De ouvinte a participante foi até rápido. Lembro de uma mensagem do Silmar pedindo pessoas que soubessem a falar sobre China antiga. Minha estreia gravando. Recordo-me até hoje da paciência dele pra que eu configurasse tudo da melhor forma possível com aquela tentativa de headset que eu tinha. E impossível de esquecer como foi esquisito gravar pela primeira vez com aqueles meus amigos que não me conheciam. Aliás, como que eu conhecia tudo sobre aquele host que falava com um sotaque engraçado e morava no interior de Santa Catarina.

Aos poucos, fui conhecendo mais o Silmar. De tudo, o que mais me impressionava era sua doação para o trabalho. Era um perfeccionista. Agenda, edição, qualidade do áudio, pautas, equipe afiada. Orgulhava-se (com razão!) que o SciCast nunca havia atrasado: desde o primeiro episódio, às sexta-feiras, 0:01, no seu feed.

E se doava à equipe. Como se doava. Não serão poucos que dirão o quanto aprenderam, o quanto cresceram fazendo parte do projeto. O quanto se divertiram, investiram seu tempo, dedicação, esforço em um projeto maluco de levar conhecimento de qualidade a dezenas, centenas de milhares de pessoas a cada semana.

Mas mesmo o SciCast ficou pequeno pro Silmar. Ele ambicionava mais. Queria um local onde pudéssemos trazer ainda mais informação, que pudéssemos agregar outros projetos, podcasts, ações na internet. Daí nascia o Deviante, os textos, a parceria com o Meia-Lua e a criação do Miçangas. E ainda assim era pouco, dizia ele. Certa vez, nos confidenciou: “Eu tenho dois objetivos: mudar a forma como a ciência é ensinada; e mudar a forma como o podcast é encarado e consumido”.

Para este segundo objetivo foi além e desenhou o seu mais ambicioso projeto: a CloudRadio, uma nova forma de produzir, distribuir, mensurar e monetizar os podcasts. Contando com o apoio de vários que com ele enxergaram mais longe, começaram a construir essa plataforma que, sem dúvida, mudaria definitivamente a podosfera nacional.

Foi nesta época, inclusive, que nossa relação se alterou sensivelmente. Tendo que ter um maior foco para a CloudRadio e seus outros projetos, entregou ao Tarik, Guaxa, Jujuba e a mim a condução do SciCast e do Portal Deviante. Até hoje me pergunto o que fiz para ganhar sua confiança neste nível; confiança esta que veio com um dos maiores desafios da minha vida (e não uso eufemismo aqui): substituir uma das mais reconhecidas vozes de podcasts nacionais, de um dos mais ouvidos e queridos programas produzidos, mantendo a mesma qualidade, ritmo e humor que um dia me fez começar a ouvi-lo.

E paro aqui para falar sobre esse segundo ponto. Vocês têm noção o que é o Silmar empolgado com algum fato científico? É maravilhoso! Sério, ouçam! Ouçam de novo! A quase todo episódio tem isso. Aquele deslumbramento por um fato novo. Aquela curiosidade de entender o que é aquilo. Aquele assombro, perplexidade e adoração ao que o avanço científico era capaz de explicar, fazer, entender. Esse sentimento, que compartilho em absoluto, é meu ideal, hoje, como host do SciCast. Pois o SciCast é o momento em que a criança, maravilhada, descobre como funciona o mundo. E não se assusta – pelo contrário, quer mais e mais. E isso, sem dúvida, é fruto do Silmar.

Mas mais que tudo isso, mais que a divulgação científica, a diversão, o projeto bem estruturado, a visão, enfim, tudo isso. Mais que tudo isso, o impacto que o Silmar teve na minha vida, nas nossas vidas, tem a ver com a mobilização das pessoas. É inacreditável o tanto de carinho, de saudade, de lamentações, de demonstrações puras de afeto que estamos recebendo desde que soubemos que ele havia voltado a ser poeira estelar. Diz-se que um homem é tão grande quanto às pessoas que ele consegue mobilizar. Silmar era, então, um gigante. Mobilizou pessoas. Equipes. Ouvintes. Admiradores. Fez com que vocês entrassem aqui, às vezes todo dia, querendo mais. Fez com que eu estivesse aqui e conhecesse pessoas inacreditavelmente fantásticas. Fez com que todos o conhecêssemos.

Em seu texto de despedida do SciCast (um dos momentos mais emocionantes do programa, há de ser dito), Silmar termina falando pra nós, sua equipe; oras, pra nós, ouvintes: seu trabalho ali havia se encerrado. Agora, deveríamos caminhar com nossas próprias pernas. “Vai, filho, voa…!”

Silmar deixa sua esposa, Fernanda, que enobreceu diversos episódios do SciCast, esbanjando conhecimento; é dela, também, um dos depoimentos mais emocionantes que o podcast já teve, ao fim do excelente cast sobre Marie Curie – e que, por uma coincidência do destino, é também o episódio em que o próprio Silmar se despedia.

Deixa também sua filha, Maria Eduarda, que por muitos episódios foi a voz que pontuava o início de todo o SciCast ao afirmar, categoricamente, science works, bitch! Sobre a Maria, há de se louvar ainda o incansável trabalho de educadores que seus pais tiveram e têm para incutir, desde cedo, o pensamento crítico, cético e reflexivo em sua filha.

Silmar deixa ainda, claro, todos nós. Órfãos do idealizador desse Portal, desse projeto. Se o SciCast e o Deviante têm esse alcance, essa mobilização, é graças, sem dúvida alguma, ao esforço e dedicação que ele teve ao longo destes anos. Somos herdeiros, pupilos vendo mais longe por estarmos no ombros deste gigante.

Por fim, Silmar nos deixa essa fagulha. Essa vela acesa em meio a escuridão de ignorância de um mundo assombrado por demônios. Esse dever impossível de ser realizado por mim: de (chegar próximo a) substituí-lo. Essa missão tão árdua quanto importante pra toda a equipe: de continuar levando ciência com qualidade . E essa tarefa pra você, ouvinte, leitor, apoiador, entusiasta da ciência: de continuar propagando a ciência de forma divertida para todos, todos mesmo. Sem exceção.

Até breve, meu amigo. Foi, sem dúvida, um imenso prazer pra mim dividir um planeta e uma época com você.