Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Saúde do Trabalhador: Observe a postura que você está sentado

por em 11/05/2018 em Notícias | Nenhum comentário

Saúde do Trabalhador: Observe a postura que você está sentado

Uma das posturas que mais adotamos diariamente é a sentada. Nesta posição realizamos a maioria das atividades, desde trabalho, estudo, à posição na qual escrevo este texto e talvez a qual você esta lendo. O foco desde texto é comentar o modo como sentamos ao utilizar computadores, seja em casa ou no trabalho e de como é possível evitar possíveis lesões decorrentes desta postura.

Em empresas que vêm adotando cada vez mais a utilização de computadores, os cuidados ergonômicos ao uso devem ser observados e usados para evitar doenças relacionadas[3]. Em uma breve definição, a ergonomia refere-se ao trabalho interprofissional que se inspira em um conjunto de ciência e tecnologias, procurando ajuste recíproco entre o ser humano e seu ambiente de trabalho de modo adequado, seguro e produtivo[1].

Devido à falta de ergonomia durante a postura sentada, estamos sujeitos a desenvolver algumas patologias, dentre elas: Lombalgia, LER (lesão por esforço repetitivo), DORT (distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho).

Lombalgia

Pode ser conceituada como uma dor de característica mecânica, localizada entre a parte mais baixa do dorso (última costela) e a prega glútea, que aparece após força física excessiva em estruturas normais ou após ação de força física normal em estruturas lesadas[2].

A postura sentada origina alterações nas estruturas músculo esqueléticas da coluna lombar. Quando a pessoa passa da posição de pé para sentada, aumenta, em torno de 35%, a pressão interna no núcleo do disco intervertebral e todas as outras estruturas (ligamentos, pequenas articulações e nervos) que ficam na parte posterior são esticadas. Isso se o sujeito estiver sentado nas melhores condições possíveis. Além da pressão na coluna vertebral, a postura sentada por um longo período reduz a circulação de retorno dos membros inferiores e, ainda, promove desconforto na região de pescoço e membros superiores[1].

De acordo com vários estudos epidemiológicos, de 65% a 90% dos adultos poderão sofrer um episódio de dores lombares ao longo da vida, com incidência entre 40% e 80% em várias populações estudadas[2].

Como evitar as dores lombares

Observe como esta sentado agora, em particular nesse momento, a parte que está apoiada na cadeira a região do quadril, bumbum e região lombar. O ideal, ao se sentar, é formar ângulos de 90 graus, por exemplo, sua lombar deve estar apoiada totalmente no encosto da cadeira, formando o ângulo entre suas coxas e sua região abdominal. Logo em seguida os joelhos formam também o ângulo, assim como os seus pés que inicialmente têm de estar totalmente apoiado no chão (como se observa na imagem).

Ao sentar nessa postura, sobre os ísquios tibiais, há uma distribuição de peso para todo o corpo, de modo a não sobrecarregar nenhuma região específica. Em relação aos pés é aconselhável, ao passar um longo período sentado, que se posicione em dorso flexão (apoiado sobre os tornozelos) alternando para flexão plantar (ficar de ponta de pé), favorecendo assim a circulação do sangue nas áreas periféricas do corpo.

LER/DORT

Um dos sintomas da DORT é a dor no nível de punho e dedos

São síndromes de origem ocupacional LER e DORT, segundo a instrução normativa do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A tradução das siglas é, respectivamente, Lesão por Esforços Repetitivos e Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (2003), apesar dessa denominação ser equivocada, pois sabe-se que LER não está ligada necessariamente aos mecanismos biomecânicos. Este é apenas um dos vários fatores existentes que podem levar ao desenvolvimento da patologia, que possui outros, como fatores psicossociais. Em relação a DORT é um conceito muito mais abrangente não só como quadro clínico, mas sim um conjunto de doenças próprias com caraterísticas em comum[4].

No contexto histórico sobre LER/DORT, tem-se registro do ano de 1700 pelos artesãos escriturários da época de dores nos membros superiores. Já no século XIX câimbras em escrivãs e telegrafistas em condições similares[4].

São patologias que vêm crescendo imensuravelmente segundo o Ministério da Saúde (2000). Isso se da por fatores relacionados à organização do trabalho, como a inflexibilidade e a grande intensidade do ritmo no trabalho, execução de maior número de movimentos repetitivos, ausência do controle sobre o modo e ritmo do trabalho, ausência de pausas, exigência de produtividade, uso de mobiliário e equipamentos desconfortáveis.

Como evitar LER e DORT

A forma na qual você utiliza o mouse influencia diretamente na dor

Agora vamos observar as nossas mãos ao usar o computador. Está utilizando o mouse ou não? Existe algum tipo de apoio entre sua mão e ele? Quantos clicks você deu hoje?

A LER/DORT tem como sua principal causa o esforço repetitivo. Alongamentos na região das mãos e dedos realizados durante um período de tempo podem evitar tais lesões. Vou deixar um link no fim do texto com alguns alongamentos que podem ser utilizados.

Essa conversa toda sobre como sentar me deixou revirando na cadeira, lembrando que aqui foi um breve papo sobre a postura ligada ao uso do computador no trabalho. Já pensou na sua postura quando fala no celular? Daria outro texto a parte. Pretendo retornar ao assunto em breve.

Por hoje é isso, estou à disposição para duvidas, críticas, sugestões ou comentários. Abraços!

 

Referências:

Link com alongamentos para LER/DORT:

https://www.pfizer.com.br/noticias/Exercicios-para-prevenir-LER-no-trabalho

Podcast sobre segurança no trabalho;

http://www.deviante.com.br/podcasts/scicast/scicast-227-seguranca-do-trabalho/

Citados no texto:

[1] COUTO H.A. Ergonomia aplicada ao trabalho: conteúdo básico. 1 ed. Belo Horizonte. Ergo Editora, 2007.

[2] NATOUR, L et.al. Coluna Vertebral Conhecimentos Básicos. 2004

[3] PATUSSI, A. P..  Definição de critérios de avaliação ergonômica para mesas de trabalho informatizado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul escola de engenharia mestrado profissionalizante em engenharia ,Porto Alegre; 2005.

[4] YENG, L.T. et. al.  Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Revista Médica, São Paulo, v. 80, ed. esp. Pt 2, p. 422-442, 2001.


Antonio Lucas dos Santos: Cearense orgulhoso, Fisioterapeuta, apaixonado por cinema e séries, esperando levar uma vida legen….. dary!!!