Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Quatro Lições históricas sobre a economia após grandes crises

por em 21/07/2021 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Quatro Lições históricas sobre a economia após grandes crises

A pandemia de Covid-19 é certamente algo inédito na história da humanidade. Mesmo a gripe espanhola de 100 anos atrás não era tão contagiosa e nem encontrou um mundo tão conectado e interdependente quanto o nosso.

Mas o impacto econômico da pandemia não é novidade: já vivemos isso antes com guerras e crises. Por isso, podemos tirar algumas grandes lições dessas experiências para ajudar a acelerar a recuperação econômica e evitar armadilhas pelo caminho.

Lição 1: O PIB sempre cresce no curto prazo. Mas nem sempre se mantém.

Parece meio óbvio: depois da tempestade, vem a bonança. Depois de grandes crises que estrangulam negócios e restringem a produção, a reabertura e normalização da economia têm impactos positivos no crescimento mundial. Ainda mais se lembrarmos que o cálculo do PIB é feito em comparação ao ano anterior, um resultado pós-crise tende a ser ainda melhor pois está sendo comparado com números passados deprimidos.

O que é raro neste processo é um crescimento mundial sincronizado – algo que não acontece desde a Segunda Guerra Mundial. Este crescimento não é um mérito dos governos nacionais: todos os países sentem esse rebote econômico.

Mas a forma com que cada governo lida com as questões sociais, ambientais e sanitárias impacta a longitude dessa expansão. Por isso, não caia na conversa de políticos que estão se vangloriando sobre o crescimento de 2021: aconteceria de qualquer forma. O que precisamos cobrar é que seja sustentável no médio e longo prazos.

Lição 2: Sempre há aumento de consumo, mas ele não é explosivo.

Um dos temas econômico-pandêmicos menos citados é a desigualdade do impacto econômico da pandemia. A população mundial de renda mais baixa sofreu muito mais do que as classes médias do mundo – que tinham menos probabilidade de perder o emprego e mais oportunidades de trabalhar de casa.

Isso fica demonstrado nos quase US$3 trilhões a mais que a classe média americana economizou em 2020 se comparado a anos anteriores. Isso criou algumas distorções no mercado, como uma demanda reprimida.

Este é um termo bonito para dizer que as pessoas têm dinheiro, querem gastar, mas não há oferta de produtos suficientes para matar este anseio. Isso causa, dentre outras coisas, um aumento forçado da poupança das famílias.

Era de se esperar que quando as coisas se normalizassem, as pessoas fossem às compras e gastassem parte dessa economia, ajudando a impulsionar o crescimento via consumo. Mas na realidade isso só é parcialmente verdade, nem toda a poupança vai voltar à economia na forma de consumo. Isso porque a maioria de nós entende essa poupança “forçada” pela pandemia como um aumento de patrimônio e não de renda. Consumidores, em geral, transformam renda em consumo e patrimônio em investimentos.

Em países como EUA, Brasil e Japão, uma parte considerável do consumo pandêmico foi puxado pelos cheques de estímulo que ajudaram a população mais necessitada. Esses cheques são vistos como aumento de renda e viram compras de alimentos e itens básicos. Contudo, aumento de demanda causa inflação nesses mesmos itens – gerando um ciclo vicioso de aumento de custos para a população mais carente.

Lição 3: A cadeia produtiva tende a se modernizar.

Dados mostram que, depois da Peste Negra e da Segunda Guerra Mundial, houve uma explosão de novos negócios e tecnologias – o que hoje chamaríamos de startups. Nascem novos negócios que buscam cobrir vácuos de mercado que ficam evidentes depois de grande choques econômicos. A automação da cadeia produtiva foi observada, por exemplo, em países que sofreram com o Ebola e a SARS nas últimas décadas.

O mais comum seria observar essa modernização nos setores mais afetados pela pandemia, no caso da Covid-19 os chamados “empregos essenciais”. Porém, estes são setores naturalmente intensivos em mão-de-obra e que tendem a sofrer menos com a mecanização.

Definitivamente já observamos mudanças na forma de trabalho e educação remotos, que aceleraram um processo de digitalização desses setores que vinha de antes da pandemia, mas a substituição de trabalhadores ainda não está clara. O que já podemos perceber é um uso mais intensivo da tecnologia na prestação de serviços, o que pode alterar a dinâmica de diversos setores como bancos, shoppings centeres e serviços de delivery.

Lição 4: Após grandes crises econômicas, há grandes movimentações políticas.

E aqui o termo “movimentações políticas” tem duas conotações: a primeira é um movimento “intrapolítico”e a segunda é popular.

Entre os políticos profissionais, qualquer choque econômico e/ou social leva a questionamentos de políticas públicas e muitas vezes mudanças legislativas que podem perdurar por décadas. Na crise do Covid-19, por exemplo, os Bancos Central têm sido mais lenientes com o aumento de dívida pública para pagar pelas medidas de alívio social. Na Europa e nos EUA, tem se levantado um debate sobre a questão de desigualdade social e a pauta de renda básica universal (que citamos no SciCast 341) ganhou mais força.

Nos casos em que a resposta dos governantes e legisladores não é vista como suficiente pela população, há um tendência a mais manifestações públicas. Dados do FMI mostram que nos dois anos após as pandemias de Ebola, SARS e Zica, houve turbulências políticas e descontentamentos com os políticos no poder. E se você está aí pensando: sim, o caso de zica é o Brasil de meados dos anos 2010 – com toda a turbulência política e econômica do governo Dilma Roussef.

Existe, portanto, uma grande probabilidade que países em desenvolvimento que tiverem dificuldade de sustentar o crescimento econômico e/ou cujas políticas públicas não se adequem à nova realidade pós-pandemia, verão turbulências políticas com raízes populares e, em casos mais extremos, até revoluções.

Podemos e devemos aprender com a história econômica para lidarmos da melhor forma possível com os desafios à frente. Mesmo que neste momento a maioria dos países pareça se esquecer dos livros de História, estaremos aqui para lembrá-los e tentarmos escrever capítulos melhores pro futuro.

 

Fontes:

https://www.economist.com/finance-and-economics/2021/03/09/the-worlds-consumers-are-sitting-on-piles-of-cash-will-they-spend-it?itm_source=parsely-api

https://www.economist.com/finance-and-economics/2021/04/29/what-history-tells-you-about-post-pandemic-booms?itm_source=parsely-api

 

Modo Noturno