Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Precisamos falar sobre hashtag

por em 12/06/2019 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

Precisamos falar sobre hashtag

Sexta-feira, você abre qualquer rede social e se depara com vários amigos utilizando #Sextou , #TBF , #BFF, #Sexta e incontáveis números de ‘jogos da velha’. Alguns fazem sentido e outros você nem tem ideia o que são as abreviações existentes, mas afinal são realmente necessárias essas cerquilhas? O que é isso? Existe uma função real da famosa #hashtag?


Quero começar explicando que #, hashtag, jogo da velha, risquinhos ou cerquilha são a mesma coisa! O ícone bem conhecido do meio virtual apareceu pela primeira vez em 2007 no Twitter! Seu criador é Chris Messina, um defensor do código aberto. Em seu tweet, Messina propôs a utilização da # para agrupar assuntos/chats/conversas.

Como sabemos que a internet é um local muito receptivo e cheio de amor a resposta para sua proposta foi :

“Não! Isso é uma coisa para NERDS”

Como antigamente a palavra ‘nerd’ vinha carregada de  ̶l̶e̶p̶r̶a̶ preconceito, o pessoal não aderiu a ideia. O Twitter mesmo ignorou Messina. No mesmo ano houve um grande incêndio nos EUA e de forma orgânica a internet começou a utilizar #SanDiegoFire para reportar notícias, informações ou mesmo busca por sobreviventes.

Como passamos de uma busca por sobreviventes a mil # em uma única foto?

A internet é global!

Foi isso que nos ensinaram não é mesmo? Quando instalamos o primeiro discador de internet.

“Vamos nos conectar com o mundo!”

Venderam mil possibilidades de acesso e conhecimento e a sociedade comprou a ideia. Hoje, com poucos clicks, podemos acessar uma loja local ou mesmo de uma vila remota de Cingapura. Antes de comprar qualquer produto, posso consultar resenhas de pessoas de todo o mundo. Um ou dois vídeos e sei como reformar minha casa usando miojo e cola. Acessos e possibilidades infinitas, conhecimento e informações sendo bombardeadas a todo instante. Primeira tela, segunda tela, internet das coisas e possibilidades infinitas de informações.

“Neste mar de informações como não se afogar ?”

 

Então a simples ideia de Chris Messina de agrupar os assuntos das redes utilizando um ícone foi maravilhosa!

 

Posso restringir minhas interações com assuntos que tenho interesse? Posso!

Posso me relacionar com pessoas que também são ouvintes dos podcasts que eu ouço? Sim ( #ScicastRules) .

Posso buscar pontos turísticos na cidade que estou indo visitar? #PodeViajarSim !

Eu como usuária posso escolher com quem estou conversando, podendo silenciar ou ativar notificações utilizando a #hashtag. A empresa também pode se beneficiar destes nichos criados, podendo criar # de conversa direta com o público alvo, entender o que o seu cliente consome, quais seus hábitos e quem são os agentes influenciadores.

Nos salvamos de um mar de informações e enviamos um mar de informações para as empresas. A diferença é que elas querem estas informações, mas, sem uma análise, é apenas um monte de números sem sentido.

Vale lembrar que, uma boa # pode servir como um guia, ou mesmo uma bóia salvando vidas (# utilizadas em desastres ambientais ou mesmo catástrofes ajudam com informações), mas o uso excessivo pode ser tão confuso e sufocante quanto nenhuma # guia.

Modo Noturno