Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Humanos ainda estão evoluindo!

por em 17/09/2019 em Notícias | Nenhum comentário

Humanos ainda estão evoluindo!

Aprendemos com nossos professores que a evolução requer milhares ou milhões de anos para acontecer, mas os biólogos sabem que isso pode acontecer rapidamente em alguns casos. Agora, graças à revolução nos estudos sobre genômica, podemos acompanhar as mudanças genéticas no nível de populações de espécies que marcam a evolução em ação, e esse processo evolutivo não é diferente para o Homo sapiens

Como a evolução ocorre

Bactérias têm vantagens e desvantagens. O lado bom das bactérias é que elas se multiplicam muito rápido. Isso é inconveniente se elas te infectarem, mas útil se você quiser ver como a evolução funciona. Coloque antibióticos em uma placa de Petri com bactérias suficientes e, alguns dias depois, você descobrirá que uma bactéria isolada – que resistiu aos efeitos da droga – agora está recolonizando a placa. É a seleção natural em ação.

A realidade é que todos os seres vivos da Terra estão em constante evolução, pelo menos até certo ponto. Mas em espécies que não vivem e morrem tão rapidamente quanto bactérias, é difícil ver o processo em ação.

Os pesquisadores em biologia evolutiva se concentram no papel de novas mutações na geração de novas características. Mas, uma vez que uma nova mutação tenha surgido, ela deve se espalhar pela população. Cada pessoa carrega duas cópias de cada gene, mas as cópias podem variar um pouco dentro e entre indivíduos. Mutações em uma cópia podem aumentar a altura; aquelas em outra cópia, ou alelo, podem diminuí-lo. Se a mudança das condições favorecer, digamos, altura, as pessoas altas terão mais filhos e mais cópias de variantes que codificam altura circularão na população.

Mas e nos humanos? Nós não somos “a espécie mais evoluída” ? 

Em 2000, o paleontólogo Stephen Jay Gould declarou que “não houve mudança biológica nos seres humanos em 40.000 ou 50.000 anos”, sugerindo que a evolução nos seres humanos é imperceptivelmente lenta ou talvez tenha parado completamente. O naturalista e radialista britânico Sir David Attenborough concordou, mesmo argumentando que o controle da natalidade e o aborto contribuíram para uma interrupção na evolução física entre os seres humanos.

“Paramos a seleção natural assim que começamos a criar entre 90% e 95% de nossos bebês que nascem. Somos a única espécie que interrompeu a seleção natural, por vontade própria, por assim dizer”. ele disse à revista britânica The Radio Times em 2013, acrescentando que nossa espécie garantiu nossa sobrevivência contínua por meio da aceleração da evolução cultural: “Interromper a seleção natural não é tão importante ou deprimente, como pode parecer – porque nossa evolução agora é cultural […] Podemos herdar um conhecimento de computadores ou televisão, eletrônicos, aviões e assim por diante”.

Mas não é bem assim que a banda toca… Ambas as posições foram calorosamente contestadas. Por exemplo, o Dr. Ian Rickard – da Universidade de Durham, no Reino Unido – respondeu às alegações de Attenborough, apontando que, embora o aborto e o controle da natalidade possam significar que algumas pessoas estão tendo filhos enquanto outras não, a seleção natural não termina aqui. Em vez disso, coloca um foco renovado no material genético que está sendo repassado por aqueles que estão tendo filhos. Escrevendo no The Guardian, o Dr. Rickard explica: “A seleção natural requer variação. É necessário que alguns indivíduos prosperem mais que outros”.

A seleção natural requer variação

Um estudo genético gigante na PLOS Biology destacou isso de forma elegante.  Os pesquisadores analisaram o DNA de 215.000 pessoas, rastreando 8 milhões de mutações para ver quais mudanças genéticas estavam mudando de frequência. Eles descobriram que vários genes – nesse caso uma das variantes genéticas que predispõe você à doença de Alzheimer, por exemplo – estão se tornando incomuns em pessoas mais velhas, mesmo que os genes não pareçam afetar diretamente a gravidez. Se uma mutação impedir que você se reproduza com sucesso, pensamos que essa mudança genética teria dificuldade em ganhar uma posição na população maior, ou seja, teria dificuldade em ser selecionada. Como os pacientes com Alzheimer geralmente não começam a ter sintomas até depois dos anos reprodutivos, a mutação não deve ser selecionada. Da mesma forma, grupos de genes que predispõem à asma, colesterol alto, alto índice de massa corporal e doença arterial coronariana parecem estar se tornando menos comuns.

Os autores pensam que isso pode ocorrer porque essas predisposições afetam de alguma forma a probabilidade de ter filhos mais cedo – de maneiras muito sutis. Você precisaria de uma amostra enorme de pessoas para detectar um efeito tão pequeno, portanto, mesmo este grande estudo não pode responder a essa pergunta. Também é possível que algo chamado de hipótese da avó, que diz que viver o tempo suficiente para ajudar a cuidar de seus netos os torne mais propensos a sobreviver e, portanto, torne seus próprios genes mais propensos a serem transmitidos, esteja envolvido. Se a hipótese da avó está influenciando a evolução de nossa espécie, faz sentido que os genes que causam doenças no final da vida se tornem menos comuns ao longo do tempo (Para saber mais sobre a hipótese da avó, tem um texto da Crhis aqui no Portal!). Essa é uma evidência crucial de que continuamos a evoluir como espécie e é fácil perceber por que não percebemos isso. A evolução não parece uma geração de humanos de repente, tirando alguns X-Men.

O famoso caso da intolerância à lactose em humanos

Para realmente ver os efeitos da evolução, você precisa encontrar características que já são comuns nos seres humanos e olhar para trás, para como elas se tornaram assim. A capacidade de beber leite de vaca é um caso clássico.

A maioria dos seres humanos não deveria ser capaz de beber leite vaca na infância – a maioria dos adultos hoje não consegue digeri-lo. Quando somos bebês, o gene que codifica uma enzima chamada lactase é ativado, então a lactase está presente para digerir a lactose (um dos principais componentes do leite). À medida que envelhecemos, o gene da lactase deveria se desligar, pois não somos mais lactantes, ou seja, bebedores de leite. Mas há vários milhares de anos, ser capaz de beber leite sem adoecer tornou-se uma vantagem em algumas partes do mundo. Não sabemos exatamente o porquê, embora isso provavelmente tenha algo a ver com seu valor nutricional e ampla disponibilidade nas fazendas. Algumas evidências sugerem que os europeus fabricaram queijo por cerca de 4.000 anos antes que algum deles desenvolvesse a capacidade de digerir adequadamente a lactose. Por acaso, alguns indivíduos de sorte adquiriram uma mutação no gene da lactase que permitiu que ele permanecesse ativado, mesmo após a infância, e, portanto, permitiu que dependessem mais pesadamente de laticínios mais tarde na vida. Essas pessoas tendiam a fazer um trabalho melhor de viver e ter um monte de filhos, assim como os filhos que sofreram a mesma mutação, e assim a mudança genética se espalhou.

A altura dos escandinavos

Um exemplo mais moderno: os holandeses são muito altos. Assim como a maior parte da Escandinávia, na verdade, mas os holandeses em particular. O holandês médio tem um metro e oitenta de altura, 20cm a mais do que a altura típica de 200 anos atrás. Praticamente todos os países aumentaram sua estatura média porque temos uma nutrição muito melhor, mas os holandeses dispararam para o céu a um ritmo muito mais rápido. Os americanos, por exemplo, só cresceram 6cm durante esse período. Por quê? Porque é isso que é selecionado sexualmente pela população holandesa

Homens altos na Holanda têm mais filhos que seus amigos baixos, então eles tendem a produzir homens mais altos, que geralmente têm bebês altos. As mulheres holandesas de estatura média são mais propensas a ter um parceiro do que suas colegas de pernas longas e, portanto, (em média) têm mais filhos. Ser uma mulher de estatura mediana significa que muitos homens são mais altos que você, o que as mulheres holandesas acham desejável em um parceiro (novamente, em média – nada de achar que eu estou impondo preferências por causa dos números). Em suma, os hábitos reprodutivos do país são basicamente voltados para a produção de bebês cada vez mais altos.

Como pensar daqui para frente?

Esses exemplos são óbvios agora, porque são características de que podemos ver evidências com nossos próprios olhos (ou nariz, no caso de intolerância à lactose). Algum dia, poderemos olhar para trás com a mesma clareza dos genes que estão apenas começando a mudar hoje. 

Embora estes possam não ser exatamente os níveis de mutação genética do Universo da Marvel – lamentamos informar que não encontramos nenhum estudo sugerindo que a população humana esteja prestes a adquirir um gene de telepatia – esses exemplos ilustram como a evolução funciona em termos de humanos modernos. A evolução é persistente, em toda parte, empurrando nossa espécie para a frente em pequenos incrementos. Pode até estar ocorrendo com uma regularidade acelerada.

A única constante na natureza é a mudança. Os genes sempre sofrerão mutações, e algumas dessas mutações serão vantajosas. Com o tempo, quase tudo muda um pouco. Nós apenas temos que prestar atenção. E não, não vou fechar o texto falando “A vida encontra um caminho” …

Modo Noturno