Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

SciCast #199 (Podcrastinadores S05E13): WestWorld

por em qua 31America/Sao_Paulo maio 31America/Sao_Paulo 2017 em Destaque, Scicast | 13 comentários

SciCast #199 (Podcrastinadores S05E13): WestWorld

Antes de começar a escutar, ouça a primeira parte deste episódio no Site do Podcrastinadores!

*ESTE EPISÓDIO CONTÉM MAIS SPOILERS DO QUE ROBÔS EM TIROTEIOS NA SÉRIE*

Neste crossover com o Podcrastinadores, falamos sobre essa série da HBO que conquistou os corações nerds. Afinal, o que é consciência? O que separa a mente humana daquela de uma inteligência artificial muito bem desenvolvida? É ético, justificável ou mesmo saudável matar robôs indistinguíveis de seres humanos? E todos aqueles plot twists maravilhosos da história?!

Arte da Capa:


Redes Sociais:


Saldão da Loja do SciCast – corram!


Expediente:

Produção Geral: Tarik FernandesHost: Fernando MaltaEdição: Felipe ReisEquipe de Pauta/Gravação: Marcelo Rigoli. Convidados: Gustavo Guimarães, Fernando Caruso e Helvecio Parente.


Referências:

Pinker, S. (2002). Tábula rasa: a negação contemporânea da natureza humana. Editora Companhia das Letras.

Pinker, S. (1998). Como a mente funciona. editora Companhia das Letras.

Jaynes, Julian (2000) [1976]. The origin of consciousness in the breakdown of the bicameral mind (PDF). Houghton Mifflin. ISBN 0-618-05707-2.

Darwin, C., Ekman, P., & Prodger, P. (1998). The expression of the emotions in man and animals. Oxford University Press, USA.

Williams, A. C. D. C. (2002). Facial expression of pain, empathy, evolution, and social learning. Behavioral and brain sciences, 25(04), 475-480.

Damásio, A. (2015). O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento de si. Editora Companhia das Letras.

Dennett, D. C. (1993). Consciousness explained. Penguin UK.

Dawkins, R. (1995). O Gene Egoísta, 1999. Gradiva, 1a.

WestWorld bugou não apenas sua cabeça!

Mistério da foto da noiva do William

  • Fernando Poletto

    vim pelo Podcrastinadores, ótimo cast pessoal, ambas as partes o/

  • Minionpornor

    O Caruso já me tirou do MdM e levou para o Podcrastinadores, agora aqui estou eu para perturbar vocês, embora seja ouvinte do Scicast e outros podcasts do portal deviante, é a primeira vez que à sua área de comentários.
    Primeiramente, como de praxe, tenho que elogiar o seu trabalho, pois atualmente é minha maior fonte de conhecimento sobre assuntos que sempre me interessaram e, vocês o fazem de maneira magistralmente divertida e acessível.
    Sobre o podcast, adorei as duas partes, pois dos 40 feeds que assino, Podcrastinadores e Scicast estão no meu top 5. As discussões a respeito da série foram super bem trabalhadas, mas ao meu ver, faltou uma analogia com Matrix, ou a própria alegoria da caverna de Platão, pois, não estariam os anfitriões acordando como Neo?????
    PS: Caruso, seu herege, que tipo de ner é você, que ainda não viu isso:
    https://www.youtube.com/watch?v=at5BLCAeyEU
    https://www.youtube.com/watch?v=6WiNlLKmy0E

    • GG

      Valeu pelos elogios, Minion! Mas vem cá, esses robôs aí dos vídeos estão bem longe de enganar alguém, hein? É um robô tosco dentro de uma real doll. :)

      Putz, bem pensado sobre essas analogias de alguém acordando para a realidade. Demos mole.

      • Minionpornor

        Sim GG, não enganam “ainda”, não acha? Acho que não vai precisar 40 anos pra enganar…

  • Zaira

    Cast perfeito! Meus amigos são nerds, e nenhum deles assistiu Westword, pelo menos por enquanto. Adorei o tema, eu sempre assistia e ficava filosofando, criando conspirações, surtando e tal. Saber que não fui a única foi um alívio. Ahh e agora já virei fã de Podcastinadores. Mas meu coração é do Scicast.

  • Miguel Nakajima Marques

    Ótimo episódios! Não conhecia o Procrastinadores e vou baixar alguns eps pra ver qualé.

    1) Sobre o lance dos anfitriões não processarem informações que podem “bugar” a mente deles:
    Em automação é comum pegarmos os sinais de um sensor (por exemplo de um microfone) e passarmos por um filtro pra tirar ruídos e possíveis sinais “espúrios” (um tipo de ruído que acontece de vez em quando) antes de entregar o sinal para o processador principal.
    O processamento principal normalmente envolve amplificação do sinal e transformações (como a Transformada de Fourier, que muda o sinal do domínio do tempo para o domínio da frequência). Se esses ruídos e sinais espúrios passassem por esse processamento poderiam causar interpretações erradas do ambiente e da informação realmente importante.

    2) Uma dúvida que fiquei depois de assistir a série toda é como funcionam as armas de fogo no parque. Pelo visto não são balas reais pois não ferem um humano mesmo que ele encoste o cano da arma na testa.
    Em momento o William leva um tiro e cai no chão mas não sofre nenhum ferimento real. Em outro momento o homem de preto leva vários tiros e não é afetado.
    Minha teoria é que as balas são inteligentes e se desaceleram quando detectam que vão atingir um humano.
    Como vocês acham que funciona esse sistema de armas de fogo no parque?

    • GG

      Miguel, no filme as munições são as mesmas, mas a arma detecta pra onde ela tá apontando, e sabe se é pra um humano ou não. O que é (mais) uma explicação cretina, porque se você quiser atirar à uma longa distância, a arma não ia conseguir fazer a leitura.
      Eu acho que na série, quem tem a trava é o anfitrião. A arma deve ser igual pra todo mundo, acho, e com uma munição de chumbinho ou algo assim.

  • LSD

    Vim aqui dizer que esse Podcast Foi um carnaval fora de Época na minha TimeLine, Assistam o Zorra e a Marvel tem Classicos!

    #BordõesVivem

  • Diego Climaites

    Ótimo cast, Sou novo nesse mundo de casts e estou, simplesmente, maravilhado. Gostei muito do debate, muito foda mesmo. Só um pouco frustrado por não ver comentários sobre o livro Admirável mundo novo, do Huxley, que tem em comum com a série. Mas sensacional mesmo, parabéns.

  • Francine Guedes

    Pessoal sobre a parte 1 vocês disseram que não entenderam a história da narrativa. O que eu entendi é que a narrativa vai acontecendo enquanto o convidado interagir com o anfitrião. A narrativa termina quando se passa o dia e não tem mais interação com os convidados ou quando o personagem morre, nesse caso enquanto houver interação o anfitrião pode improvisar claro que com um certo limite mas ainda permanece com essa capacidade, essa capacidade foi citada em um dos episódios pelo Ford,salvo engano. A narrativa tambem muda de acordo com a interação do convidado e quando algo foge muito do padrão a ponto de dar problema eles interferem, lembrem que em um episódio o homem de preto começa a interferir demais na narrativa e aquele segurança pergunta se ele tem permissão para prosseguir ou se seria necessário interferir.Espero que vocês leiam o comentário e que eu tenha contribuído .

  • Darley Santos

    Êta série que rende comentários e discussões podcasts afora! Olha, se a consciência deixasse de ser um atributo exclusivamente humano seria o fim de Deus???

  • Demorei. Mas estou tentando colocar em dia todos eps. Que episódio fantástico, os dois melhores podcasts do Brasil (na minha opinião, e é ela que conta) juntos. Que venha a segunda temporada. Ter livre arbítrio é o primeiro passo para ter mais questões morais que venha a baila mais Aristóteles, Kant e Hume. E claro outros crossovers com os podcrastinadores e o duelo infame de piadas que faltou entre Guaxa e Tibério.

  • Marcos Costa

    Parece q tá com algum erro no link do mistério da foto. Quando eu clico, abre o site mas parece q o conteúdo foi removido

%d blogueiros gostam disto: