Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Miçangas #26: Somos Feitos de Rhaissa Bittar

por em qua 11America/Sao_Paulo jan 11America/Sao_Paulo 2017 em Destaque, Miçangas | 12 comentários

Miçangas #26: Somos Feitos de Rhaissa Bittar

[ Download MP3, M4A ] [ Assinar: Web, Android ] Download MP3 | Download Zip

Quem nunca numa sexta-feira de chuva brigou com a namorada, bateu o carro numa coluna do estacionamento, lembrou que teria que trabalhar no sábado e ao invés de chorar foi ouvir uma musica para se animar? Bem, eu nunca, mas se precisasse sorrir num dia como esse eu ouviria Rhaissa Bittar.

Essa semana os Miçangueiros receberam a FOFÍSSIMA boneca Rhaissa! Falamos sobre musica, sobre a carreira dela e sobre o amor em forma de som.

SEJA NOSSO PADRIM AJUDE A NASCER UM MIÇANGAS SEMANAL!

Você quer Miçangas Semanal? CLIQUE AQUI e pergunte-me como!

CloudRadio: Inscrição para o Programa BETA.

Contato Comercial:

Escreva, mande corações e beijinhos:

Se inscreva no nosso canal no Youtube:

Não erre no Basicão:

Campus Party 2017:

Rhaissa Bittar:

Guarda-Chuva e Sombrinha de Frevo: Marcelo Guaxinim e Jujuba Vilela. Boneca: Rhaissa BittarPera: Silmar Geremia.

Edição, Suor e LágrimasTalk’ nCast.

  • só queria dizer que juntou a Rhaissa e a @Jujubavi no mesmo cast, eu tive um caso de doçura extrema e estou tendo que fazer dieta.

    obrigado!

  • Thiago Rissut

    Hahahahahaha…
    Chuparei!! rsrs
    Bjos Jujuba, Abraços Guaxa!

    • Diogo Rodrigues

      ‘O menino lá’ da Galera do RAU sou eu…. Rsrsrsrsrsrsrsrs

    • Juliana Vilela França

      <3 Com todo respeito, amor, carinho e zoeira, óbvio.

  • Marcelo Rigoli

    A Rhaissa é uma doçura mesmo! Apaixonante! Parabéns pela escolha dos convidados musicais, adorei as escolhas. O que mais me chamou a atenção é que em nenhum dos casos os convidados ou eu conhecia ou sequer tenho uma predileção prévia ao estilo, mas as músicas e tudo mais da Rhaissa e do Mundo Bita me cativaram muito. Obrigado por me apresentarem eles!

  • Jônatas Siqueira

    Que fofa!! Apaixonante!! Sobre o maestro Spok, o apelido veio na época de colégio quando criança, pois ele mexia as orelhas e os colegas o chamavam de Spock (fonte confiável)! Sou de PE e é sombrinha de frevo mesmo kkkkk parabéns pelo belo episódio! Arretado, danado de bom!

  • Esron Silva

    Macho, conheci o trabalho da Rhaissa nesse podcast, já tem um tempo que estou ouvindo em loop. *-*

  • Ótimo episódio, não sou miçangueiro (Team Science), mas em divirto bastante ouvindo o programa de vocês. Abraços Jujuba, Marcelo e a convidada.

  • César Moreira

    Beijos, pronto ;)

  • Olá querida Jujuba e querido Marcelo Guaxa!

    Aqui quem escreve é o C. A. (Cesar Agenor) do Fronteiras no Tempo, que trata de um tema tipicamente miçangangueiro: História.

    Escuto vocês faz um tempo, mas nunca interagi com vocês. Primeiro é um prazer sermos co-irmãos no Talk’nCast. Só consegui ouvir esse episódio maravilhoso ontem e foi um prazer redescobrir a ultramegasuperhiper talentosa Rhaissa Bittar.

    Conheci o trabalho dela na fase “homem de iglu” (quando escrevia a tese de doutorado), mas ao ir em direção ao sol para ganhar o pão acabei tendo que vender a arte das palavras ditas, riscadas com cau ou projetadas para viver, acabei entrando em outro ritmo de vida e as canções que tanto escutava em casa ou no carro deram lugar a uma série de podcasts. Os da família Deviante especialmente.

  • Olá querida Jujuba e querido Marcelo Guaxa!

    Aqui quem escreve é o C. A. (Cesar Agenor) do podcast Fronteiras no Tempo, que trata de um tema tipicamente miçangangueiro: História.

    Escuto vocês faz um tempo, mas nunca interagi com vocês. Primeiro é um prazer sermos co-irmãos no Talk’nCast. Só consegui ouvir esse episódio maravilhoso ontem e foi um prazer redescobrir a ultramegasuperhiper talentosa Rhaissa Bittar.

    Conheci o trabalho dela na minha fase “homem de iglu” (quando escrevia a tese de doutorado e não saia de casa nem pra aplaudir o sol), mas ao ir em direção ao astro rei para ganhar o pão acabei tendo que vender a arte das palavras ditas, riscadas com cau ou projetadas para viver. Acabei entrando em outro ritmo de vida e as canções que tanto escutava em casa ou no carro deram lugar a uma série de podcasts (os da família Deviante especialmente) ou a completa omissão.

    Nesse corre-corre e com tempo restrito acabei deixando as canções dessa maravilhosa interprete como os objetos da matéria estrelar após uma Super Nova, cheio de poeira nas gavetas da memória. Não é que vocês tocaram o Funk da limpeza e da arrumação nos meus ouvidos e que chegaram direto ao coração.

    No fim, o que eu gostaria de fazer mesmo é agradecer por esse episódio e parabenizá-los pelo trabalho que estão fazendo.

    Um grande abraço

  • Sempre repasso aqui para ver o amor da galera, vocês são PHODAS com PH de PHYNOS!

%d blogueiros gostam disto: