Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Contrafactual #03: E se tivéssemos 3 dias de descanso?

por em 2 02America/Sao_Paulo janeiro 02America/Sao_Paulo 2017 em Ciência, Contrafactual, Destaque | 24 comentários

Contrafactual #03: E se tivéssemos 3 dias de descanso?

Desde o início da revolução industrial e a especialização do trabalho, turnos de trabalho e dias de descanso fazem parte do nosso dia-a-dia. O que hoje conhecemos como “fim de semana” é uma construção social com fortes raízes religiosas, já incrustadas em nossa sociedade.

Mas e se tivéssemos mais um dia de descanso? E se o que hoje conhecemos como “sexta-feira” também fosse um dia sem trabalho, um ia de descanso, de lazer? Qual o impacto dessa alteração profunda no cotidiano social global para o trabalho, para a economia e para nossas vidas?

Nesta semana, no Contrafactual.

*Este programa especial, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Arte da Capa:


Publicidade:

  • Continuando a série Monsters of Science em grande estilo a Loja SciCast lança a camiseta Einstein Kiss, está esperando o quê pra pegar a sua?

IMG-20160809-WA0008

  • Ao lado de um dos mais conhecidos  cientistas da história da humanidade, temos uma das maiores e mais importante cientista na camiseta Marie Curie and the Radioactivity Experience, dentre muitos outros itens imperdíveis.

Avisos Paroquiais:

Campus Party 2017:

Bancada do Portal Deviante na Campus: http://campuse.ro/events/CPBR10-Grupos/workshop/republica-deviante-by-scicast/

Todas as palestras do Portal Deviante:

OBS:  Marque para participar de todas! Mesmo que você não saiba se vai ao evento, assim a palestra possuirá mais chance de ser aprovada e você estará ajudando o Miçangas e o Portal Deviante!


Contato Comercial:

Quer anunciar seu produto, marca ou serviço aqui no SciCast? Entre em contato:


Redes Sociais:


Aperte o pause:


Expediente:

Produção Geral: Tarik FernandesHost: Fernando Malta. Edição: Felipe ReisEquipe de Gravação/Pauta: Marcelo Rigoli, Natalia Nakamura e Willian Spengler. Arte da Vitrine: Google Imagens


Material Complementar:

SciCast #131: Trabalho

  • tutubahell

    f5

  • Daniel

    Eu sou imediatista então prefiro 3 agora do que 30 no futuro.

    • Marcelo Rigoli

      É nóis

  • Charles de Matos

    Trazendo a realidade em que o trabalhador convive, nem todos conseguem tirar os 30 dias corridos de uma vez só de férias. Então vou de 3 dias por semana.

  • 30 dias corridos deve dar uns 22 dias +/-. Não existe como abrir mão de 52 dias por 22. Então, me dá os 3 dias por semana aí. :)

    • Marcelo Rigoli

      Não entendi a tua conta, mas concordo.

      • Hehe, não ficou claro mesmo, me referia a dias úteis de folga por ano
        Logo, 52 > 22
        :)

      • Vinicius Zhu

        Acho que ele quis dizer que 30 dias corridos de férias dá, na prática, uns 20~22 dias descanso real (porque os outros 8~10 já são finais de semana anyway). Mas se tivéssemos a “siesta”, teríamos ao todo 52 dias de descanso a mais no ano. Assim, o Gustavo prefere a siesta pra poder descansar mais ao longo do ano todo! :)

  • vênus

    Na Alemanha o domingo é desse jeitinho que vcs disseram pq absolutamente nada abre/funciona. No sábado é aquela correria pra comprar as coisas que faltariam no domingo.

    • Marcelo Rigoli

      Será que minha cidade natal de 8 mil habitantes se inspirou na Alemanha? Nada abre de domingo também hehe

  • Bruno

    Eu escolheria 3 dias por semana, daria para fazer mini viagens e ter mais tempo para mim. 30 dias de férias é algo entediante

  • Mais um excelente cast. Parabéns aos envolvidos.
    Primeiro comentário neste spinoff.
    Bom, eu acredito que estamos muito mais próximos de trabalhar poucas horas todos os dias, possivelmente em regime de plantão permantente em muitos casos, do que termos um dia a mais de folga. Sou programador e acredito que a tecnologia caminha a nos viabilizar jornadas menores e muito mais produtivas, o que também pode nos propiciar uma redução nos dias de descanso sem grande impacto à qualidade de vida. Trabalho em São Paulo, capital, mas já desempenhei em 1h de trabalho remoto em Londrina as atividades de um dia inteiro, previamente organizadas para este fim.
    Enfim, acredito que este ponto também deva ser considerado quando pensamos no futuro do mercado de trabalho.

  • tutubahell

    vc podiam fazer um podcast se o calendário napoleônico tivesse sido aceito ou seja 10 messes com 10 dias de trabalho e 5 de descaço,não lembro bem se era exatamente esses números, aposto q o mundo ia ser louco

  • Vinicius Roggério da Rocha

    Talvez a forma como as pessoas encaram uma folga mudasse mais do que simplesmente pensar em lazer (viagens, etc), e sim começassem, por exemplo, a elaborar projetos pessoais com maior frequência: teriam mais pessoas fazendo podcasts, escrevendo livros, construindo lajes e desenvolvendo seus hobbies.

  • Vinicius Zhu

    Eu trabalho na indústria, numa jornada de 44h semanais, o que dá 8h durante a semana + 4h no sábado, ou, como costumamos fazer, 8h48 por dia.

    Pensando nesta linha, acho que mesmo que nossos antepassados não tenham instituído 3 dias de final de semana, se houvesse um acordo coletivo entre os principais países do mundo, seria possível passarmos a ter a a siesta sem que houvesse impactos na economia ou na educação se ampliássemos as jornadas de cada dia: diluindo as horas da sexta nos demais dias.

    Assim, ao invés de trabalhar 8h48 por dia, eu teria que trabalhar 2h12 a mais, passando a 11h de trabalho por dia. Parece bastante – e acho que o ser humano nem dá conta ter rendimento ótimo após tanto tempo, mas lembrem-se que eu estou falando da maior jornada comum de trabalho no Brasil, que já tem jornadas altas. Se considerarmos a Suécia, que tem jornadas de 6h/dia, eu teria que trabalhar 7h30 por dia pra poder folgar 3 dias.

    Com a questão da escola fica parecido: acho que a maioria das escolas trabalha com turnos de 5 a 6 horas. Seria possível ter turnos de 7h30 para cobrir o conteúdo da siesta nos outros dias.

    Respondendo à enquete: eu preferiria ter finais de semana de 3 dias, 8 dias úteis de férias remuneradas e não receber 13º salário, e gostaria que fosse possível acumular 2 férias pra tirar junto caso fosse necessário pra fazer uma viagem mais longa. (16 dias úteis = 1 mês na prática, o suficiente pra valer a pena perder uns 4 dias de translado entre ida e volta numa viagem pra China, Austrália, Japão, etc).

  • Ana Da Rocha Kurata

    fazia algum tempo que eu não houvia radio jornal, hoje estava ouvindo uma entrevista em um grande jornal e o host ficava interrompendo o entrevistado ¬¬
    por favor, Fencas e Tarik precisam dar umas aulas pra esse povo

    • Fernando Malta

      Hahahahahaha, obrigado, Ana =*

    • Marcelo De Matos

      Nunca ligue a tv na globo domingo final da tarde.

  • Darley Santos

    Amei a discussão ^^. Bom, prefiro 30 dias de férias, consigo perfeitamente negociar isso, fico só com os dois dias no fim de semana mesmo, abrir mão dos 30 dias contínuos pra ficar só com três dias ao final da semana tô fora haah! De fato, com o weekend acrescido de mais um dia a indústria de lazer iria lucrar mais. Mas conhecendo a nossa brasilidade… sei não, em outros lugares um ano tem pouquíssimo ou nenhum feriado e a economia vai bem, obrigado, mas aqui no Brasil, além de todos os feriados ainda aumentar o fim de semana? Sei não…

    Uma coisa que talvez em breve venha a se tornar uma realidade e vocês não poderiam de fato ter considerado neste cast, é a possibilidade de uma lei dominical universal! Esta seria a segunda, a primeira foi no tempo de Constantino; o Papa já propôs esse dia como um feriado universal tendo como justificativa o paradigma da sustentabilidade – seria uma forma de economia de energia e menos poluição, e um dia voltado para a família e para Deus; por força de lei, o comércio estaria proibido de abrir as portas… Esse fator poderia ser incluso nessa discussão?
    Obs.: a respeito do que foi dito a partir do minuto 05:00, devo acrescentar que tanto o domingo quanto o sábado possuem origem religiosa, o domingo é a cristianização do dia pagão dedicado ao deus sol se não me engano, e o sábado é mais antigo ainda, é o dia de guarda dos judeus, que a Igreja Católica resolveu manter só nominalmente.

    Ei, eu levo trabalho para casa… como meu trabalho a maior parte se baseia em internet, acabo fazendo coisa do trabalho em casa e coisa pessoal no serviço, ou seja, as coisas pra mim são bastante fluídas, não estão presas à rigidez de horário, ou, não estão totalmente limitadas a condicionantes de tempo ou espaço. Então, acho que não faria muita diferença pra mim xD.

  • Marcelo De Matos

    Atualmente trabalho 30 horas semanais (das 8 as 14) é maravilhoso! Mais tempo com minha famila, com o pokemon e pra cuidar da minha saúde!

    Achei muito engraçado o fim de semana desses nerds ser na base da FARRA, PINGA e FOGUETE.

  • Andréa Silva

    [Antes tarde do que nunca]

    Sobre a jornada de 4×3, apesar de ser interessantíssima para quem gosta de viagens curtas, como passar o final de semana na praia ou campo, ou realizar projetos pessoais, acho que poderíamos pensar na redução de jornada global da semana, (de 44 para 35 ou 30), e ai tanto o empregador como os trabalhadores poderiam optar pelo melhor para si. Ou seja, eu particularmente gostaria de trabalhar seis horas por dia, e ter dois dias de descanso. Mas provavelmente teriam pessoas que prefeririam ter 8 horas em quatro dias para ter três dias de descanso. Não vou invocar a teoria de valor do trabalho em Marx, mas suponho que uma carga menor de trabalho por semana seja mais humana e condizente com os ensejos da vida moderna e suas opções de atividades. Mas a questão do salário mensal que supra as necessidades do indivíduo é colocado tão ao mínimo, com a contrapartida ao máximo (a comum jornada de 44 horas x o pagamento do salário mínimo) que aparentemente uma redução de carga horária “causaria danos econômicos”, quem sabe sim no curto prazo, já que não seria possível uma redução salarial (o salário mínimo sendo considerado um salário de reprodução mínima do trabalho, ou seja, se form menor que o mínimo o sujeito não teria condições de viver e continuar trabalhando) e os empregadores iriam protestar. Mas por exemplo, eu já trabalhei numa empresa que um dos sócios pagava mais de condomínio no apartamento residencial dele do que o salário da secretária. Claro que a empresa e o capital eram do cara (além que era empresa de capital imobilizado baixo, por trabalhar com implementação de software, não era uma montadora de veículos que precisa de muita coisa) e seus sócios, mas percebe-se uma discrepância grande entre os “colaboradores” da empresa. Enfim, com a redução de jornada, mesmo se seu trabalho for uma merda, você terá tempo para fazer outras coisas que lhe agradem, que acho que é objetivo da vida. Se você optar por uma jornada diária menor, ou por uma Siesta-Sábado-Domingo, seria particular do caso. Achei um pouco pessimista as posições sobre o aumento do descanso, mas acostumamos a pensar como querem que pensemos, principalmente em relação ao trabalho.
    Muito bom o programa, parabéns. <3

  • André Miola Bueno

    #queromuito

    temos uma tendência a ser como gases e ocupar todo o espaço q temos, portanto sou mega a favor de 3 dias de descanso, provavelmente teríamos esquema de escala de trabalho

  • Irrelevante. Eu trabalho 12×36 na madruga. Já fico de folga 3 dias da semana.