Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Scicast #186: Piloto – Colonização de Marte

por em qui 23America/Sao_Paulo mar 23America/Sao_Paulo 2017 em Desafio SciCast!, Destaque, Scicast | 58 comentários

Scicast #186: Piloto – Colonização de Marte

Prepare-se para estimular suas sinapses!
Lá vem ele!
O paladino da quântica.
O quarterback da astrofísica.
O mestre de todos os calendários.
O primeiro.
O único.
…Pena!

O Portal Deviante tem a missão de levar a ciência divertida de muitas formas. Ainda que a qualidade da informação seja prioritária, a forma de divulgá-la é quase tão relevante quanto. Por que não, então, desafiar os SciCasters em um intensivo de perguntas sobre determinado tema?

Neste episódio-piloto-de-uma-série-que-pode-virar-podcast-próprio-ou-não-e-ainda-não-tem-nome, nos inspiramos no Beakmania d’O Mundo de Beakman, no Cosmic Queries com Neil deGrasse Tyson e no Naruhodo, do B9 para massacrar nosso muito amado físico multiuso com diversas perguntas relacionadas à Colonização de Marte. Será que ele dá conta de respondê-las? E você, é capaz de responder ao desafio dele?

*Este programa especial, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Arte da Capa:

 


Publicidade:


Avisos Paroquiais:


Contato Comercial:

Quer anunciar seu produto, marca ou serviço aqui no SciCast? Entre em contato:


Redes Sociais:


Aperte o pause:


Expediente:

Produção Geral: Tarik FernandesHost: Fernando MaltaEdição: Live realizada dia 21/03 às 21h. Equipe de Pauta/Gravação: Roberto Pena


 

  • Show de modelo e episódio, terminou com aquele gosto de por que foi tão curto… quanto tem mais… parabéns pela humildade de sempre, reinvenção e testes em conjunto com a comunidade do SciCast, o que fará de vocês sempre grandes! Abraços e obrigado, Rodrigo Rocha

  • Anderson Cardoso

    Gostei muito do episódio, padrão Deviante de qualidade.

    Acho que essa série/podcast possa ser sempre feita juntamente com o mesmo tema do Scicast da semana, pois assim o próprio Scicast já responde algumas das possíveis perguntas que poderiam ser enviadas ao mesmo tempo que fomenta novas.

    Outra coisa que tem que ser levado em conta, deve-se tomar muito cuidado para não ser uma simples leitura de email.

    Não me veio nenhuma ideia de nome.

  • João Paulo

    Muito bom o Cast, adorei o formato.

    Já foi dito algumas vezes aqui mas acho que é válido novamente mencionar a trilogia Red Mars do Autor Kim Stanley Robinson, onde são abordados vários pontos presentes no Cast mas claro, no formato de estória.

    Quanto ao ponto comentado pelo Pena sobre o escudo magnético de Marte, encontrei esta imagem que está disponível na internet.

    https://uploads.disquscdn.com/images/96c50d2d4a0c6e620b88c7e9b9cbae946311de0a3a45cfd9cb1b64a96e134184.png

    Sendo assim pergunto, como é feito para manter o Dipolo Eletromagnético sempre no ponto Lagrangiano? Se não estou enganado, esse ponto varia conforme a translação dos planetas, correto?

    Abraço a todos.

    • Oi João,
      Essa imagem mesmo, obrigado.
      O ponto L1 é um ponto de equilíbrio que fica sempre entre o Sol e Marte, ele se move junto com o planeta.
      Se vc deixar um objeto ali ele vai naturalmente continuar ali, orbitando junto com o planeta. É necessário fazer pequenas correções pq é um ponto de equilíbrio instável, mas são correções mínimas durante o ano

      • João Paulo

        Entendi, mas desgurpe a importunânça, a órbita de marte é elíptica correto? Se for solto um corpo em L1 no momento t=0 que equivale por exemplo ao Periélio, quando chegasse em um instante t=0+343 que seria o Afélio, esse corpo continuaria ali?

        • O ponto L1 é aquele em que a gravidade dos dois corpos (no caso Sol e Marte) se contrapõe a ponto de que o período orbital desse ponto seja o mesmo do corpo menor (Marte). Ou seja, ele orbita com o mesmo período de Marte e sempre está alinhado a este, seja no Periélio, no Afélio, ou em qualquer outro momento.

          • João Paulo

            Entendi, muito obrigado! o/

  • Marcus Vinícius Miranda Sabino

    Esse formato está ótimo, agora temos nosso próprio StarTalk, ou então SciTalk com nosso ilustríssimo “DeGraça Pena”. O episódio além de divertido foi muito esclarecedor.
    Assim como já vi em um comentário anterior, deve-se ter cuidado para não virar apenas leitura de e-mail, logo, para manter ou elevar o nível de qualidade apresentado nesse piloto, tanto das perguntas quanto para as respostas elaboradas, o intervalo entre os programas deve ser de pelo menos de umas 3 semanas, talvez arredondando para 1 vez por mês, toda 1ª quinta do mês ou a última.

  • Fica a dica do Terra Formars, onde mandam baratas para marte, por resistirem a radiação, com modificações genética para causar efeito estufa em marte e tornar o planeta habitável, porém elas sofrem mutações e evoluem em monstros da hora que matam todo mundo.
    Inclusive foi o tema do podtresh la no td1p.com essa semana xD

    • Layla A. Cokado

      Meu, eu li esse mangá. E odiei (olha que nem sinto nojo ou medo por baratas rs, eu tenho até dó de matá-las), mas a cara deles…É bizarro! Tem o mangá “Planetes” que não lembro se fala sobre a colonização, mas fala sobre a vida no espaço. Bem interessante :)

  • arthrj

    Salve! Gostei do formato.
    Respondendo a questão: “Como seria a colonização de Vênus?”

    Inicialmente as pessoas precisariam viver em cidades suspensas, como super-zeppelins. A certa altitude a pressão será idêntica a da Terra, e as temperaturas – ainda bem altas – são… “domáveis”.

    Essas cidades-suspensas poderiam usar a atmosfera como recurso pra produzir algumas coisas, especialmente as compostas de carbono, hidrogênio e enxofre.

    Por ser mais próximo da Terra, comunicação e logística seriam muito mais simples que a colonização de Marte. E energia seria um problema muito menor.

    Já a terraformação:

    As cidades lá até teriam uma função interessante de diminuir a energia que entra no planeta para diminuir a temperatura. Mas a forma mais interessante de diminuir a temperatura planetária é colocando anéis no planeta (“Cause if you liked it, then you should have put a ring on it”, brincadeirinha). A sombra que anéis artificiais fariam em Vênus diminuiria sensivelmente a energia solar e com isso, a temperatura.

    Um segundo passo no processo de terraformação seria diminuir a pressão atmosférica e resolver aquela pequena questão de brumas de ácido sulfúrico.
    Poderíamos jogar alguns milhões de toneladas de um material de pH básico.
    Com isso o gás ácido viraria vapor, cuja massa ocupa menos espaço, e no processo criamos água além de diminuir a pressão atmosférica.

    Quando a temperatura cair o suficiente, o vapor chove e a pressão atmosférica cai ainda mais. E se isso não for o bastante podemos sintetizar materiais sólidos à partir dos gases da atmosfera. E nessa fase podemos começar a usar plantas (aquáticas inclusive) para transformar o CO2 em O2 e carbono sólido.

    Quando as condições permitirem cidades no solo, Vênus será muito como a Terra.

    Para os anéis, podemos direcionar o material do cinturão de asteroides para baixo do Limite de Roche de Vênus, e para os milhões de tonellada de base, poderíamos usar o material -manufaturado- do próprio cinturão.

    Como a gravidade de Vênus é quase igual a da Terra, e as órbitas são mais próximas, Vênus poderia ser em pouco tempo um lugar tão interessante quanto a Terra para a biosfera terrestre. O custo inicial é alto, mas o resultado é muito melhor que a eventual colonização de Marte.

  • Guilherme Ceolin

    Show de bola, pessoal! Gostei muito! Informação de qualidade, em formato rápido e direto. Dou todo o meu apoio!

  • mega_luca

    Cast padrão de qualidade do Neymar: TOP!

    É um assunto muito escasso em português, além do que gera diversas dúvidas e tal.
    Pena, entendi a questão de criar um eclipse magnético. Mas como manter esse material sempre neste mesmo ponto neutro, e rotacionando sincronizadamente com Marte?
    Que material seria não grande o suficiente nem pequeno demais para gerar esse campo magnétcio?
    Quanto ao desafio do Pena, não me arrisco pq sou um leigo no assunto, mas olhando de fora, me parece que vênus teria uma logística mais em conta do que Marte. Apesar de também não possuir campo magnético.

    • Alexandre Hagihara

      Eu não teria uma resposta completa em relação ao dipolo magnético, mas posso dizer que o campo magnético da Terra é bem fraquinho, veja que qualquer ímã deflete uma bússola mais do que o campo dá Terra. E isso na superfície, onde vivemos. O campo lá no alto é ainda menos intenso, mas faz o seu trabalho de proteger o planeta.

    • Os pontos de lagrange são pontos de equilíbrio. O L1 fica sempre entre Marte e o Sol. Basta colocar o dipolo lá que ele irá ficar sempre bloqueando os raios do sol.

  • Mário Sérgio Salvador

    Caras,
    Formato muito bom…
    Cansei do mundo twitado e os assuntos em drops! Adorei o formato, explorou bem o assunto, inclusive fiquei curioso pra ouvir novamente até porque algumas idéias ficaram implícitas em uma única palavra, a exemplo de Gataca(que, por acaso eu assisti) e outras que, de passagem não peguei o contexto.
    Mas está aprovadíssimo IMHO!

  • Madureira

    Caramba, conheci o podcast a 1 semana e já virei fã!
    Esse episódio ficou excelente, parabéns a todos os envolvidos.
    Aguardando mais programas como esse.

  • Alexandre Hagihara

    Caramba, que proposta legal, eu também já virei fã. Será que uma forma relativamente fácil para eliminar o excesso de ácido sulfúrico de Vênus não seria pulverizar o planeta de algum cristal a base de enxofre e deixar esses cristais absorverem o enxofre? Químicos de plantão, me elucidem sobre a idéia. Já minha sugestão de nome é Sci-batina, já que é uma sabatina de questões do Scicast. Parabéns pela iniciativa, pessoal.

  • AR Terra

    Adorei! Esse formato tem muito a ver com o verdadeiro ensino da Ciência, pois não fica apenas na transmissão de informação científica para o ouvinte. Ele propõe a “resolução de problemas” e podemos acompanhar todo o raciocínio que se deve fazer para que se chegue às respostas. É assim que se ensina ciência (e qualquer outra coisa) !!! Além disso, há mais participação do ouvinte, na forma de perguntas dos patronos pautando a exposição. PARABÉNS!!! Gostei do SCIbatina!! Sugiro, na mesma ideia, “SCImproviso” ou “Desafio Scicast”.

  • Nyell Quantos

    Então, para resolver esse problema de caso estar se colonizando marte e dar de cara com uma vida alienígena, as agencias espaciais responsáveis pela colonização, poderiam mandar junto com o grupo de colonizadores aquelas pessoas que dizem ter contato com marcianos e venusianos, isso ajudaria na diplomacia! O único problema seria a falta que eles fariam aqui, mas creio que precisamos fazer alguns sacrifícios em nome da colonização pacifica.

  • Daniela Danaila

    AMO MUITO!!!! Parabéns amores!!!!! Arrasaram <3

  • Professor Cleiton Torres

    Salve, Scicast!
    Muito bom o cast. Ótima abordagem do Pena.
    Agora, se me permitem, que tal em um próximo episódio desse novo formato falarem sobre “Super humanos: Terapia Gênica vs. Homens de Lata”. Levando o assunto em uma toada parecida com a do contrafactual, sempre levando em conta o “e se”.

    Abraços!
    Prosperidade e sucesso, sempre!

  • Gradash

    Querem ter uma boa ideia de como poderia ser? Assistam The Expanse.

  • Gradash

    Colonizar Vênus não é tão difícil assim, cidades nas nuvens é a solução, graças a ABSURDA atmosfera de Vênus, oxigéio é mais leve e permite a flutuação, então simplesmente usar os tanks de O2 já vai fazer as colônias flutuarem. Também a temperatura acima das nuvens é de cerca de 60 C° a 90 C°, o que é uma temperatura muito mais fácil de lidar, e se bem me lembram (me corrijam se eu estiver errado), Vênus tem um campo magnético que protege os colonos. E convenhamos que é muito mais fácil de eles fazerem dinheiro com turismo em Vênus, que marte, afinal uma cidade alada é muito mais maneira que um deserto vermelho!

  • Israel Vitorino

    Muito muito bom !!!

  • André Miola Bueno

    QUE DELÍCIA DE CAST CARA!!! ops, pera, cast errado!

    Muito bom o formato, mas acho fácil ele competir com o formato/pauta do próprio SciCast, entretanto acho q ele pode ser o aríete para assuntos mais densos, dessa forma sendo um introdutório para outros episódios, passados e vindouros. Ainda é cedo para eu conseguir categorizar o formato dentro do deviante, mas acredito no futuro dele.

    Tive q parar tudo para poder vir comentar, fiquei me segurando para ver se vocês trariam essa informação sobre o escudo magnético e fiquei feliz por vcs estarem atualizados. Aproveito esse comentário para pedir para vocês intrevistarem o Salvador Nogueira (Mensageiro Sideral) q é jornalista de ciência e tem uma forma muito palatável de transmitir a informação, acho q tem tudo a ver com vocês!!!

    Já sobre a colonização
    Marte é só uma outra rocha, uma esquina, a longo prazo não vale a pena querer mudar o genoma só para uma rocha, a terraformação é algo muito melhor para podermos ser livres no universo. Mas na dúvida mande um xerpa com uma proteína de proteção no DNA igual ou melhor ao dos tardígrados (a DSUP) q fica tudo certo, hehe xD

    • Oi Andre, valeu pelo feedback, legal que você curtiu!

      Sobre a mudança de genoma, ela já acontece naturalmente, independente da vontade das espécies, mas se a engenharia genética do futuro se tornar tão acessível como eu imagino, não seria possível evitar que as pessoas escolhessem melhorias que as fizessem viver melhor no clima de Marte. Vc nao vai esperar gerações até Terraformarem Marte, vc quer a vida boa agora para vc e seus filhos.
      abs

      • YorkshireTea

        A adaptação genética não está tão distante. Haja vista a tecnologia CRISPR, que é relativamente barata e permite editar o genoma. Vocês poderiam fazer um especial sobre o tema (se é que já não fizeram).

  • Rodrigo (Bodas)

    Ok né, sei la….
    não consigo acreditar nesse futuro, acontece algo antes quem impeça…
    Politicas e/ou gerras…

  • Fellipe Borges

    Pessoal, eu não tenho ideia de como solucionar o desafio, porque eu sou muito jumento com science-stuff.

    Mas por favor continuem com esse projeto! Eu achei FANTÁSTICO!
    Obrigado!!!!

  • Esron Silva

    Achei o formato legal, mas vc perderam um pouco a noção do tempo, claro que tem aquele problema de ser uma live e vcs terem que explicar do que se trata o programa. Espero que no próximo tudo corra melhor. Vou deixar uma dica: Falem rapidamente no inicio a proposta do programa, como já é feito no Contrafactual. Isso não vai deixar ninguém voando no assunto. Tirem o número, não acho legal colocar na mesma linha dos programas regulares, vai ficar mais difícil de procurar depois (opinião pessoal).

    Do mais, adorei o conteúdo, foi explicativo e divertido. Até o próximo.

  • Victor Lopes

    Gostei do episódio…
    Um cenário parecido é o da série The Expanse do Netflix, que apesar de ser ficção científica, trata muito bem a questão social e política no Sistema Solar.

  • Kaeru

    QUE PODCAST MARAVILHOSO

  • Mário Sérgio Salvador

    Ah,
    Só pra encher os cornos de vocês mais um pouquinho…
    Acho que a primeira opção de colonização em Marte seria em cavernas(pelo aspecto de muitas fotografias deve existir muitas), por motivos simples:
    – Ficaríamos protegidos da radiação direta, meteoritos,etc, etc…
    – Teríamos como fechar hermeticamnte um microclima
    – A manutenção necessária seria menor em relação a uma estação a céu aberto;
    – Aparentemente tudo que procuramos não está na superfície(água, vida, minerais, etc, etc
    – Os Thundercats deixariam de ser um simples desenho animao;)

    • Oi Mario
      Não houve nenhuma pergunta específica sobre como montar as habitações, então não pude entrar muito no assunto.
      Fazer uma colônia subterrânea tem várias vantagens, como você já pontuou, e de fato me parece uma boa opção inicial. O problema é não poder contar com a luz do sol, então se gastaria muita eletricidade para iluminar os ambientes e para fornecer luz para as plantações, e isso pode ser um problemão.
      Valeu pelos seus comentários, foram muito pertinentes.

  • Péricles Júnior

    Partindo um pouco para a cultura pop, para ter uma boa ideia do tipo de problema que poderiamos ter num futuro, com uma colonização de marte, deem uma olhada no anime Aldnoah Zero ;D

  • Eric Adan

    Estou no futuro, e ainda não colonizamos marte… (droga)… adorei o formato, galera… muito show!!!

  • Willian Adriano

    Nossa, que podcast sensacional! Eu pessoalmente adoro esse estilo de perguntas e respostas ainda mais com esse tema, além de informativo é dinâmico e divertido. Já virei fã.

  • Luciano Guimaraes (Lguimaraes)

    Coitado do Pena, parabéns gente, ficou excelente, a dinâmica foi ótima, o masacre foi fantástico, o tempo ideal, praticamente rápido e rasteiro.

    Parabéns. Aguardo ansiosamente o próximo.

    Barbado esta na lista de torturados?? Seria muito legal uma sabatina histórica contemporãnea Socialmente politizada. :)

  • Giuliano Lemes

    Sensacional ficou o programa, confesso que não tinha tempo pra ouvir tudo, mas não consegui parar. Ficou top!

  • Josyane Carla

    Como seria a colonização de Vênus?
    Primeiro a gente manda a Elza, e o restante fica fácil!!!
    https://uploads.disquscdn.com/images/4a01dd0894ef46d7d8f5bf8898d0e9bf26ef042416df5645406d77fd8b2b5a27.jpg

  • PauloAlbq

    Parabéns pelo novo programa, bem interessante o formato, principalmente porque as coisas vão se resolvendo fácil, assim podemos ter uma ideia concreta de como aconteceria o proposto no tema.
    Vou me esforçar pra pensar aqui num título!

  • Marcus Ferreira

    vim aqui só marcar presença e manter pelo menos um comentario em cada cast da casa, vlw flw, e até o proximo cast

  • André Mendes Garcia

    Sobre a parte política, acredito que isso não criaria um governo planetário, assim como a colonização na américa não criou um governo europeu. Acredito que se formariam um ou mais países marcianos que passariam a se relacionar com entre si e com os países terrestre. Acabaríamos com muito mais nações, só que algumas estariam na Terra, outras em Marte.

  • Por favor meninos escrevam um livro que eu compro

  • Thiago de Melo Costa

    Adorei esse piloto.

    Fiquei um pouco confuso sobre a proposta do imã para estabelecer o campo magnético em Marte.

    Vcs teriam alguma referencia sobre isso?

    Seria legal se aqui no post do episódio tivesse o ink para as principais referências do que foi dito no cast

    Abraços

    • Oi Thiago,

      O imã ficaria num ponto de equilíbrio entre o Sol e Marte, chamado de L1, e ficaria sempre bloqueando o vento solar. Segue uma imagem:

  • Bruno Fernandes

    Ouvi o cast e adorei!

  • Lucas Carvalho

    Demais! Não sei se já escolheram um nome, mas eu chamaria de SciQuest. Abraço.

  • Uma pergunta me veio após muito pensar, ou não: Querido Fencas e Pena, em caso de pedra no rim em um astronauta em seu cumprir do dever, ao voltar a terra, essa pedra seria um considerado um corpo celeste? Grato!

  • Bob

    Top 5 melhores episódios. Por mim poderia ser até mais longo.

    No aguardo do explorando/colonizando Vênus, Europa, Enceladus e Titã, com os mesmos participantes, por favor.

  • YorkshireTea

    Descobri o podcast hoje, depois de visitar a barraquinha do Scicast na Marcha pela Ciência (no Largo da Batata). Seguindo a dica do Pena e do outro rapaz (desculpe não gravei o nome dele) formado em RI, comecei ouvindo este aqui, sobre a Colonização de Marte. Não sei se seria o caso, mas talvez fosse interessante publicar ao final do texto de introdução, uma bibliografia básica sobre o tema. Assim, quem tivesse interesse, poderia se aprofundar no assunto.

    No caso de Marte, infelizmente, a maioria dos livros que conheço está em inglês. De qualquer forma, na área de não-ficção, uma sugestão inicial são os livros do Robert Zubrin (engenheiro aeroespacial estadunidense, fundador da Mars Society): “The Case for Mars” e “Entering Space: Creating a Spacefaring Civilization”. Principalmente o primeiro, no qual ele explica como seria viável iniciar a exploração de Marte com a mesma tecnologia usada no Programa Apolo com base numa sequência de missões não-tripuladas e tripuladas. As primeiras missões não-tripuladas estariam incumbidas de criar as condições básicas iniciais, com fábricas para a criação de água e oxigênio. As missões trariam além dessas fábricas, tanques de hidrogênio (gás praticamente ausente em Marte), para, por meio da Reação de Sabatier, quebrar o dióxido de carbono, resultando em H2O e C. E, por meio da eletrólise, quebrar a molécula de água em duas de hidrogênio e uma de oxigênio. Assim, não faltaria oxigênio nem água para os primeiros habitantes/colonos. Com mais tempo e pesquisa, será possível mensurar corretamente a quantidade de água existente na superfície (basicamente, nos pólos). Em tese, também é possível extrair água do subsolo. Com isso, não haveria – ao menos inicialmente – carência de água e oxigênio. Quanto à ocupação, seria necessário, sem dúvida, fazer uso de construções subterrâneas, como foi mencionado no programa.

    Acredito que o grande problema é manter a musculatura e a densidade óssea dos viajantes ao longo dos seis meses da jornada. Especialmente quando não houver um comitê de recepção esperando os martenautas. Além, claro, do bombardeio de raios cósmicos e, ocasionalmente, de microbólidos ao longo do caminho.

    Em tempo: o Zubrin tem uma visão política extremamente conservadora, mas, em termos técnicos, a idéia dele para a exploração de Marte faz todo o sentido e, sim, parece bem factível.

    Já na área de ficção, a trilogia do Kim Stanley Robinson é imbatível: Red Mars, Green Mars e Blue Mars. É para quem gosta de hard sci-fi.

    Em tempo 2: o Robinson tem uma visão política oposta à do Zubrin.

    • Ótimas referências. Conheço o trabalho do Zubrin e seu desejo por colonizar Marte faz tempo. Fico feliz q agora, com a entrada das agências privadas em cena, a corrida ao planeta vermelho foi retomada.

%d blogueiros gostam disto: