Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Scicast #75: O Jesus Histórico

por em 03/04/2015 em Destaque, Scicast | 21 comentários

Scicast #75: O Jesus Histórico

SciCast_MP3Cover

Quem foi Jesus? Quem não foi Jesus? Nesta semana o SciCast quebra o terceiro selo do Apocalipse para tratar de um assunto pra lá de polêmico, independente das circunstâncias: tiramos o véu divino e falamos tudo sobre a figura histórica de Jesus de Nazaré.

A despeito da crença cristã, a grande totalidade dos historiadores não possuem uma ideia única de quem foi o homem mencionado nos Evangelhos. Fora a Bíblia, não há muitos registros altamente confiáveis sobre quem fora o filho de carpinteiro, batizado por João e que pregou na Galileia antes de morrer sob ordem do governador romano Pôncio Pilatos. Só que isso não impediu Silmar, André, Marcelo, Matheus, Ronaldo e o convidado Daniel Araújo de tentar reconstruir os passos no nazareno sob outros olhos, sem o misticismo cristão e buscando se focar no que ele muito provavelmente disse e fez durante sua passagem pela Terra.

Saiba como era a Palestina do século I EC, entenda o cenário político do mundo na época e saiba um pouco mais sobre os mitos e histórias de outras culturas que foram absorvidos pelos cristãos: há muito de outras mitologias na história divina de Jesus, mais do que você imagina.

 

Aperte o pause:

Redes Sociais:

Leve o SciCast mais longe:

  • Avalie o SciCast no iTunes;
  • Ajude a financiar a iniciativa do SciCast doando qualquer valor, saiba mais aqui.

 

Produção: Silmar Geremia. Coordenação: Marcelo Guaxinim. Equipe de Pauta: Matheus Silveira e Ronaldo Gogoni. Revisores: Estrela Steinkirch e Gustavo Simioni. Apresentação: Silmar Geremia. Participação: André CarvalhoMarcelo Guaxinim, Matheus Silveira e Ronaldo Gogoni. Engenharia de Som: Silmar Geremia. Edição, Sonorização e Mixagem: Silmar Geremia. Convidado Especial: Daniel Araújo. Foto da Vitrine: Pablo Rigamonti.

Comentado no episódio:

Documentário:

A Verdadeira Face de Jesus: O documentário mostra o desafio enfrentado pela equipe de artistas da computação gráfica que tentou recriar a face de Jesus em 3D. Como material de apoio, apenas um leve contorno do rosto de Jesus deixado no Santo Sudário, prejudicado pela presença de sangue, terra, manchas de água, buracos e queimaduras. Mesmo com danos em seu material, o manto sagrado foi crucial para o projeto por conter elementos em três dimensões.

Filmes:

A Vida de Brian: O filme, do grupo britânico de comédia Monty Python, conta a história de Brian, um homem da Judeia que vive uma vida paralela à de Jesus Cristo e se alia a grupos contra o domínio romano. Na segunda metade do filme, uma multidão pensa que ele é o salvador da humanidade e o seguem como um grande sábio, mas ele nunca teve a intenção de dar essa impressão e apenas se deseja ver livre de toda aquela gente. Mas Brian é um predestinado, e acaba por viver cenas bíblicas e ter que enfrentar desafios semelhantes aos do Messias (o que naturalmente são sátiras).

Jesus Cristo Superstar: musical de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice que rendeu uma adaptação para o cinema em 1973, dirigido por Norman Jewison. A hisxtória gira em torno do conflito entre Judas e Jesus durante a semana antes da crucificação. Embora atraiu críticas de alguns grupos religiosos, comentários para o filme ainda foram positivos. A versão cinematográfica rendeu duas indicações ao Globo de Ouro em 1974 para Ted Neeley e Carl Anderson por seus retratos de Jesus e Judas, respectivamente.

A Última Tentação de Cristo: filme norte-americano de 1988 do gênero drama, dirigido por Martin Scorsese e com roteiro de Paul Schrader. É baseado no romance homônimo de Níkos Kazantzákis, publicado em 1951. Como o romance, o filme retrata a vida de Jesus Cristo e a sua luta contra várias formas de tentação, incluindo medo, dúvida, depressão, relutância e luxúria. Isso é retratado no livro e no filme com Cristo imaginando-se envolvido em atividades sexuais, uma ideia que provocou a indignação de alguns cristãos. O filme inclui um aviso explicando que se afasta da interpretação bíblica comumente aceita da vida de Jesus, e não se baseia nos Evangelhos. No filme, Jesus resiste à “última tentação”, a de escapar da morte, ser casado e criar uma família, e do desastre que se seguiu, que teria, consequentemente, abrangido a humanidade. Nu e sangrento, Jesus grita em êxtase antes de sua morre, “Tudo está consumado!”.

Vídeos:

 

Setor de RH – Jesussátira do canal Porta dos Fundos que mostra Jesus sendo demitido de uma carpintaria pela dissonância do seu trabalho e sua conduta em relação ao que é esperado.

Jesus visita Sarah Silverman: Nesse vídeo estrelado pela comediante Sarah Silverman ela é visitada por Jesus Cristo, e é discutida a necessidade de um estado laico pelo viés da liberdade das mulheres ao dispor de seu próprio corpo (aborto).

Entrevista com Richard Dawkins: Entrevista sobre uma pesquisa a respeito de religião e atitudes sociais de cristãos britânicos.

Livros:

O Que Jesus Disse, O Que Jesus Não Disse? Quem alterou a Bíblia e porquê: Bart Ehrman mostra a história que está por trás das alterações que eclesiásticos políticos e copistas ignaros fizeram no Novo Testamento, causando um impacto enorme na compreensão e interpretação da Bíblia que temos hoje. Aqui, pela primeira vez é revelado onde e por que essas mudanças foram feitas, para que os pesquisadores possam avançar na reconstituição mais fiel possível dos termos originais do Novo Testamento.

Evangelhos Perdidos: Bart Ehrman mostra como grupos cristãos primitivos, com suas formas antigas de Cristianismo, foram esmagados, reformados ou esquecidos. Todos eles insistiam que propagavam os verdadeiros ensinamentos de Jesus e seus apóstolos, e todos possuíam escritos que confirmavam suas reivindicações. Ehrman reflete sobre as várias ‘escrituras perdidas’, resgatadas pelo trabalho arqueológico moderno – incluindo evangelhos falsos supostamente escritos por Simão Pedro, o discípulo mais próximo de Jesus, e Judas Tomé, o pretenso irmão gêmeo de Jesus.

Bíblia, Uma Biografia: Traduzido em mais de dois mil idiomas, a Bíblia é o livro mais conhecido do mundo. Calcula-se que já tenham sido vendidos mais de seis bilhões de exemplares e ninguém duvida que o conteúdo de suas páginas mudou e continua influenciando nossa história. Mas, diferente do que muitos pensam, a principal função da Bíblia, ao longo de sua demorada gestação, não foi apoiar doutrinas e crenças particulares. Isso (e muito mais) é o que nos mostra a brilhante estudiosa do pensamento religioso Karen Armstrong. A produção de uma escritura sagrada consistiu antes em atividade contínua, um processo que buscava introduzir milhares de pessoas à transcendência. Embora os autores bíblicos se contradigam, suas visões múltiplas convivem num mesmo livro. Para Karen Armstrong, este é um indício claro de que toda interpretação da Bíblia significa necessariamente abertura de espírito. Assim, ela fornece uma narrativa necessária para combater o pessimismo de nosso mundo tão cheio de conflitos.

Um Judeu Marginal, Repensando o Jesus Histórico [Volume 1] [Volume 2] [Volume 3, Livro 1]: A primeira tentativa de tratamento rigorosamente científico do Jesus histórico feita por um católico americano, o padre John P. Meier, professor da cadeira de Novo Testamento da Universidade Católica da América.