Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Miçangas #04: Indie Games: O Bom, O Mau e o Sem Dinheiro

por em qua 09America/Sao_Paulo mar 09America/Sao_Paulo 2016 em Destaque, Miçangas | 22 comentários

Miçangas #04: Indie Games: O Bom, O Mau e o Sem Dinheiro

Quem nunca numa viagem para ver o nascimento do avô acidentalmente esqueceu de levar seu videogame com os jogos de AAA para o passado e teve que se contentar com os jogos indies do celular?

Quem nunca se pegou jogando um game com cara de 16 bits numa tv de 50 polegadas e teve que correr quando o segurança do shopping chegou e te colocou para correr?

Essa semana vamos falar da galera de humanas do mundo dos games: quem são, como vivem e do que se alimentam a galera dos joguinhos indie.

micangas04_indie_iTunes

Comentado no Episódio:

Site da Lu! http://luciananascimento.com/

Contato Comercial:

Escreva, mande corações e beijinhos:

Se inscreva no nosso canal no Youtube:

  • Agora com URL própria: youtube.com/miçangaspodcast
  • Roda de Violão 03: dia 16/03 às 21 horas.
  • Se você não assistiu a roda anterior assiste ai:

Não erre no basicão:

Escute mais Jujuba e Guaxinim:

Programadores: Marcelo Guaxinim, Jujuba Vilela. Animadora: Luciana Nascimento. Menino do Café: Silmar Geremia.

  • MarceloGuaxinim

    FIRST! CHUPA THIERRI

    • Thiérri Parmigiani

      Só agora eu vi isso!
      Que agressividade é essa, cara?

  • Marcus Ferreira

    Indie games são jogos feitos pelo pessoal de humanas que acham que fazer miçangas é muito mainstream?

    • MarceloGuaxinim

      Basicamente.

  • Carlos Tabarnac

    ficar na rua na neve nao tem graca :(

    • Juliana Vilela França

      Ahahaha aiaiai… agora já aprendeu com a Lu como se virar em uma situação dessas ^^

  • Gosto de jogos indies mas a maioria usa muito pixel art, eu curto mas acaba cansando um pouco ver só jogo assim, e até por causa disso que as pessoas criam esse preconceito, fora que eu fico com a impressão que lá na época dos 8 e 16 bits os desenvolvedores queriam fazer algo bem desenhado, coisa que é possível hoje em dia. Enfim, só um desabafo.

    • Juliana Vilela França

      Acho que com a evolução do Toon Boom, um software bem parrudo de animação, alguns jogos vão começar a pipocar com uma cara mais de animação bacana, como o Cuphead https://www.youtube.com/watch?v=4TjUPXAn2Rg ^^

      • Meus olhos brilharam na primeira vez que eu vi esse jogo! Quanto ao toon boom ele é bem bacana mesmo, vejo muita gente migrando pra ele.

  • Jhonata Cosmo

    Fran Bow, Stray Cat Crossing, Dropsy, One Chance são indies Point-and-Click(alguns lançados recentemente) totalmente focados na história…

    • Juliana Vilela França

      Opa, anotando TODOS! Eu amo jogos com história, jogo os complexos no Easy pq curto acompanhar a história, e não ficar morrendo eternamente XD E eu amo puzzles. Tô jogando Limbo agora, e amando.

  • Bruno Bastos

    Marcelo Guaxinim disse que tem mais de 300 platinas na PSN. Como assim???
    Eu tenho 3 e consegui isso com muito esforço. Me orgulho disso! Aí o cara vem e fala que tem mais de 300!!! Não humilha, cara!
    Hahahahaha.

    • Juliana Vilela França

      pior de tudo é que deve ter nos jogos cabeçudos tipo Dark e Demon Souls e o Bloodbourne… eu não passo nem do tutorial XD

  • Uma dúvida, pra rodar FarCry, qual melhor marca de microondas?

  • Inoue

    Descobrimos o E-mail UOL da Jujuba.
    Vida longa e próspera.

    • Juliana Vilela França

      Era ig (ou seria bol?) na verdade. Mudei só pra disfarçar na gravação… XD

  • Daniel Cabral de Oliveira

    Fazer jogos indie é igual a fazer miçangas, só que de maneira digital. hehehe… Jogador de Minecraft é uma versão digital de um pedreiro!!! Cavar, construir muros, etc… Joguei bastante a versão mobile para android, a possibilidade de construir qualquer coisa é bem chamativa. Mas hoje em dia não consigo jogar nem 5 minutos.

    • Juliana Vilela França

      Eu ainda não entendi Minecraft… qualquer dia quero convidar um especialista no assunto pra me explicar XD

      • Daniel Cabral de Oliveira

        Pensa num lego, é o minecraft. só que se juntar blocos diferentes cria-se coisas diferentes. Hoje em dia crianças de 7 a 12 anos são super especialistas nesse game. Sabe, parece como aprender a tocar violão: o começo é sofrível, mas depois que aprende alguns acordes, pega gosto.

%d blogueiros gostam disto: