Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Dekatrian – Um calendário minimamente decente

por em qui 21America/Sao_Paulo set 21America/Sao_Paulo 2017 em Devaneios do Pena, Notícias | 41 comentários

Dekatrian – Um calendário minimamente decente

A gente acaba fazendo tantas coisas sem se perguntar o porquê. Seguimos o fluxo, repetimos padrões, mesmo quando não parecem fazer sentido. E… desculpe incomodar assim, a essa hora do dia, mas… o nosso calendário (o tal Gregoriano) não faz nenhum sentido.

Setembro é o mês… SETE? Não, errou, é o mês Nove. Nove de Novembro, que na verdade é 11. Dezembro, coitado, tinha tudo para ser DEZ mas é DOZE. Ahh, mas a gente já se acostumou com isso, ninguém pensa mais nisso. Bom, eu às vezes me seguro quando vou escrever Outubro e quase coloco um 8, mas daí lembro que é 10. Se esse fosse o único problema do nosso calendário eu estaria bem feliz.

Cada mês tem 30 dias certo? Ou 31… ou 28, que às vezes ganha um dia a mais a cada 4 anos. E esses meses não seguem uma lógica, tem dois meses com 31 dias juntos e um de 28 no meio do nada. Isso atrapalha muito entender o tempo. É totalmente confuso. A gente não consegue pensar o tempo, e medir o tempo, e ficar à vontade com datas porque nossa régua é toda torta. As contas de vale-refeição, de período de férias, de compensação de salário, viram uma bagunça por causa desses meses esquizofrênicos.

Isso sem falar da maior trolagem de todas: a semana – que é nossa unidade mais básica do dia-a-dia, aquela que nos diz quando se trabalha e quando se descansa, que dia sai o Scicast ou quando você vai para a academia, ou que dia você precisa buscar seu irmãozinho na natação – essa nossa bem conhecida semana que se repete perfeitamente segunda após segunda… bom, ela não se encaixa nos meses. É uma grosseria falar que cada mês tem 4 semanas. Apenas Fevereiro tem – e nem sempre. O resto é essa gambiarra que só serve para atrapalhar qualquer tentativa de planejamento. A cada mês seu salário cai num dia da semana diferente, e quando cai no sábado ou domingo você precisa ficar fazendo conta de dia útil. Por falar em conta, que tal falarmos sobre as contas a pagar, putz, que sacanagem. Seria tão mais simples usar sempre a primeira segunda feira do mês para pagar a internet, a água, o condomínio, não seria? Quem nunca se pegou atrasando conta porque cada mês elas vêm em dias da semana diferentes? É ridícula nossa relação com o tempo, simplesmente porque nossos meses não conversam com a semana. E olha que eu não cheguei ainda em pagamento de férias, em juros de aplicações, em prazos de entregas de trabalho, em planejamentos de viagens, coisas que exigem você abrir um calendário e ir contando o número de dias e que dia cai em qual dia da semana.

No caso de você ser mulher, e querer entender seus ciclos, compreender melhor seu corpo e suas fases hormonais, e poder antever sua menstruação, então você precisa criar um calendário separado porque o nosso atual não serve para nada disso.

Por que tanto esforço? Por que a gente aceita isso?

Tentando responder a essas perguntas, resolvi criar algo novo, simples e, como posso dizer, decente: O Calendário Dekatrian. Nele, todos os meses tem 28 dias – exatamente 4 semanas, que é exatamente o ciclo hormonal dos seres humanos. É simples assim. Uma régua regular, constante, coerente e que usa uma medida que nos é familiar.

São treze meses de 28 dias. Os nomes dos meses foram pensados para referenciar elementos ou conceitos universais e naturais, já que o calendário precisa ser algo atemporal. Quando falamos “mês de Julho” é uma reverência a um Julho César com o ego megalomaníaco que queria se eternizar no meio dos Deuses. Acho que não precisamos disso, não é mesmo? Para facilitar a vida, os meses começam com letras em sequência. O primeiro é Auroran – o nascer do Sol, o início do calendário; o segundo Borean – o vento norte; seguido de Coronian – das estrelas cadentes; acompanhado de Driadan – homenagem aos bosques e florestas. Temos assim o A, B, C, D, E, F, G, H, I, K, L, M, N (não tem J porque no alfabeto latino I e J são a mesma letra), fácil de lembrar e intuitivo, afinal segue um padrão. O último mês é Nixian, o anoitecer, fechando o ano para recomeçar com mais uma aurora no seguinte.

Se você for bom de conta, talvez percebeu que 13 meses vezes 28 dá 364 dias no ano. Como a ideia é fazer um calendário que também esteja sincronizado com o ano solar, ao final do 28 Nixian existe um dia que não faz parte de nenhum mês, o Achronian (o que está fora do tempo). Essa é a maneira elegante de não entortar a régua. Um pequeno hiato de um dia por ano que ajusta os meses com o movimento do sol. Como é um feriado (cai em primeiro de janeiro), não gera nenhum problema no tempo, ao contrário, é um dia fora do tempo para usarmos para refletir sobre o ano que passou e celebrar o novo ano que chega (ou para encher a cara, como preferir).

Ok, já adorei, mas como eu uso esse calendário? E de que adianta usar o Dekatrian se o mundo todo usa aquela porcaria do Gregoriano?

Vamos lá, uma pergunta de cada vez. A começar pela última: Eu uso o Dekatrian, e se você usar também já somos 2. O Scicast está usando o Dekatrian, divulgando os lançamentos do Spin de notícias diários em datas Dekatrians. Somos 3. Existe uma comunidade no Facebook de adeptos. É chato ter que ficar convertendo datas para pessoas que não usam? Sim, um pouco, mas quanto mais gente usar menos complicado isso fica. Hoje você descobriu que estava usando uma régua torta, prefere continuar usando-a só porque a maioria também usa? Ou prefere mudar para algo decente e apresentá-la para a galera à sua volta. O único argumento para se usar o calendário idiota é a tradição. Já quebramos tradições muito enraizadas como o fim da escravidão, a democracia, o voto feminino, a liberdade de expressão etc. Para ter mudança é necessário primeiro gente questionando, com vontade para mudar, para apoiar algo que acredita. Quanto mais gente entrar nesse barco, mas fácil de remar fica.

E olha só, temos a grande vantagem que o Dekatrian foi pensado, foi planejado. Ele parte de um conceito e foi construído de forma coerente. Um dos seus pilares é o caráter universalista. As datas Dekatrian são escritas da mesma maneira em qualquer língua latina. Não é necessário traduzir. Escrevemos “12 Lunan” em inglês, francês e português. Todos os meses terminam com “an”, um sulfixo muito fácil de ser falado pela maioria das línguas. E se quiser escrever as datas de maneira abreviada, basta usar a barra invertida: 12 \ 11 \ 2017 (12 Lunan 2017) – um jeito simples, distinto e intuitivo.

Para começar a usar o Dekatrian incorpore ele na sua agenda. Se você usa uma agenda online (como a do google, ou da apple), basta adicionar esse link (abra o link e clique no + no canto inferior direito, ou insira esse link no seu programa de agenda preferido). Entre também na comunidade no Facebook e lá você pode obter mais informações, e baixar o calendário do ano atual – embora a estrutura do Dekatrian seja tão simples que você pode abrir mão dele completamente. Por exemplo, em 2017, todo dia 1 de todos os meses Dekatrian são uma segunda-feira. E todos os dias 2 são uma terça. Assim por diante. Depois de um pouco você já decorou todos e fica tão fácil usar que você nem percebe. O trabalho maior é converter para datas Gregorians, mas a culpa disso é da régua torta, não da régua certa, não é mesmo? Para converter você pode usar a agenda, o calendário em imagem, ou, em breve, vou colocar no ar um site com um conversor de datas (e um app, por que não?).

Fica aqui meu manifesto para que possamos melhorar nossas vidas e nossa relação com o tempo, relação essa que já ficou “tempo” demais relegada aos caprichos e incoerências do passado.

11 Kaosian 2017 – Pena

dekatrian.com

  • Mazinho Menezes

    E o ano bissexto tem dois Achronian?

    • Nanaka

      Sim, porém não é O ano bissexto que tem 2 dias fora do tempo, os dias fora do tempo acontecem ENTRE o ano anterior e o “bissexto”. Pois o ano continua um ano como os outros. :)
      Ex: 2015 terminou em 28 Nixian, como todos os anos. Seguiram-se 2 dias foras do tempo, e entao iniciou-se 2016 em 1 Auroran.

      • O nome do segundo dia fora do tempo é Sinchronian.
        Embora o conceito de o dia não faz parte de nenhum ano está correto, para efeitos de não gerar ambiguidade de qual Achronian estamos falando, por padrão associa-se o Achronian antes do início do ano.
        Assim, dia 1 de Janeiro de 2017 seria o Achronian 2017, e se escreve na forma resumida 1 0 2017.
        Em 2016 a gente teve
        1 0 2016 (Achronian 2016)
        2 0 2016 (Sinchronian 2016)
        1 1 2016 (1 Auroran 2016) …

        • Mazinho Menezes

          Grato pela explicação, Pena.
          E quanto a medida dos anos? Acho um tanto fora do senso usar a medida profetizada por uma única vertente religiosa – 2017 anos do nascimento de Cristo, parece até mesmo existir controvérsia quanto o ano exato. Sei que outros calendários são utilizados no mundo mas o gregoriano é muito difundido. E sempre achei fora de sentido contar a marcação de eventos nas civilizações como séculos para trás com o sistema romano (influência da credo católico em não utilizar números arábicos para contar o ano do senhor).
          Talvez usar algo mais representativo da civilização humana em geral, como o Calendário Holoceno. Não tenho reposta pronta para tal questão. Deixo a ligação para um vídeo que mostra esta proposta. https://www.youtube.com/watch?v=czgOWmtGVGs

  • Snb

    Lembro de quando ouvi sobre o Dekatrian no podcast sobre calendários, adotei por um tempo e depois acabei parando. Esse texto me fez readotar o calendário, se eu conseguir arrumar o meu PC antigo, vou fazer um aplicativo para ajudar as pessoas com o sistema!

    So long, and thanks for all the fish!

  • Etienne Santos

    Gostei da ideia, acabar com essa coisa torta. Mas aí fazem criando mais coisa torta.

    Pular o I, faz sentido, afinal não se tem a letra I em nenhum idioma sem ser o português. Muito intuitivo pular uma letra do alfabeto.

    Um dia que não existe nos meses, ou seja, um dia que deve ser contado a parte em todas as contas relacionadas a data. Realmente vai ser fácil calcular datas agora, basta acrescentar 1 dia se for fim de ano, mas pode ser bissexto, acrescenta 2, mas só faz isso se for fim de ano, mas…

    Ano bissexto não faz sentido algum se estamos tentando criar um calendário “correto”. O certo é recalcular o tamanho dos dias, claro que isso exige muito mais que apenas o calendário, pois a própria medida de segundos não serviria mais nesse novo cálculo.

    Usar barra invertida para mostrar data: Essa foi a melhor, não faz diferença nenhuma a barra que se usa, a não ser que você seja um programador, cada data digitada nos campos deverá ser tratada pq senão dá erro no sistema e no banco de dados. Fora que usaram o padrão brasileiro de abreviação (talvez por costume, afinal estamos no Brasil), mas, se não me engano, esta é a forma menos usada no mundo. Para quê facilitar a transição se podemos torna-lá mais difícil?

    Achei a ideia muito interessante, muito interessante mesmo, mas se a ideia é deixar a coisa simples e fácil, acho que precisaríamos de algo mais elaborado, não apenas fazer igual é hoje com separação diferentes.

    Bem, esta é apenas minha visão da coisa.
    Como foi dito no texto, alguém tem que começar a discordar do que temos para existir uma discussão e, no futuro, uma possível mudança.

    • Olá Etienne,

      Obrigado pelos seus comentários.

      Vou tentar responder ponto a ponto suas questões, tá? Mas gostaria de dizer que gastei 3 anos pesquisando calendários e planejando o Dekatrian. Pensei e refleti muito sobre muitos pontos antes de fazer uma escolha. Mas claro que pode haver coisas melhores que eu não pensei, se você puder me ajudar agradeço.

      “Pular o I, faz sentido, afinal não se tem a letra I em nenhum idioma sem ser o português. Muito intuitivo pular uma letra do alfabeto.”

      Não pulei o I, pulei o J.
      I e J são a mesma letra no alfabeto latino. O J era apenas uma forma de usar o I como consoante. Seria complicado manter o J porque muitas línguas não tem esse som, ou não usam o J para representar o mesmo som que a gente usa. Em Dinamarquês, Norueguês e Holandês o J tem o som de I. Em inglês tem o som de Dj. Para manter o caráter universalista do calendário, fez mais sentido retirar o J e seguir de base o alfabeto latino clássico. https://en.wikipedia.org/wiki/Latin_alphabet
      Além disso, terminar o ano no mes Nixian fez muito sentido, pois seria a analogia com a Noite. Auroran é o nascer do Sol, Nixian o pôr do Sol. Se eu adicionasse o J (além de ser difícil compor nomes com J que tivessem significados interessantes), eu teria que abrir mão de fechar o ano em Nixian. O que você acha?

      “Um dia que não existe nos meses, ou seja, um dia que deve ser contado a parte em todas as contas relacionadas a data. Realmente vai ser fácil calcular datas agora, basta acrescentar 1 dia se for fim de ano, mas pode ser bissexto, acrescenta 2, mas só faz isso se for fim de ano, mas…”

      Me diz qual a sua sugestão.
      1 – Adicionar um dia a um dos meses e assim quebrar a estrutura padrão.
      2 – Não adicionar dia nenhum e deixar o ano com 364 dias (o que depois de 180 anos vai fazer as estações estarem todas invertidas)
      3 – Outra:___
      Eu não entendi o que você quis dizer com “calcular datas”. o que seria isso? Não precisa calcular nada. Cada mês tem 28 dias. Os dias do mês caem sempre nos mesmos dias da semana. O que exatamente você quer calcular?

      “Ano bissexto não faz sentido algum se estamos tentando criar um calendário “correto”. O certo é recalcular o tamanho dos dias, claro que isso exige muito mais que apenas o calendário, pois a própria medida de segundos não serviria mais nesse novo cálculo.”

      Você quer que o dia tenha mais de 24 horas, é isso? Ou que o segundo fique um pouco maior, certo? E assim todo dia o sol vai nascer um pouquinho mais cedo até que um dia estamos indo dormir de dia, almoçando de noite, etc. Você acha que esse seria o melhor jeito de fazer um calendário? Modificando o ciclo circadiano?
      Eu acho muito mais simples adicionar um dia a cada 4 anos. Desde que se adicione um dia fora dos meses, não vai atrapalhar em nada o calendário.

      “Usar barra invertida para mostrar data: Essa foi a melhor, não faz diferença nenhuma a barra que se usa, a não ser que você seja um programador, cada data digitada nos campos deverá ser tratada pq senão dá erro no sistema e no banco de dados. Fora que usaram o padrão brasileiro de abreviação (talvez por costume, afinal estamos no Brasil), mas, se não me engano, esta é a forma menos usada no mundo. Para quê facilitar a transição se podemos torna-lá mais difícil?”

      Estou tendo dificuldade de entender seus argumentos. As pessoas expressam as datas gregorianas com a barra para frente /. É assim que o mundo todo faz, é assim que foi convencionado.
      Se eu quiser escrever uma data Dekatrian com a barra para frente as pessoas podem achar que é uma data Gregoriana. Por exemplo 2/3/2017 as pessoas vão achar que é 2 de Março de 2017 e não 2 Coronian 2017. Então, para diferenciar a data Dekatrian, escolhi um método que fosse parecido o suficiente para que as pessoas intuitivamente soubessem usar e que saibam reconhecer como uma data, mas diferente o suficiente para não confundir com a data gregoriana. A barra invertida me pareceu cumprir bem essa função. Assim 2 3 2017 não será confundindo com 2 de Março, será lido corretamente como 2 Coronian. Qual é exatamente o problema desse método? E qual seria a sua sugestão para um melhor?
      Não entendi o problema de programação. É só tratar o texto como deveria ser todo texto inserido pelo usuário. Sanitização de dados é algo muito básico na programação.
      O que você quis dizer como padrão brasileiro de abreviação? Estaria falando da ordem ser Dia / Mes / Ano? É isso? A escolha disso não tem a ver com ser brasileiro, e sim por ser lógico – vai do menor ciclo para o maior. O menor ciclo é o dia, depois o mês e depois o ano.
      Sim, vocês está enganada, a grande maioria dos países usa o formado dia / mes / ano.
      https://en.wikipedia.org/wiki/Date_format_by_country

      “Achei a ideia muito interessante, muito interessante mesmo, mas se a ideia é deixar a coisa simples e fácil, acho que precisaríamos de algo mais elaborado, não apenas fazer igual é hoje com separação diferentes.””

      Sou todo ouvidos às suas sugestões.

      “Bem, esta é apenas minha visão da coisa.”

      Legal, obrigado.

      • Tiago Bastos

        Pena, no caso da barra invertida eu usaria assim: 12K2017 no lugar de colocar o número do mês (já que os meses estão em ordem alfabética)

        • Adorei a ideia. Acho q esse formato pode ser muito útil e intuitivo. Valeu Tiago.
          Fica só a questão para como registrar o Acronian e o Sinchronian. Talvez usando a letra O, que vem depois de Nixian e que lembra um zero rs.

  • Rodrigo Moralles

    Que excelente, muito obrigado Pena!

  • Rodrigo Moralles

    Existe algum texto que explique com mais detalhes os nomes dos meses?

  • Felipe Soares

    Eu estava no cast que o Pena comentou sobre esse calendário, fez muito sentido na época e faz muito sentido agora.

  • Alexandre Hagihara

    Acabou-se a sexta-feira 13. Isso se começar na segunda, pois se começar no domigo, tem todo mês. Ou entendi errado e desloca 1 dia da semana a cada ano?

    • Murilo Wesolowicz

      Hahahahaha. Seria interessante, mas cai no dia 12 e não 13. O mês começa na segunda.

      • pekapa

        Creio que seria melhor se os mêses começassem no domingo. A final, domingo é o primeiro dia da semana e, pela própria lógica dos meses, Segunda representa o segundo dia da semana, Terça o terceiro e assim por diante.

    • Em relação à semana gregoriana, a cada ano existe um deslocamento de 1 dia ou 2 (se for bissexto). Mas em relação à semana dekatriana nunca se desloca. O primeiro dia de qualquer mês sempre cai no primeiro dia da semana.

  • Murilo Wesolowicz

    Acho muito boa a ideia. Mas não concordo com a questão do “J”.
    Acho que os teclados dos computadores são mais universais do que a pronúncia de uma letra. Se adaptar a um fonema (fazemos isso ao aprender uma nova língua) é mais fácil do que usar um teclado sem uma letra.

    Tirar o “J” é muito contraintuitivo. O “J” existe no alfabeto inglês que é nossa atual língua universal. Acho que o inglês deve pautar o calendário e não o latim clássico.

    Excelente projeto, Pena.

  • Alexandre Hagihara

    Pensei em outra coisa agora. E quanto aos dias da semana? Os atuais não fazem muito sentido.

    • Nanaka

      Sim, a idéia é que todo mês dekatrian (e consequentemente todo ano) começe no dia 1 da semana dekatrian. Mas ainda não foram definidos os nomes dos dias dessa semana, nem adotada pois precisamos acostumar pouco a pouco. A semana é uma ‘instituição’ mt mais presente no dia a dia das pessoas hoje e será um pouco de transtorno para alterar, mas iremos :D

      • Nanaka

        e os dias fora do tempo nao terao dia da semana atribuido

  • Rodolfo Dutra

    Nossa, um calendário com 13 meses me traz lembranças. Quando eu tinha uns 14 anos inventei um mundo fantástico onde os meses eram baseados nas fases da lua e por algum motivo fiz uma conta que ficava 28 dias por mês. Agora depois de casado e indo buscar as coisas na casa da minha mãe, encontrei o caderno onde isso está anotado. 15 anos depois essa ideia volta e de uma forma ainda melhor desenvolvida. Por isso ideias não tem donos. Fico feliz. Posso adotar esse calendário na minha antiga/nova estória? Ele serve como uma luva e ainda mais por se tratar de um desenvolvimento brasileiro.

    • Oi Rodolfo. Olha só que coisa mais saudosista.
      Essa escolha do 28 é tão natural que muitos calendários foram criados nessa métrica. O calendário do Dia do Coringa segue essa estrutura, por exemplo. Nenhum deles vingou, por variados motivos. Principalmente porque sua substituição e conversão não era tão simples. Minha tarefa foi tentar definir todos os pontos para fazer um calendário q seja mais simples de usar e fazer a transição. A escolha de alinhar o começo do ano junto com o Gregoriano é um exemplo disso, assim como deixar os meses mais universais e seguindo uma regra.
      Torço para que esse realize sua tarefa de vida.

      • Rodolfo Dutra

        Nossa, muito bom! Não conhecia esse livro. A proposta do calendário do Dia do Coringa é fantástica! E não apenas isso, mais uma vez serve ao projeto que estou desenvolvendo. Essa divisão baseada nas cartas do baralho é fundamental para o projeto. Isso é coincidência demais. Estou bem feliz. Gostaria de conversar mais sobre. Como posso entrar em contato contigo?

  • Murilo Wesolowicz

    Acho muito boa a ideia. Mas não concordo com a questão do “J”.
    Acho que os teclados dos computadores (alfabeto) são mais universais do que a pronúncia de uma letra. Se adaptar a um fonema (fazemos isso ao aprender uma nova língua) é mais fácil do que usar um teclado (alfabeto) sem uma letra.

    Tirar o “J” é muito contraintuitivo. Nem todos pronunciam o “J”, mas ele está no alfabeto e isso basta para que seja mantido, na minha opinião.

    Minha pequena colaboração.

    Excelente projeto, Pena.

    • Oi Murilo, eu tentei bastante usar o J mas achei q trazia mais malefícios q benefícios. Procurei nomes de meses com J que tivessem significados como os demais, mas seu uso é tão restrito na maior parte das línguas que não encontrei algo que me satisfizesse.
      Estudando o alfabeto latino, percebi que o J é uma introdução bem recente, derivado do I, representando o I quando forma consoante.
      Abrir mão do J seria abrir mão de fechar o ano com N, e o mês Nixian (a noite) é uma escolha excelente do ponto de vista conceitual do calendário.
      Alem do J não existir no alfabeto latino clássico, sua pronúncia hoje é muito diversa em variadas línguas, o q não ocorre com as outras letras do calendário. Como a ideia é não traduzir os nomes dos meses, geraria pronúncias muito diversas para o mesmo mês. E não é questão de se adaptar a pronúncia. Qual seria a pronúncia verdadeira? A do português, do inglês, do holandês? E por que? Essa barreira a mais de pronúncia não casa bem com o caráter universalista, simples e prático do calendário. A ideia é o calendário estar acessível para a pessoa mais simples e sem instrução, que não tem q aprender a pronunciar de maneira difícil um nome. Achei q apenas decorar q não tem o J algo mais fácil do q criar uma barreira de pronúncia. E também pude manter o fim do ano em Nixian.
      Foi uma decisão bem difícil, e qualquer escolha iria agradar e desagradar pessoas. Esses dilemas são muito cruéis rs.
      Valeu pelo comentário.

  • Brenno Zanandrea

    Pena, enquanto não tinha nada pra fazer pensei na implicancia do dia a mais no calendário. Os dias da semana não ficariam desincronizados com os nomes(por exemplo, em outras línguas, os dias da semana fazem referencia aos planetas) e as fazes da lua?

  • Lindo, parece new age

  • Maldrax

    Pessoal, criei uma página na wikipedia, muito da vagabunda, porque eu não entendo absolutamente nada de wiki. Por enquanto é apenas para ter uma referência.
    Fiquei na dúvida de como seria a entrada. Calendário decatriano, dekatrian ou dekatrian calendar (em inglês direto)?
    A idéia é ir deixando ela “apropriada” e, posteriormente inserir ligações em todos os outros artigos de calendário, bem como traduções :)
    https://goo.gl/Nt3mD6

    • Eles eliminaram a página. :(

      • Maldrax

        Que bosta… Mais um adepto do calendário torto que não quer sair da zona de conforto que apagou…

        • Valeu pela iniciativa. Vou tentar criar de novo.
          O termo Dekatrian não se traduz. Em português é Calendário Dekatrian, ou apenas Dekatrian.
          Assim como os meses não se traduzem. A ideia é ser um calendário universal, escrito da mesma maneira em todas as línguas de alfabeto latino.

  • Matheus Pereira Furlan

    vou virar presidente, e fazer um decreto q obriga documentos oficiais a usar esse dcalendario, ai, depois, com outro decreto, dar isenção fiscal pra empresas q usarem, e por fim, tornar o calendario oficial do brasil.

  • zerø

    meu aniversário é 3 Lunan! =D

  • Leonardo Miranda Ribeiro

    Achei a ideia genial mas queria contribuir com mais uns pontos para acertar a régua.
    – O primeiro dia do ano deveria ser num equinócio.
    – O primeiro dia da semana, Domingo, assim o nome “segunda”, “terça” etc faz mais sentido.
    – O ano zero poderia ter um marco mais relevante para a humanidade, por exemplo a primeira vez que pisamos em outro astro ou saímos da órbita terrestre.
    Em todo caso vou continuar usando a versão 1.0 do calendário até sair uma atualização.

  • Thiago Bousquet Bandini

    Esperanto dos calendários. O dia que o esperanto se tornar a língua mundial será o dia em que esse calendário vai pegar. Esse exemplo do esperanto mostra que, por mais simples e simétrica que uma ideia com impacto em diferentes culturas possa ser, justo por não trazer peculiaridades, por não ser construída através do caminhar de uma civilização, não fixa identidade. Essa “régua torta e idiota” chegou onde chegou após passar por algumas descobertas científicas e por vários marcos da civilização alguns nobres, outros nem tanto, mas ainda assim marcos. Não quer adotá-la? Sem problemas, existem diversos outros calendários, como o chinês por exemplo. Agora, desmerecê-la, é no mínimo desrespeitoso.

%d blogueiros gostam disto: