Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

#SciCastNoPint #198: Teoria do Caos

por em ter 30America/Sao_Paulo maio 30America/Sao_Paulo 2017 em Destaque, Scicast | 45 comentários

#SciCastNoPint #198: Teoria do Caos

E em nossa participação no #PintOfScience2017, abordamos a Teoria do Caos! Falamos sobre as origens dos conceitos; as dinâmicas deterministas, porém imprevisíveis do universo; como o “Efeito Borboleta” é visto no nosso dia-a-dia; e qual a relação entre Ashton Kutcher, a versão alemã e feminina do Tom Cruise e fractais.


Arte da Capa:


Publicidade:


Redes Sociais:


Expediente:

Host: Fernando MaltaEquipe de Pauta: Pena, Nanaka e Jujuba


Informações Adicionais:

Apresentação usada no dia do evento

  • César Moreira

    Aaah… cadê os links dos pêndulos e da juju sambando ?

  • Caiado

    Olá pessoas que “Não são parentes”, “Wala-Walas”, “Beterrabas” e “Poetas Grandões”!!!!!
    Olha o Caiado aqui de volta!
    Primeiramente peço desculpas pela minha ausência da net…. Mas os tenho acompanhado neste período de ausência em uma lan-house, para me manter atualizado, afinal mal posso esperar se no Scicast “200”
    Será se: O Silmar voltará, se o Pena vai falar da historia do guardanapo(já que conheço a do pinguim) ou se teremos o episodio prometido de relatividade em 2016! Esse cast do “Shorendiguer”(desculpa a escrita incorreta) será excelente ou nao?! Hein hein hein…kkk
    Bom esse Cast da teoria do Caos entrou na minha lista de prediletos. E claro não teria como associar a explicação do Pena para o bater das asas da Borboleta para com a banda Leningrado como no clip abaixo https://youtu.be/ktiONWfSL48?list=PL749BC57D9DE427CA Veja ai Pena e comente., kkkk
    Peço licença que vou ouvi novamente para tentar aprender mais, assim como foi nos Física Quântica 1 e 2 e os orbitais do elétron…kkkk
    Um grande abraço a todos do Caiado aqui.
    Ahhh Sobre esse evento que participarão, me fez pensar algo bacana sobre vocês, que até outro dia eram amantes da ciência e hoje já praticamente palestrantes!
    Sucesso hoje e sempre!

    • Que clipe fodaaaaaa! Que coisa linda, meu Sagan.
      Estou aplaudindo de pé aqui. Obrigado pelo link. Tem tudo a ver com o efeito borboleta.
      E um dia eu ainda conto a minha versão do caderninho.
      abração ;)

  • Eric Souza

    Eu não vou conseguir com palavras expressar essa… coisa. Vocês embaralharam minhas ideias. Agora existe uma gama de possiblidades que não sei como gerenciar. Todo o pseudo controle que pensei que tinha, se calou.
    Confusão mental, não consigo lidar com isso. Estou questionando as coisas como nunca antes. Todas essas influências, conexões, disrupturas estão se relacionando de um jeito… é difícil. Parecia uma bagunça, agora essas simples relações tem pesos malucos e… cada palavra se perde, agora que ví uma nova face da moeda – me apaixonei.
    Tudo parece mais complicado, e ao mesmo tempo tão… eu não sei dizer.

  • André Miola Bueno

    #riplinksnopost

    • Fernando Pereira

      Hashtag para os links de download também.

    • Fernando Malta

      A apresentação tá no post!

  • Fabrizio Guzzon

    Salve galera,
    Foi bem interessante ouvir o podcast sobre a teoria do caos, mas o fato de estar presente na Cervejaria Nacional durante a gravação do programa ajuda muito no entendimento, por conta de todo o ferramental utilizado para suportar a palestra.

    E para aqueles que não estavam presentes, alem do recurso de áudio, tivemos o recurso visual com videos e imagens e o uso muito bem inserido do recurso performático, onde Fencas, Nanaka e Jujuba emularam poeticamente a dança dos planetas em meio ao salão da Cervejaria Nacional.

    Um grande abraço a todos e espero encontra-los em eventos futuros novamente.

    Guzzon

  • A especulação financeira da JBS gerou o caos! Já pensou?

  • André Miola Bueno

    “Existe uma teoria que diz que, se um dia alguém descobrir exatamente para que serve o Universo e por que ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e será substituído por algo ainda mais estranho e inexplicável. Existe uma segunda teoria que diz que isso já aconteceu.”

    Douglas Adams, sobre a Teoria do Caos

    • Naelton Araujo

      Tive que compartilhar… citação perfeita … Douglas Adams era o cara… valeu André

  • Luiza Gomes

    Aaa queria muito poder ver o slide que vocês estavam passando :/ podcast sensacional <3

    • Fernando Malta

      Os slides estão no post. :-)

      • Luiza Gomes

        Muito lerda eu, só vi depois que comentei kkkk mas obrigada!

  • Rodrigo Braga

    Quem sabe faz ao vivo!!!!
    Uma pena (trocadilho com o Pena não intencional) que eu tive que dar aula bem nesse dia e não pude ir :-(
    Esperando que haja mais encontros como esse em SP o/
    Abraços a toda equipe!

  • Silvana Oliveira E Silva

    Pessoal, muito legal ver vocês se aventurando numa experiência ao vivo, principalmente num tema tão complexo quanto a Teoria do Caos.
    Somente uma observação: vocês associaram o pensamento newtoniano antideterminista à cosmovisão do Século XVIII, dirigida e ligada à religião e aos dogmas bíblicos. Essa afirmação não é totalmente errada, pois realmente Newton e o povo de seu tempo viam o livre arbítrio (de um modo um tanto diferente do contemporâneo), mas a cosmovisão baseada na Bíblia está muito longe de se basear em livre arbítrio, como vocês afirmaram. As páginas bíblicas estão recheadas de histórias de pessoas que não tiveram escolhas – a encher as mãos de exemplos. Profetas, reis, apóstolos, recebem incumbências sob a égide de separação para uma missão – sem escolha. Além disso temos páginas dogmáticas que discutem o assunto de forma bem complicada para que tal afirmativa se mantenha de pé sem que se falte com a verdade. Inclusive a Teologia Calvinista era fervente na Europa da época. Claro que longe de ser dicotômica entre determinismo (Maktub) e livre arbítrio, a Bíblia é mais complexa que isso.
    Eu, que já maratonei todos os episódios e não perco um que vocês publicam sobre qualquer coisa, me preocupo às vezes com algumas afirmações que tentam colocar religião e ciência em oposição. Sei que não há um coração mau por trás desses percalços, mas sugiro ao grupo um certo cuidado, porque quase sempre isso me gera ruído aos ouvidos, com afirmações bem tortuosas. Minha sugestão é a tentativa de estudo imparcial, principalmente quando as afirmativas forem planejadas em pauta.
    Enfim, espero ter contribuído, e que vocês continuem fazendo divulgação científica de qualidade.

    • Fernando Malta

      Olá, Silvana.
      Agradeço o comentário e o apontamento da imprecisão. De fato careceu de maior aprofundamento; foi um comentário que, a hora, julguei oportuno, o que é atenuado pelo fato de ter sido feito ao vivo com audiência, sem a possibilidade de revisão posterior. O que não justifica, apesar de explicar.
      Contudo, o mesmo tipo de cuidado que você nos pede para quando formos falar de religião nos episódios peço a você e a outros que tecem comentários similares ao que fez. Não somos simplistas, nem parciais, muito menos dogmáticos quando falamos sobre isso. Mesmo no exemplo que apontou, ainda que não seja 100% preciso, está longe de ser um levantar de dicotomia entre religião e ciência, mas, sim, uma oposição de dois tipos de pensamentos, independentemente de seu cunho religioso. De fato, por vezes, em muitos episódios, a oposição entre ciência e religião é abordada simplesmente porque boa parte da história se assentou sobre a mesma. E, infelizmente, ela continua endêmica em nosso tempo. Mas, nesse caso, tenha certeza que foi longe de ser a intenção.
      Um abraço!

    • Oi Silvana,
      Concordo contigo que a questão sobre livre arbítrio e destino do ponto de vista cristão é mais complexa do que foi abordado, e eu bem sei o quanto a bíblia não é um documento coerente e homogêneo, mas fruto de muitos autores e apresenta contradições internas. A exegese bíblica variou muito com o tempo, modelada pelas doutrinas religiosas em vigor em cada época. Porém, no meu entender, o livre-arbítrio é um pilar do cristianismo, sem o qual qualquer ideia de julgamento no pós vida perde completamente o sentido, e essa ideia de que Deus permite o bom e o mal caminho e o homem pode escolher me parece bem estruturada, como em Deuteronômio 30:19 “Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam, e para que vocês amem o Senhor, o seu Deus, ouçam a sua voz e se apeguem firmemente a ele.” ou em Josué 24:15 “Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha família serviremos ao Senhor” ou em Romanos 2:6-11 “Deus ‘retribuirá a cada um conforme o seu procedimento’. Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade. Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas, que rejeitam a verdade e seguem a injustiça.”.
      A própria cosmogonia bíblica baseada no mito de Adão e Eva, quando o humano escolhe comer da árvore do conhecimento a despeito do aviso de Deus me parece corroborar para toda a construção bíblica sobre a livre escolha, que culmina em última instancia num julgamento. Um julgamento que só pode proceder a uma liberdade de decisão.
      Não quero aqui ficar jogando citações como forma de provar um ponto, visto que concordo já de início com o caráter plural e contraditório que a bíblia apresenta. Mas levanto, como um exercício mental, se for arguido a algum cristão devoto ou a um membro clerical sobre se o ser humano tem ou não livre arbítrio, aposto um bom dinheiro que irão responder que sim.
      Dito isso, chego no meu ponto final, e talvez mais importante. Não cabe a todo momento levantar tantas ressalvas e fazer adendos complexos quanto poderiam pedir certos temas envolvidos, quando no meio de uma outra discussão, pois tal epiciclo prejudicaria o próprio cerne do argumento principal. Em outras palavras, existem espaços para se aprofundar em certos temas, mas nem sempre é possível, com o risco de desviar ou complexificar o tema principal.
      É como se no meio de uma discussão sobre o efeito quântico sobre o gato de Schrodinger alguém iniciasse uma ressalva sobre como é possível saber o que é vida do ponto de vista filosófico. É obvio que a questão sobre o que é vida é muito complexa e necessita um espaço filosófico para discussão, mas para a questão quântica no gato de Schrodinger, todos partem do pressuposto que sabem dizer se um gato está vivo ou morto.
      Da mesma forma, no meio de uma exposição sobre a teoria do caos e as implicações de livre-arbítrio e destino, entrar na discussão detalhada da visão do livre-arbítrio e destino dentro da bíblia me parece prejudicar o cerne principal, e em análise simples, considero (e acho que os representantes cristãos também) que de maneira geral o consenso cristão é de que o ser humano pode escolher o caminho certo ou errado e será eventualmente julgado sobre isso, não?
      grande abraço

  • Bruno Fernandes

    This SciCast is filmed in front of a live studio audience

  • Luciana Abreu

    Só não consegui entender como vcs amantes da ciência não citam o oposto de Caos, Cosmos . . .só seria uma citação até bem pertinente em homenagem ao Seagan . .

  • Vinicius Roggério da Rocha

    Parabéns pela apresentação de Teoria do Caos! A respeito de formas para se exitar o caos, antes da questão do ser humano formar uma raça interplanetária, gostaria de aproveitar o gancho que alguém (acho que foi a nanaka) falou sobre as pessoas se conscientizarem e emendo sobre a conscientização do ser humano como parte de um coletivo. A ciência só evoluiu através do trabalho de várias gerações de cientistas e de não-cientista (os trabalhadores que conduz o cientista para o trabalho, que construíram sua casa, etc), ou seja, o trabalho coletivo da humanidade. Desse modo, quanto mais as pessoas perceberem que contribuir para o todo é mais vantajoso do que somente pensar em si mesmo, mais longe ficamos de pequenas influências individuais afetarem o todo (o cenário da humanidade ficaria mais restrito ao atrator caótico).

    • O problema é que a sociedade livre está sob as regras da Teoria do Jogos, que em condições normais favorece as decisões egoístas e de curto resultado. É preciso todos resolvam cooperar para q o bem coletivo seja alcançado. Um único que desvia compromete o bem de todos, mas acaba tendo uma vantagem grande apenas para si no curto prazo.
      Se for para esperar que as pessoas parem de jogar a Teoria dos Jogos, acho mais rápido antes colonizarmos Marte
      ;)
      Valeu pelo comentário.

  • Alexandre Hagihara

    A lição mais importante de tudo isso: o sambar da Jujuba é um exemplo mais representativo de algo caótico, que nunca se repete.

  • Naelton Araujo

    Dicas de referências legais que tem muito a ver com o tema, principalmente no efeito Borboleta: http://www.riesemberg.com/2006/10/um-som-de-trovo-ray-bradbury.html

  • Arthur Lage de oliveira

    Sera que o grande filtro do Paradoxo de Fermi é o caus que se encaminha enquanto o mundo se globaliza ?

    Ótimo programa e bela explicação para o ditado :
    “-Não bote todos os humanos no mesmo planeta .”

    Vovô falava algo parecido , mas já mas esqueci .

    Abraços .

    • A hipótese de que uma civilização dificilmente poderia durar tempo suficiente sem se auto-destruir é umas das boas candidatas para grande filtro sim.
      Adorei o ditado. Eu conhecia esse com ovos de páscoa rs.

  • Alexandre Hagihara

    Acho que a solução ao caos vai vir da outra teoria moderna, a teoria dos jogos. Vai acontecer a cooperação por falta de outra opção melhor para a perpetuação própria.

  • Pedro Giupponi

    Excelente podcast e muito polêmico também kkk
    Achei muito esclarecedor a explicação sobre a teoria do caos e na minha opinião, conforme foi questionado por uma pessoa da platéia, o efeito borboleta do filme também se enquadra na teoria, pois o protagonista de certa forma muda todo o universo em que ele vive, inclusive a vida de outras pessoas e eventos também são afetados. Claro que, conforme a jujuba falou, é uma comparação em diferentes escalas e o seu exemplo está muito mais próximo do pensamento proposto.

    Parabéns pelo sucesso e sou muito grato pelos conhecimentos compartilhados

  • Fernando Pereira

    Como eu queria estar lá para gritar “Uhuuuuul, Scicast!” Que palestra/programa sensacional!!!
    O slide foi disponibilizado em algum lugar? Queria acompanhá-lo enquanto ouço.

  • Darley Santos

    Aleatoriedade então é só o nome para a imprevisibilidade da interação entre elementos já dados ou determinados a partir das condições iniciais? Apesar do filme Efeito Borboleta não traduzir perfeitamente a questão, o material Extra do filme em sua forma DVD ou Blueray contém explicações de especialistas mesmo… Quando falaram sobre a visão avessa dos cristãos de forma geral, tanto católicos quanto protestantes, à ideia de determinismo, lembrei rapidamente de Calvino e sua teoria da pre-destinação, o que rende boas discussões até hoje… Queria ver a Jujuba sambando e causando o caos, eita!

    • No caso da quântica, como mencionado, não parece existir uma regra subjacente, nos aparenta ser um efeito puramente probabilístico.
      As idéias de Calvino dialogam muito com essa dualidade predestinação e livre-arbítrio, mas seria entrar numa grande discussão que não caberia naquela palestra. De maneira geral, acho que é consenso entre os cristãos a existência do livre-arbítrio, ao menos como forma de escolher o caminho correto ou errado, e poder ser julgado no pós vida por isso.

  • Caê Almeida

    Caras conheci recentemente o podcast de vcs e ta me ajudando MUITO a preencher diversos gaps no meu parco conhecimento desse pálido pontinho azul q chamamos de lar. Muito obrigado!

    Agora uma duvida: o buscador de vcs só busca os títulos ne. N teria como ter algum tipo de sistema de tags, como História ou Física, ou, sei lá, Ásia ou algo do tipo? São muitos e muitos podcasts de forma q muito do q ja fizeram fica meio perdido la atrás…

  • Na luta para colocar em dia. Que episódio. Posso dizer que com certeza foi um dos melhores eps de todos, e ao vivo ainda por cima :-o
    Parabéns.
    Para a questão final sobre o que fazer nessa bagunça caótica que já é o nosso querido planeta, para continuar em citações ao Douglas Adams, a minha resposta está logo no início do Primeiro livro, não é fácil mas, não importa o que aconteça “seja legal com os outros”

  • PauloAlbq

    Olá a todos!

    Adorei o episódio, incrível!
    Após terminar o cast, me deu uma vontade danada de reassistir um filme de 2012, que pensei que seria citado no cast mas acabou não aparecendo. O nome do filme é Mr. Nobody, e ele é de 2009.
    Não vou comentar a sinopse, somente uma passagem que lembro do filme (talvez os lugares que cito não estejam 100% corretos, mas a ideia está):

    – Um cara perde o emprego no Brasil. Por conta disso, ele deixa de comprar uma calça em um loja. Pelo fato da demanda pela calça ter diminuído, um operário na China perde seu emprego. Ao estar em casa ao invés de estar no trabalho, este chinês decide cozinhar um ovo para comer. O ovo é cozido na água, e durante o cozimento parte da água da chaleira evapora. O vapor sobe, sobe, se condensa e vira um pingo de chuva, que pela ação dos ventos vai parar nos Estados Unidos. Na hora que este pingo cai, ele vai diretamente em um papel na mão do personagem principal (chamado Nemo). Neste papel, estava escrito o telefone de uma menina que ele conheceu e poderia ser o futuro amor da vida dele. Por conta de ter perdido o número dela, nunca mais a encontrou.

    Isso é muito doido, e deve ser por isso que é tão fascinante. :)

    Abraços e beijos no coração de todos,
    Paulo Henrique

  • Fiquei em dúvida se, afinal, a existência do caos refuta a ideia de que o mundo é regido pelo determinismo, ou se no fundo a teoria do caos é uma espécie de artifício matemático para lidar com sistemas muito complexos para identificar cada variável envolvida.

    • Fernando Malta

      Pelo que entendi, Felipe, ele não chega a refutar o determinismo num senso filosófico, só diz que o número de variáveis e causa-consequência é tão absurdo que ainda que a realidade seja determinista é simplesmente impossível a nós deteminá-la.

      • Entendi. Abordar um sistema usando essa ideia de caos seria uma espécie de artifício teórico e instrumental pra facilitar o trabalho, não uma negação absoluta do princípio do determinismo em termos de como a realidade funcionaria.

        • Fernando Malta

          Exatamente o que queria dizer com a ideia mais bem construída. ;-)

  • Naelton Araujo
%d blogueiros gostam disto: