Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Scicast #60: Deriva Continental

por em sex 19America/Sao_Paulo dez 19America/Sao_Paulo 2014 em Destaque, Scicast | 34 comentários

Scicast #60: Deriva Continental

Recorte seus mapas-múndi, aprenda uma nova função para a estrela, pegue seu remo e ajude a levar o Brasil para o primeiro mundo! Nem que seja 1 cm por ano…

A Deriva Continental afirma que um dia todos os continentes formavam apenas uma única massa de terra firme, chamada de Pangeia (bons tempos em que podíamos ir para a Europa a pé), esse supercontinente, graças ao movimento das Placas Tectônicas, fragmentou-se várias vezes até proporcionar a atual forma das massas terrestres.

Nessa semana vamos falar dessa força capaz de mudar o relevo e a disposição das massas terrestres. Uma força que faz muitos tremerem! Das primeiras suspeitas até a confirmação de sua existência na segunda guerra (exceto se você for russo). Conheça o nome de suas filhas gêmeas Laurásia e a Gondwana, tente remar uma ilha e descubra se podemos, ou não, trocar o HUEHUE por um terremoto.

Com o Convidado especialista em pedras (eu sei) Juliano Yamada vamos descobrir o que move o mundo! (Spoiler: envolve um quebra cabeças e um ovo cozido).

 

btn_donateCC_LG
120x53-doar-laranja

Agora você pode ajudar a financiar o SciCast

Produção e Coordenação: Silmar Geremia. Equipe de Pauta:Estrela Steinkirch e @marceloguaxinim" href="http://www.twitter.com/marceloguaxinim" target="_blank">Marcelo Guaxinim. Revisor: @morenobryan" href="http://www.twitter.com/morenobryan" target="_blank">Bryan Moreno. Apresentação: Jorge Flávio Costa e @RonaldoGogoni" href="http://www.twtter.com/RonaldoGogoni" target="_blank">Ronaldo Gogoni. Engenharia de Som: Silmar Geremia e Jorge Flávio Costa. Edição: Daniel Capua. Sonorização e Mixagem: Silmar Geremia. Convidado Especial: @yamadactbageo" href="http://www.twitter.com/yamadactbageo" target="_blank">Juliano Yamada. Foto da Vitrine: Pablo Rigamonti.

Diretoria:

 

Comentado no episódio:

 

Filmes:

  • Pacific Rim (2013): Quando legiões de criaturas monstruosas, conhecidas como Kaiju, começaram a emergir do mar, na região do Círculo de Fogo, entre placas tectônicas, uma guerra que tomaria milhões de vidas e consumiria os recursos da Terra teve início. Para combater os gigantes Kaiju, um tipo especial de arma foi criado: robôs enormes, chamados Jaegers, controlados simultaneamente por dois pilotos cujas mentes se conectam por uma ponte neural.
    NATGEO – Jornada Geológica: O Anel de Fogo do Pacífico (dublado): O Anel de fogo do Pacífico é uma área onde há um grande número de terremotos e uma forte atividade vulcânica, localizado na bacia do Oceano Pacífico. O Anel de Fogo do Pacífico tem a forma de ferradura, com 40.000 km de extensão e está associado com uma série quase contínua de trincheiras oceânicas, arcos vulcânicos, e cinturões de vulcões e/ou movimentos de placas tectônicas. O Anel de Fogo do Pacífico tem cerca de 452 vulcões, são os tipos de vulcões mais destruidores chamados de vulcões “assassinos” e é o lar de mais de 75% dos vulcões ativos e latentes do mundo.
  • A Era do Gelo 4 (Ice Age: Continental Drift, 2012): Sempre em busca de sua cobiçada noz, o esquilo Scrat provoca, sem querer, a separação dos continentes. A situação provoca mudanças no terreno de vários locais, entre eles onde os amigos Manny (Ray Romano/Diego Vilela), Diego (Denis Leary/Márcio Garcia) e Siid (John Leguizamo/Tadeu Mello) estão alojados. Um terremoto faz com que o trio fique preso em um iceberg, enquanto que Ellie (Queen Latifah/Carla Pompílio) e a pequena Amora (Keke Palmer/Bruna Laynes) permanecem no continente. Em alto mar, Manny promete que irá encontrá-las a qualquer custo, mas para tanto precisará enfrentar perigosos piratas e o canto das sereias.
  • NATGEO – Jornada Geologica: Zona de Colisão (dublado): A terra existente sobre a placa indo-australiana contém a paisagem mais perigosa do mundo. De terremotos e tsunamis a erupções vulcânicas, este local tem de tudo. O geólogo Nick Eyles começa sua jornada pelo Himalaia, onde investiga como a colisão entre a Ásia e a Índia deu origem às maiores montanhas do mundo.

Games:

  • Motorstorm Apocalypse: Evolution Studios e Sony (2011) Para PlayStation 3 o quarto jogo da franquia de corridas off-road é ambientado nas ruas de uma grande cidade devastada por um terremoto. Enquanto os “MotorStorm” anteriores tinham como cenário os cânions do Monumental Valley, uma ilha selvagem e até o Ártico, o quarto jogo se passa em uma cidade inspirada nas metrópoles da Califórnia, chamada apenas de “The City”. Um detalhe que tornará as corridas mais interessantes é que os tremores que destruíram a cidade continuam a acontecer durante o jogo, com pontes e prédios caindo em meio às corridas e buracos se abrindo no chão, por exemplo. O sistema de dano ao cenário é persistente, ou seja, em uma segunda corrida na mesma pista, as mudanças que ocorreram na prova anterior ainda estarão lá.
    I Am Alive: I Am Alive é um jogo de vídeo-game estilo Survival-Horror desenvolvido pela Ubisoft Shanghai e publicado Ubisoft para lançamento na PlayStation Network e na Xbox Live Arcade. Um ano após “o Evento”, um cataclisma mundial que dizimou quase toda a civilização humana (em especial VÁRIOS terremotos que destruíram as cidades), um homem luta pela sobrevivência numa cidade desolada, enquanto ele tenta se reunir com sua esposa e filha há muito tempo perdidas. (distribuição apenas digital – PSN – XBox – PC)
  • Earthquake Simulator – Jogo para jogar via navegador, você escolhe o tipo de solo, o tipo de prevenção que foi tomada pelo edifício e a magnitude do terremoto, ai clica em começar e ve o estrago no prédio, jogo bem simples, mas que vale uma jogada ou duas.

Livros:

  • A Era do Gelo 4: Apresentando Deriva Continental: Um livro sobre a franquia e que usa realidade aumentada. Basta exibir os cartões-gatilho para a webcam do seu computador para dar início às experiências de Realidade Aumentada com os personagens de A Era do Gelo.
  • Cícero Verneck

    Não tem os links de como vai ficar a terra daqui a x milhões de anos que fala 1:22:50

  • Sagan de Gêmeos

    Puuuutz, muito bom o tema… Baixando!!!

    Deixo vocês com essa pérola, que conversa diretamente com o tema:

    http://youtu.be/SVbnKONwVBA

  • Lucas Balaminut

    Ficou muito legal seguir os exemplos com o Google Earth!

  • vinicardoso00

    Não sei se foram essas mesmas imagens que eles estavam comentando no episódio, mas nesse link são mostradas as posições das placas em 50+ 150+ e 250+ milhões de
    anos. http://www.darkroastedblend.com/2010/03/future-plate-tectonics.html

  • Flavio Henrique

    Ótimo cast como sempre, aprendi mais algumas coisas que não encinam na escola e ri de doer a barriga, se um dia for pai eu de certo farei meus filhos ouvirem o scicast como parte do seu aprendizado acadêmico.

    Nesse ano não deu para ser patrão do cast mas ano que vem pretendo fazer minhas doações pequenas mas de bom grado pra mantar o servidor.

  • Ótimo episódio pessoal, como sempre. Não tinha noção do impacto desse tema no planeta. Até então, acreditava que tudo ficaria como está, mesmo com o movimento das placas.
    Muito bom!

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

  • Já que vocês tocaram no assunto nome do podcast, e, no meio do episódio, mencionaram zoeira , poderiam mudar o nome de scicast para huehuehuescicastbrbr tem muito a ver com vocês, que representam bem como ciência é tratada no Brasil, um falando sério e o restante escrotizando e desviando o assunto, com muito huehue no meio, porque, afinal, o que realmente importa é a zoeira, parabéns ao editor.
    São quase um Pauta Livre News da ciência, com a diferença que o PNL é mais engraçado, melhor editado e tem menos huehuehuebrbr.

    • DroidX

      Olha… Deu pra sentir o cheiro do recalque daqui…

      • Mas claro que é recalque, logo logo o huehuehue Scicast br irá superar o Nerdcast como melhor, e mais famoso, podcast do Brasil,
        Jovem Nerd e Azaghal virão pedir pra participar e pegar um pouco dessa magia, Jurandir Filho deve ouvir os episódios daqui só pra pegar os macetes de edição.
        Melhor nem citar os Dragões de Garagem e Fronteiras da Ciência, que esses não tem conteúdo pra concorrer com o magnifico huehuehue Scicast br.
        Como alguém poderia suspeitar do contrário?
        Desculpa aí pelo recalque, mas sabe como é, quando algo é bom demais desperta a inveja dos incapazes, afinal a ciência só pode ser divertida se tiver huezisse.

        • Caramba, de onde veio isso?

          Cara, na boa, acho que você caiu de para-quedas e não entendeu a proposta. Paciência, não dá pra agradar a todos.

          Outra coisa, se você tem a necessidade de comparar o nosso trabalho com podcasts respeitados e perenes (todos eles fonte de inspiração e admiração para nós), para diminuir aquilo que fazemos aqui, tem algo muito errado com a sua percepção de como as coisas funcionam.

          Você podia nos mostrar a SUA monstruosa e longeva produção de conteúdo para a internet. Alguém tão especial quanto você deve ter milhares de podcasts, videos e textos publicamos, todos sabiamente reconhecidos pelos seus pares como o melhor do conteúdo on-line, certo?

          Desculpe se o nosso sucesso e exposição te ofende.

          • Entendi seu raciocínio, então para criticar vinho um enólogo tem que produzir vinhos, críticos de cinema tem que ter pelo menos uma obra prima no curriculo
            e eu tenho que produzir podcasts e conteúdo para internet para dizer o que penso sobre a produção de vocês.
            Cara, ser huehue não é crime, tá cheio de gente assim por aí, fica sussa, e só comparei vocês aos melhores porque acho que é isso que vocês merecem,
            mas posso escolher uns bem ruinzinhos por aí, se te agradar.

          • Te faria bem entender o processo de produção de qualquer coisa antes de sair por ai cagando regra.

          • Então me dê a chance de entender, de minha parte terei boa vontade, pois minha impressão na muda, principalmente com os memes fofos que acompanham as respostas dos colegas nos comentários, típica ação hue.
            Achei que vocês iriam gostar da comparação, mas está virando um flame aqui, portanto parei, se vocês não se consideram hue, então não são, eu é que tive a impressão errada, ou os elogios dos amigos dizem o contrário.
            Claro que o sucesso de vocês não ofende ninguém, vivam longamente e prosperem.

          • IZhaq06

            cara tem muito diferente é escrever algo de forma “Hirônica” ou mesmo literal,
            segundo voce mesmo foi desde o início Zoeira ( HUE http://desciclopedia.org/wiki/Huehuehue ) mas voce não muda a sua forma de escrever, como saber o que voce ta dizendo?

            aqui estamos limitados as palavras, não tem expressão corporal ou mesmo intonação como na vida real.

            tente ler o que escrever e tentar ver HUE ali?

            vamos dizer que a gente ache.. o que difere o HUE e antes o que voce ta dizendo agora?
            ta tudo da mesma forma..

            tem uma frase que pode resumir tudo que eu disse:

            “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferente.” Albert Einstein.

          • IZhaq06

            Não dê monição para quem joga parte de si em outrem.

        • Prof. Barbado

          Acho que alguém está muito estressado e está descontando toda a raiva contida nesse coraçãozinho no lugar errado hahahahahh

          • Nem, tô super de boa.
            E de qualquer forma estou falando o que realmente penso, sem rancor ou recalque como sugeriram.
            Não vou parar de ouvir o cast por conta da crítica que fiz, mas é algo que já penso há muito tempo, só aproveitei este episódio para registrar nos comentários,

          • IZhaq06

            tem coisas que não mudam:

            http://goo.gl/IpRMKJ

          • IZhaq06, Isso é um fato
            Ou como diria o Tchan, pau que nasce torto nunca se endireita

        • Lucas Balaminut

          Caro Ivan, vou tentar tratar sua crítica com respeito e mostrar o porque discordo dela. :D

          Muitos de nós, incluindo eu, tivemos aulas de ciência na escola que foram extremamente desinteressantes.

          As vezes, foi culpa do professor que não sabia relacionar a matéria ao aluno, ou não sabia tratá-la de um modo que despertasse curiosidade.
          No meu caso, ambos foram verdades, ciência era decoreba, formulinha, e eu não entendia nada doque estava acontecendo alí.

          As vezes é culpa do aluno que tem preconceitos ou não quer demonstrar interesse pois não quer parecer nerd perante os outros alunos também preconceituosos.
          No meu caso, ambos foram verdades, novamente.

          Logo, o SciCast encarou como missão divulgar ciência de maneira divertida, acreditando que, dessa maneira, os preconceitos possam ser derrubados.
          Se a ciência for divertida, for relacionada a realidade do ouvinte, for interessante, ou despertar curiosidade, o ouvinte vai buscar por mais conhecimento.
          Em um mundo utópico para o SciCast, as pessoas discutem ciência no seu dia à dia, de forma descontraída e corriqueira, espalhando cultura científica.

          Acredito que o SciCast não tenta ser o dono da verdade, nem ser ultra especialista em um assunto; porém, ele tenta ter um conteúdo um pouco mais aprofundado e trazer especialistas. Independente do conteúdo ou do tema, ele tem que ser divertido.

          Talvez você goste de um humor mais rebuscado, mais trabalhado, e disgostou do humor do SciCast.
          Mas saiba que humor rebuscado é mais trabalhoso, e muito difícil de fazer ao vivo. O trabalho de pauta deles já é desgastoso, acredito que se programassem piadas inteligentes, não ficaria natural. A naturalidade com que tratam o bate papo do SciCast é importantíssimo pra que ele se enquadre no estilo descontraído e corriqueiro, e os ouvintes possam assimilar ciência ao seu escopo de interesse.

          Oque você encara como zueira, eu encaro como humor honesto, prático, simples, mas de coração.
          A zueira tende a ser prejudicial à aqueles que gostam do assunto. Talvez você já tenha curiosidade, vontade de pesquisar e ir a fundo nos assuntos, e por isso acha que as partes cômicas, que contrabalanceiam a seriedade do episódio, são negativas. Neste caso, eu discordo de você. Acredito que a comédia dos participantes nivelam o tom da conversa e atraem o leigo, que passa a encarar ciência de uma maneira diferente.

          De forma bem simplista, eu acho desnecessário e prejudicial qualquer tipo de taboo; portanto, colocar a ciência em um pedestal não pode ser benéfico.
          A ciência é de todos, para todos. Graças a esse preconceito cultural e indisposição social para com a mesma, fazê-la um assunto rebuscado e sério de mais vai manter os indispostos e preconceituosos afastados.

          Recomendo alguns SciCasts que foram trabalhados de maneira mais séria, com menos espaço pra zueira, devido ao estilo de conversa do convidado e/ou a dificuldade de entender o assunto, ou pela gravidade da própria natureza do tema:

          #03-04 – AIDS
          #39 – Vírus Ebola
          #41 – Terapias Genéticas
          #43 – Forças da Física
          #55 – Império Persa
          #57 – Luz

          Por final, gostaria de entender qual o tipo de humor que gostaria ver no SciCast, ou se gostaria de um podcast mais direto e com menos piadas em geral.

          Obrigado.

    • Tarik Fernandes

      Sério, você realmente não entendeu a proposta do Scicast.

      • Huehuecast
        se o editor tirar os hue diminui uns 10% de duração no episódio, mas como disse tô sussa, apenas registrando a forma como percebo o podcast.
        Sem ressentimentos.

        • DroidX

          A sua noção de auto-importância me impressiona.

        • Gabriel D’Agosta

          Se tirar os hue diminui uns 10% da duração de cada episódio, teremos 2h de episódio massante que ninguém que não seja da área tratada no episódio terá ânimo para ouvir e entender alguma coisa. Quer um bom exemplo? Fronteiras da Ciência. É um excelente programa, um excelente divulgador científico… para cientistas e futuros cientistas. Essa não é a proposta. A proposta do Scicast é justamente fazer de um jeito descontraído para tornar uma aula de energia nuclear ser acessível até pra um vestibulando de humanas (e falo com conhecimento de causa).

        • Vitor Paixão

          O que há de mais lindo na internet é a liberdade, vejo que pelo seu gosto, o Podcast Dragões de Garagem se enquadra muito melhor, (tirando aquele sobre histórias de congresso que você, claro, você deve ter odiado). Te indicaria o Nerdcast? não, nunca, pois o Azhagal interrompe muito os convidados querendo encaixar piadas e que me cago de rir as vezes… Acho que tenho uma ideia para você, pega o Dragões, coloca um Piiiiiiiii em todas as tentativas de piada (são poucas, mas mesmo assim vai te dar um trabalho considerável), coloca em feed próprio e consiga uma legião de pessoas que pensam como você, cara a sua vida vai ser bem mais divertida (segundo o seu conceito de diversão).

    • Diogo Santos

      Conheço esse Ivan, é stalker retardado do Podtrash. Um maluco que fica punhetando comment por atenção, já passou lá no M1C dando de maluco também.

      A diferença Ivan, é que você é um louco por atenção que tenta desequilibrar os podcasts e quem cai na sua isca vazia de comment.

      Dessa vez você fracassou, cara você já é um maluco famoso na podosfera.

      Amigos Scicast, bem vindos à podosfera onde malucos brotarão para tentar desequilibrar o bom trabalho. E parabéns pelo ótimo trabalho.

      Antes de tentar rebater, Pedr… Quer dizer “IVAN”, venha com ótimos argumentos científicos. Senão a próxima é uma carteirada.

      • Lucas Balaminut

        Hey Diogo, pega leve.
        :D

        • Diogo Santos

          Direito todos temos, mas desmerecer o trabalho dos outros é ridículo.

      • Torne mais clara sua ameça, Diogo Santos, o que exatamente você pretende fazer? Algum tipo de ameaça física ou moral?
        Não sei quem você é, nem esse M1C que você mencionou,
        Sou sim fã do Podtrash, eles tem um ótimo trabalho, com regularidade e qualidade, os considero como amigos, o editor deles poderia ganhar dinheiro se quisesse dar aulas de edição, ou cobrar para editar podcasts, que é um mercado que está surgindo.
        Agora se você sabe tanto assim de mim, acho que o verdadeiro stalker aqui é outra pessoa, e já estou com medo de você por isso.

        • Diogo Santos

          Se não gostou, oriento a abrir uma ata notarial sobre o assunto, promulgar num cartório e daí sim se identificar e deixar claro o motivo da discussão.
          Terei o maior prazer em responder.
          Se você tem medo, não é problema meu se você acha que a internet é uma terra de ninguém e pode sair criticando vagamente sem o mínimo de respeito com os outros.

        • SciCastPodcast

          Ok, já chega.

    • MarceloGuaxinim

      Como o MAIOR HUE do SciCast venho aqui te agradecer, nós HUEs adoramos Trolls. O Scicast que vai ao ar essa semana eu dedico a VC ZERO conteúdo cientifico (era pra ter UM momento cientifico, mas eu troco serra por planície ou planalto.. sei lá… ACONTECE NÉ GENTE?)… tem sexo, tem galinha pintadinha, vc vai AMAR, pq vai dar muito conteúdo pra vir aqui reclamar depois.

      Um forte abraço amigo.

      • Lucas Balaminut

        Hahahahahah to chorando de rir aqui. Esse SciCast deve estar muito bom! Saudades das suas dicas de véspera no grupo do facebook :D

  • Lucasbp

    O princípio da Navalha de Occam mais difundido: “a explicação mais simples é a mais provável” não é bem o conceito original escrito por Guilherme Occam.
    O original é algo como “Não multipliques as entidades mais que o necessário”. Sei que no fim as duas formas se equivalem, mas pessoalmente eu prefiro a original :)

    Ótimo cast! Agora dxa eu voltar para a minha maratona reversa do SciCast.

%d blogueiros gostam disto: