Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Deadpool — Análise (com spoilers)

por em 07/02/2016 em Entretenimento | 3 comentários

Deadpool — Análise (com spoilers)

Todo mundo dizia que era um filme impossível de ser feito. Que a Fox tinha jogado o personagem na latrina após a bomba Wolverine: Origens. Que era a maldição de seu criador, o pior artista das HQs de todos os tempos.

Precisou um Ryan Reynolds realmente apaixonado pelo anti-herói mais maluco da Marvel para convencer a Fox de que Deadpool merecia uma nova chance. Ela foi dada. Resultado? O filme do mercenário tagarela é o melhor filme de heróis que o estúdio já produziu, e não deve em nada aos primos da Marvel Studios. Eu chego a dizer que é tão (se não mais) divertido que Os Guardiões da Galáxia.

Um aviso: haverão SPOILERS, portanto prossiga por conta e risco.

A Origem

Rob Liefeld é um arremedo de artista. O auto-proclamado desenhista e roteirista que se acha a última bolacha do pacote é culpado por boa parte das porcarias que rechearam os quadrinhos nos anos 1990, principalmente por sua completa falta de imaginação e inabilidade absoluta de compreender a anatomia humana (procurem por “Captain America Liefeld” ou “Cable Liefeld” no Google Imagens e tenham pesadelos). Mesmo Deadpool, sua mais notória criação (em conjunto com Fabian Nicieza) não é o que conhecemos hoje por culpa dele. Desenvolvido como uma cópia descarada do Exterminador da DC Comics (nem no nome ele é original, Wade Wilson contra Slade Wilson), ele era basicamente mais um vilão meia-boca e inimigo do Wolverine.

Quando Liefeld pulou fora da Marvel para se juntar à Image, Deadpool ganhou uma ou outra minissérie mas em geral a editora o odiava. Só em 1997 que ele deixou de ser um personagem sério, se tornando uma sátira da própria indústria de quadrinhos ao ser o único super-herói consciente de que vive dentro de um mundo de HQs. Isso já rendeu passagens hilárias:

deadpool-002

deadpool-003

deadpool-005

Esse é um de seus poderes mais interessantes, ninguém lembra de seu fator de cura exceto quando ele está juntando seus pedaços espalhados. Seu outro poder é que Deadpool é doido de pedra. E absurdamente completamente irremediavelmente nerd freak de cultura pop. Do tipo que fez isso com a Kitty Pryde:

deadpool-006

Ou isso, para alegria de todos os fãs da trilogia clássica:

deadpool-004

Deadpool é o tipo de personagem que nos lembra que levar personagens fictícios a sério não faz o menor sentido. Travamos discussões acaloradas sobre a ciência envolvida em um filme onde um cara dispara raios pelos olhos. O grande problema é que por causa de autores como Alan Moore, Frank Miller e posteriormente Brian Singer a mídia passou a tratar os heróis com mais seriedade, justificando que eles precisavam ser mais reais, mais inseridos no nosso mundo. Não tem lógica, mas por anos foi assim.

O primeiro filme dos X-Men, embora seja tosco se visto hoje em dia causou um impacto tão grande que nos quadrinhos os mutantes trocaram as roupas coloridas e por um tempo passaram a se vestir de couro preto. Precisou Joss Whedon anos depois fazer o Ciclope dizer que “o preto está deixando todo mundo louco” para justificar a volta dos colantes.

Nos cinemas, por outro lado os filmes com heróis são mais sérios. A Marvel Studios possui algumas exceções (o primeiro Homem de Ferro, o primeiro Capitão América, Vingadores, os Guardiões e o Homem-Formiga), mas a Fox só fez filme carregado de drama. Haveria lugar para um personagem que é tudo, menos sério estrelar um filme?

Sim, só precisavam de alguém louco o bastante para carregar o projeto no colo. Foi aí que Ryan Reynolds entrou.

deadpool-008

“I know, right?”

Hora de consertar as coisas

O ator pode ser terrível (ou como Wade diz no filme, ele não possui grandes qualidades interpretativas) mas foi um dos primeiros a descer a lenha na Fox por causa do Deadpool que ele foi obrigado a dar vida no filme do Wolverine; o problema é que ele mesmo lançou depois a porcaria do Lanterna Verde e virou uma piada pronta, uma bomba ambulante no cenário de filmes de super-heróis.

Dá para engolir outro filme com ele como protagonista? Até dá, principalmente se lembrarmos que antes do Capitão América o Cris Evans foi o Tocha Humana. Todo mundo merece segundas chances e para nossa alegria Reynolds é fã do mercenário bocudo.

Ele então tomou a frente, comprou briga com Deus e o mundo dentro da Fox, fez uma campanha massiva para que o Deadpool ganhasse um filme. Ele só ganhou sinal verde quando o teste foi ao ar, onde muitos acreditam que o próprio produziu e pagou do bolso.

Segundo passo: Reynolds queria a Marvel diretamente envolvida na produção, nada de uma piração solo da Fox. Para isso conseguiram Tim Miller, que trabalhou como diretor de segunda unidade de Thor: O Mundo Sombrio e desenvolveu efeitos visuais para Scott Pilgrim Contra o Mundo, além de ter trabalhado em games como Star Wars: The Old Republic e Mass Effect 2Deadpool é sua estreia no comando de uma película mas seu currículo já deixava claro, ele não é um amador.

Resultado: com todo mundo se empenhando em apresentar um produto decente e à altura do personagem Deadpool é um filme deliciosamente divertido e violento até dizer chega, como há muito não se via. E fiel às origens mas sem se deixar amarrar pelas HQs. Ele sequer depende dos filmes dos X-Men e é excelente por isso, mais gente poderá curtir.

deadpool-007

O mais legal: o filme é MESMO uma história de amor (violenta e hilária, mas é)

A Resenha

Mas então, falemos do filme. Wade Wilson é um ex-membro das forças especiais que atua como um mercenário sem nada melhor pra fazer da vida, até o momento em que ele conhece a garota de programa Vanessa (Morena Baccarin, a melhor reptiliana naquela bomba do remake de V), e é amor à primeira vista. O casal vive uma paixão frenética (com várias cenas de sexo para lá de quentes, incluindo inversão de papéis e cintaralho), até o momento em que Wade descobre estar morrendo com um câncer terminal.

deadpool-013

É aí que ele cede a uma “oferta” para servir de cobaia em um experimento secreto que promete curá-lo, e dar em troca poderes inimagináveis. Claro que tudo dá errado, o procedimento que visava criar armas obedientes o deixa ainda mais louco e com uma cara de abacate estragado, apesar do fator de cura.

Mas isso você acompanha através de flashbacks, o filme mesmo começa com Deadpool perseguindo Francis/Ajax (Ed Skrein), o responsável por roubar sua cara para obrigá-lo a reverter o processo e torná-lo mais apresentável para ele poder voltar para sua namorada. E claro, matando todo mundo que se coloca no seu caminho da forma mais violenta possível.

deadpool-009

Ajax é basicamente o mesmo que nas HQs, um mercenário e cientista que passou por um processo similar ao Wade, mas foi premiado com força e reflexos ampliados e imunidade à dor. Seu braço direito é a Pó de Anjo (Gina Carano), uma mutante com força sobrehumana o suficiente para peitar o Colossus, um russo de mais de dois metros de altura feito de aço orgânico, capaz de demolir um prédio com um soco.

Bem, peitar é força de expressão…

É preciso fazer uma ponte com os X-Men (já que o filme do Apocalipse estreia em 2016), mas o orçamento que o Deadpool conseguiu para seu filme não foi grande o bastante para chamar todo o elenco (é sério, essa é a desculpa que Wade dá no filme); logo teremos que nos contentar com um personagem em CGI e uma novata da escola do prof. Xavier. É o que deu para pagar…

deadpool-011

Colossus (voz de Stefan Kapičić, de 24 Horas e Numb3rs e MoCap de Andre Tricoteux; Daniel Cudmore, que viveu o personagem nos filmes dos X-Men fez doce e recusou o papel) é basicamente um bundão. Ele tenta em vão colocar juízo na cabeça do Deadpool o filme inteiro e se recusa a afundar a Pó de Anjo no chão por questões de bom-mocismo extremo (com direito a salvar a Carano de pagar peitinho no filme), e ainda encontra tempo para fazer discursinho de heroísmo e posar como o bom professor, que come cereais com leite e não fala palavrão.

Ou seja, é um banana de metal. E é recompensado com um merecido soco bem dado nos países baixos.

deadpool-010

Já a X-Woman em treinamento Negasonic Teenage Warhead (nome tirado de uma música da banda Monster Magnet), interpretada pela estreante Brianna Hildebrand é totalmente diferente da versão das HQs: antes uma telepata, aqui ela gera explosões nucleares em pequena escala, num caso claro de ligar o nome ao poder (é dedo da Fox, só pode).

No mais ela é uma boa mutante novata, uma adolescente normal que twitta quando vai dar porrada em vilões (só faltou selfie no Instagram) e que gosta das pirações do Deadpool; ela rende uma óbvia piada dada sua aparência (se você possui 35 anos ou mais já associou o nome à pessoa desde sua primeira aparição em trailers; Wade só não deixa passar batido) e poucas, mas boas cenas de ação. E Negasonic nem de longe é boazinha como o Colossus, o que dá a entender que seus conselhos estão entrando por um ouvido e saindo pelo outro.

No mais são quase duas horas de piadas, quebra da quarta parede o tempo todo, referências a quadrinhos, filmes, músicas, etc etc etc. Quem leu as histórias vai se divertir, mas não é necessário ter conhecimento de qualquer coisa do universo da Marvel para curtir o filme. Tem piada com o elenco, o plot, com Lanterna Verde, com a versão tosca do personagem no filme do Wolverine, com o próprio carcajú mais de uma vez… É uma aventura sanguinolenta e hilária em busca de redenção, amor e vingança, não necessariamente nessa mesma ordem.

Tem Stan Lee? Cena pós créditos? Rob Liefeld!?

Primeiro: sim. Stan Lee havia dito que essa era uma das mais divertidas aparições que ele já fez em um filme da Marvel, e ele não estava brincando.

Segundo: sim, e por tudo que há de mais sagrado NÃO SAIA DA SALA até o último segundo. Você não vai se arrepender.

Terceiro: siiiiiim, e para alegria de todos tendo o que merece.

deadpool-012

Conclusão:

Deadpool é um filme para todos os públicos, desde que a partir de 18 anos (aqui no Brasil ele ganhou a inexplicável classificação de 16 anos, e eu particularmente não acho que esse seja um filme adequado para quem ainda não saiu das fraldas, independente do que os floquinhos digam). Os mais jovens vão curtir, os velhacos vão se esbaldar com piadas e referências de coisas dos anos 70 e 80, algumas até bem obscuras (Ryan Reynolds disse que o filme possui cerca de 100 ovos de Páscoa, portanto divirta-se caçando todos) e todo mundo sairá satisfeito, com um sorriso de ponta a ponta e torcendo pela continuação, e pelo que fizeram no primeiro e a futura resposta do público é inevitável que ele virá, só se a Fox não quiser ganhar dinheiro.

Nota: cinco de cinco George Michaels.

george-michael-5-of-5

O Deviante assistiu à premiere de Deadpool a convite da Fox.