Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Sobrevoando a Cratera Occator em Ceres – Space Today TV Ep.549

por em qua 28America/Sao_Paulo dez 28America/Sao_Paulo 2016 em Ciência | Nenhum comentário

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Planetária no Centro Aeroespacial Germânico, ou DLR, produziram uma impressionante animação 3D que simula um sobrevoo sobre a Cratera Occator, uma das maiores crateras do Planeta Anão Ceres.

A Cratera Occator chama muito a atenção, ela tem 92 km de diâmetro, e é maior que a Cratera Tycho na Lua.

As paredes íngremes da Occator chegam a ter 2 km de altura.

E os misteriosos pontos brilhantes no seu interior têm criado um debate sobre a sua natureza e sua origem.

“O impacto que produziu a Cratera Occator, provavelmente criaou uma conexão com o estrato inferior, o que pode ter feito que uma mistura de gelo, lama e sal chegasse até a superfície, por meio de rachaduras na crosta”, disse o Dr. Ralf Jaumann, diretor da equipe que cuida da câmera da sonda Dawn, no DLR.

“O sal brilhante, localizado na superfície de Ceres é o resíduo desse processo”.

“O que aconteceu ali, foi algo parecido com uma erupção vulcânica, mas nesse caso, não envolvia rocha derretida, mas sim um líquido de gelo derretido com lama misturada”.

O vídeo de Ceres é baseado nas observações feitas do planeta anão a partir da chamada órbita de mapeamento de baixa altitude (LAMO) da sonda Dawn, nessa órbita, a sonda estava a 375 km da superfície do objeto.

Os dados de 548 imagens foram combinados para montar esse vídeo.

As regiões brilhantes possuem agora nomes próprios. A região que chama mais atenção localizada no coração da Cratera Occator, com pontos brilhantes e bojo fissurado no seu centro é chamada de Cerealia Facula, enquanto que as porções menos refletivas a leste são chamadas de Vinalia Faculae.

“Nem todas as crateras grandes de Ceres exibem esses depósitos salinos que foram claramente reconhecidos na Occator à medida que a sonda Dawn se aproximava do corpo celeste”, disseram os pesquisadores da DLR.

“Assim é possível que o impacto nesse ponto particular tenha perturbado os materiais que provavelmente não estão presentes em outras grandes crateras”, disse o Dr. Jaunann.

Na superfície, o gelo derretido imediatamente transicionou para o seu estado gasoso, deixando a lama e o sal na superfície. Esse incidente aconteceu a cerca de 18 milhões de anos atrás, algo recente, geologicamente falando.

Outra teoria sugere que o calor gerado durante o impacto fex com que o material crustal derretesse, disparando alterações hidrotermais do material e então a formação de sais.

Os resultados detalhados e outras imagens foram apresentadas em 15 de Dezembro de 2016, no congresso da União Geofísica Americana de 2016, em San Francisco.

Fonte:

http://www.sci-news.com/space/ceres-crater-bright-spots-video-04482.html

%d blogueiros gostam disto: