Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

O que fazemos para dar sentido ao tempo?

por em 27 27America/Sao_Paulo dezembro 27America/Sao_Paulo 2016 em Ciência | 1 comentário

O que fazemos para dar sentido ao tempo?

Humanos usam metáforas espaciais para pensar sobre o tempo, mas há diferenças específicas de acordo com a cultura.
Mesmo sozinhos em nossos pensamentos, pensamos de forma espacial, as áreas do cérebro compreendem as coisas a partir de um jogo de compreensão espacial.

Qual a diferença entre o ontem e o amanhã?

Um grupo estava na encosta de uma das montanhas do Vale de Yupno, Papua Nova Guiné. Haviam chegado há poucos dias, num monomotor. Após caminhar por uma pista gramada, se encontraram na aldeia de Gua, uma das 20 aldeias de Yupno que pontilham o terreno acidentado. Chegaram pensando no interesse pelo tempo – em como as pessoas de Yupno entendem os conceitos de passado, presente e futuro. As ideias são universais, ou produtos de nossa linguagem, ou de nossa cultura e ambiente?

Danda, um local, e outras pessoas do vilarejo falaram sobre o tempo, mas sempre prestando muita atenção na linguagem corporal enquanto falavam. Perguntou-se aos falantes de inglês, a diferença entre o hoje e o amanhã, eles podiam empurrar o ombro para trás ao se referir ao passado, ou para frente ao se referir ao futuro. Cada movimento automático revela o pensamento de que passado está atrás de nós, algo como “deixado para trás” e o futuro está a nossa frente, algo como “olhe para frente”. Será que os entrevistados de Yupno fariam o mesmo?

Danda fez apenas os movimentos que esperávamos. Ele explicou a palavra Yupno para “ontem”, sua mão se moveu para trás; e quando mencionou “amanhã”, moveu para frente. Todos se sentaram olhando para uma encosta íngreme, em direção a um cume irregular, mas por conta a luz fraca, mudaram o ângulo da câmera, de modo que a equipe e Danda ficaram em direções opostas, de costas para o cume e olhando para o rio de Yupno.

Ele se viu obrigado a utilizar as mãos para ilustrar sua explicação. Mas como esperado, seus gestos mudaram. Ao se referir ao “ontem”, usou nova gesticulação. Ao explicar o passado, gesticulou para trás, ao invés de para frente. E ao fala sobre o futuro, gesticulou para trás sobre os ombros e acima da crista.

Homem de Yupno gesticulando a falar sobre o tempo. Quando voltado para as montanhas (1) atrás dele, no dia anterior. Quando voltado para a encosta (2), a sua frente, também no dia anterior. Seus gestos para "amanhã" (3 e 4) refletem padrão oposto. Seus gestos expressam o modo Yupno de pensar o passado como uma descida e o futuro como uma subida. Cráditos: “Contours of the time: Topographic construals of past, present, and future in the Yupno valley of Papua New Guinea”, by Rafael Nuñez et al., in congnition, vol124, Nº 1; July 2012

Homem de Yupno gesticulando a falar sobre o tempo. Quando voltado para as montanhas (1) atrás dele, no dia anterior. Quando voltado para a encosta (2), a sua frente, também no dia anterior. Seus gestos para “amanhã” (3 e 4) refletem padrão oposto. Seus gestos expressam o modo Yupno de pensar o passado como uma descida e o futuro como uma subida. Créditos: “Contours of the time: Topographic construals of past, present, and future in the Yupno valley of Papua New Guinea”, by Rafael Nuñez et al., in congnition, vol124, Nº 1; July 2012

Apesar de parecer inconsistente, Danda não estava confuso. Seus gestos expressavam a forma de Yunpo de compreender o tempo, onde o futuro não está a frente – é uma subida. Em outras entrevistas, em diferentes locais. Notou-se que a percepção de tempo, em Yupno, está ligada ao mundo e seus contornos, não ao corpo – como no Ocidente. Ao investigar casos como este, pesquisadores começam a reconstituir uma resposta a uma pergunta que tem confundido pensadores durante séculos: Como os seres humanos são capazes de dar sentido ao tempo?

Humanos, assim como amebas, aves e elefantes, tem equipamentos que permitem a percepção de alguns aspectos do tempo, tais como dia e noite, ciclo lunar e as estações do ano. Oque separa os humanos dos outros animais é que não nos limitamos a simples percepção de passagem do tempo. Encaramos o tempo como um quebra cabeça – ou tentamos encará-lo desta forma. Tentamos contá-lo em unidades, seja em unidades que nem percebemos, tal como milissegundos, ou que transcendam nosso tempo de vida, milênios, falamos dele sempre. Logo, humanos criaram e confiaram em conceitos de tempo – ideias sobre a natureza e tempo para planejamento, seguir receitas, compartilhar memórias e discutir futuros possíveis.

Quais são nossos conceitos de tempo? O que está acontece na mente de alguém de Yupno, ou da Inglaterra, ao responder a nossa pergunta sobre a diferença entre ontem e amanhã? Pesquisas recentes em cognição estão descobrindo uma resposta surpreendente. Em todas as culturas, os conceitos do tempo humano dependem, em grande parte, da metáfora – em particular, do que os cientistas cognitivos chamam de metáfora conceitual, em que pensamos em algo, neste caso, tempo, em termos de outra coisa, neste caso espaço. Assim, construímos nossa compreensão da duração, da passagem temporal e sequências de eventos, a partir de ideias familiares de espaço, tais como tamanho, movimento e localização. As descobertas mais recentes revelam que esta metáfora básica do “tempo como espaço” parece ser universal em todo o mundo – mas também toma formas surpreendentemente diferentes de uma cultura para a outra.

“Tempo como espaço”

O quebra cabeça de como os humanos compreendem o tempo é antigo. O filósofo Santo Agostinho apontou isso em 400 a.C. quando disse: “Quem pode formar uma concepção uniforme dele em palavras? No entanto, o que mencionamos sempre ou com maior familiaridade em nossas conversas sobre o tempo?”. O tempo é fluído e etéreo, mas ainda temos de lidar com ele todos os dias. Somente no século passado pesquisadores começaram a estudar os conceitos humanos de tempo com olhar empírico, e começaram olhar mais de perto a linguagem usada pelas pessoas para falar sobre tempo. Benjamin Lee Whorf, famoso por sua ideia de que a linguagem guia nosso modo de pensar, observou atentamente, no século 20, que falantes de inglês e outras línguas europeias falam sobre o tempo como “movimento no espaço” e imagina o tempo em unidades como se estivesse “numa fila”.

Whorf também afirmou que os Hopi, uma tribo nativa americana, conceberam o tempo em sua linguagem sem tais metáforas espaciais. Pesquisadores posteriores mostraram que as metáforas espaciais para o tempo são realmente desenfreadas em Hopi, assim como elas estão presentes na língua inglesa. Mais notavelmente, verifica-se que todas as culturas humanas parecem tratar o tempo através de metáforas espaciais (embora essas metáforas sejam mais ou menos pronunciadas entre as línguas). Durações são expressas através do uso de palavras para o tamanho (“um fim de semana curto”). A passagem do tempo é tratada como movimento (“a semana voou”). Os eventos são imaginados como localizados em posições diferentes em um caminho, de duas maneiras diferentes – tomando uma perspectiva interna ou externa.

Às vezes, nos imaginamos dentro da sequência de eventos, como se passado, presente e futuro fossem locais onde estivemos. Essa perspectiva interna do tempo motiva expressões como “a semana passada”. Já na perspectiva externa, vemos a sucessão de eventos do lado de fora, assim como assistir a uma formação de pessoas que se movem em uma direção. Motivando frases como “recepção seguida de cerimônia”.

Essas ideias básicas sobre o tempo são expressas espacialmente em uma deslumbrante variedade de línguas não relacionadas, em culturas que diferem em todos os sentidos imagináveis. A ideia de que sequências temporais são como filas de pessoas é encontrada, por exemplo, no Tamil (Índia), Maori (Nova Zelândia), Groenlândia (Groenlândia) e Sesotho (África do Sul), onde a ideia de que “a primavera segue o inverno” pode ser expressa como “a primavera está nas pegadas deixadas pelo inverno.”

Crédito: istock.com (ícones de pessoa caminhando, cabeça, pessoa subindo, cabeça e sol); Royal Astronomical Society Science Source (texto em mandarin); Scientific American Mind (globo)

Mesmo quando pessoas de todas as culturas se apoiam em conceitos espaciais para entender o tempo, estas metáforas podem variar. Pegue a perspectiva interna, a metáfora do “futuro à frente” mencionada anteriormente, encontrada em inglês e em muitos outros idiomas. Esta metáfora foi pensada para ser universal, mas em 2006, pesquisadores investigaram um contraexemplo marcante na América do Sul. Em Aymara, uma língua falada no alto dos Andes, muitas frases sugerem que a metáfora oposta está no trabalho. A análise de entrevistas gravadas em vídeo com 30 falantes desta língua mostrou, de forma conclusiva, que estes gesticulam para trás ao falar sobre futuro, para frente ao falar sobre o passado. O padrão é especialmente forte entre falantes mais velhos que não falam espanhol, que tem a metáfora do futuro – à frente, comum ao inglês e à maioria das línguas europeias.

Em outro lugar, as divisões entre passado, presente e futuro não são feitas de acordo com o corpo humano. Em Pormpuraaw, uma comunidade aborígene australiana, passado e futuro são determinados por direções cardinais, com tempos passados para o leste e tempos futuros para o oeste. Em Yupno, como os gestos de Danda deixaram claro, o futuro é uma subida e o passado uma descida. Essas diferentes metáforas espaciais refletem diferentes preocupações culturais. Os entrevistados de Yupno, por exemplo, preferem esculpir o mundo em termos de subida e descida – o que não é completamente surpreendente dada a paisagem montanhosa que eles chamam de lar. Eles usam encostas como pontos de referência, mesmo quando isso possa parecer estranho para os ocidentais, como quando dentro de casas planas, sem janelas.

Avançar na hora, avançar na mente

Embora todas as culturas façam uso de metáforas, relacionando tempo e espaço, um cético poderia contrariar que as metáforas espaciais pudessem meramente ser usadas para comunicar sobre o tempo. Talvez na privacidade de nossas próprias mentes, metáforas caiam. Na verdade, as pessoas desenham no espaço quando o raciocínio sobre o tempo em todos os tipos de situações e até mesmo quando todos por si mesmos.

Uma linha de pesquisa demonstrou isso mostrando que os adultos – e até as crianças pequenas – simplesmente não são capazes de ignorar o uso do espaço quando lhes pedem para julgar algo sobre o tempo. Por exemplo, quando os participantes do estudo estimavam quanto tempo uma linha estava presente em uma tela de computador, o comprimento real da linha representada influencia como “longo”, se conseguissem ver a linha: linhas mais longas parecem ter demorado mais tempo. Outros estudos mostraram que quando as pessoas pensam sobre o tempo, isso pode interferir na forma que eles realizam tarefas espaciais simples. Um estudo de 2016, realizado na Itália pediu a 19 participantes que classificassem palavras como “ontem” ou “amanhã” como relacionadas ao passado ou ao futuro. Às vezes, os sujeitos tinham que fazer essa categorização avançando quando ouviram uma palavra futura e retrocederam ao ouvir uma palavra passada – consistente com sua metáfora nativa. Mas outras vezes os sujeitos tinham que fazer o oposto, pisar para trás, para o futuro e para a frente, para o passado. Nesses casos, as pessoas foram significativamente mais lentas, havendo cerca de duas vezes mais erros na categorização das palavras.

Outra linha de pesquisa baseia-se numa pergunta aparentemente simples: “A reunião da próxima quarta-feira foi movida para dois dias à frente. Que dia será a reunião? “. Pergunte a um grupo de pessoas sobre esta questão, e cerca de metade vai dizer sexta-feira e a outra metade vai dizer segunda-feira. “Para frente” é ambíguo quando usado para se referir a tempo, pelo menos em inglês. Se, ao usar uma perspectiva interna, você imaginar na próxima semana como algo à frente que você está se movendo em direção, em seguida, “frente” significaria mais para o futuro, e assim você deve responder sexta-feira. Mas se você externalizar o tempo e imaginar a próxima semana como uma programação de dias, com dias anteriores em direção à frente da linha, então “frente” significaria mais cedo na sequência, e assim você deve responder segunda-feira.

Os pesquisadores usaram esta questão em mais de uma dúzia de experimentos, para aprender mais sobre como as experiências espaciais influenciam o pensamento sobre o tempo. Em outro estudo, pesquisadores da Universidade de Stanford fizeram a pergunta a mais de 300 pessoas no Aeroporto Internacional de São Francisco. Eles descobriram que as pessoas que tinham acabado de sair do avião escolheram mais respostas sexta-feira quando comparadas com as pessoas que estavam no aeroporto só para buscar outra pessoa. A experiência de avançar no espaço real fez com que os viajantes imaginassem “avançar” no tempo. Na verdade, as pessoas que estavam prestes a subir no avião e estavam assim apenas imaginando movimento para frente também tendem a responder sexta-feira. Também é possível estimular as pessoas a responder segunda-feira. Em um de nossos estudos, as pessoas que responderam pela primeira vez a perguntas sobre uma linha de caixas tendiam a pensar no tempo como uma sequência externa. Encaminhar é mais cedo em uma sequência, então eles favoreceram as respostas de segunda-feira.

Esses resultados levantam a possibilidade de que partes do cérebro usadas para pensar sobre o espaço também possam ser usadas para pensar sobre o tempo. Agora, um punhado de estudos têm fornecido a primeira evidência direta para isso. Num deles, publicado em 2015, pesquisadores na Bélgica examinaram os cérebros dos participantes quando responderam a perguntas sobre a ordem dos eventos que haviam acontecido recentemente ou estavam prestes a acontecer. Os pesquisadores descobriram que a realização desta tarefa envolveu uma rede de áreas do cérebro conhecida para apoiar imagens espaciais. Outro estudo descobriu que as pessoas com danos em áreas cerebrais relacionadas ao espaço também têm dificuldade em pensar sobre o tempo. Quando tomamos uma perspectiva externa do tempo, em inglês e em muitas línguas europeias, muitas vezes imaginamos acontecimentos passados ​​à esquerda e eventos futuros à direita. Consequentemente, o estudo descobriu que as pessoas com habilidades espaciais interrompidas em seu lado esquerdo tinham dificuldade em lembrar eventos passados ​​e até eventos confusos do passado para os futuros.

A influência da escrita

A metáfora do tempo como espaço aparece em nossa linguagem e gestos, e é ativa em nossas mentes, mesmo quando não estamos nos comunicando sobre o tempo. Ele também aparece com uma clareza impressionante nas representações de sequências externas de eventos, que vieram a saturar todos os aspectos de nossa cultura visual. Histórias são estabelecidas em prazos. Não importa se seu calendário é impresso ou digital, sem dúvida, mostra os dias organizados da esquerda para a direita e as semanas de cima para baixo.

Usando metáforas espaciais, imaginamos dois caminhos: um padrão de caminhar com o futuro a nossa frente e o passado à nossas costas (esquerda) ou uma sequência sob ponto de vista externo, como verão, outono, inverno, primavera (direita). Créditos: Source “The tangle of space and time in the human cognition”, by Rafael Nuñez and kensy Cooperrider, in Trends in Cognitive Sciences, Vol. 17, Nº 5; May 2013; istock.com (icones de mulher e homem)

A representação mais sútil do tempo que se desdobra é o texto escrito, e também pode ser a mais poderosa. Independentemente do script que você está usando, os símbolos são apresentados em ordem linear. Por exemplo, o script latino, como usado em inglês, procede da esquerda para a direita – assim símbolos anteriores estão à esquerda de símbolos posteriores – e isso orienta intuições sobre o modo pelo qual o tempo flui. Se você tiver pessoas arranjando três imagens ordenadas temporalmente – uma banana em sua casca, a banana parcialmente descascada e a banana quase comida – falantes de inglês os colocará da esquerda para a direita, mas falantes hebraicos os colocará da direita para a esquerda, ecoando como o hebraico está escrito. Em Mandarim falantes chineses referem-se a “semana passada” como acima e “semana que vem” como abaixo, que decorre do fato de que o mandarim é tradicionalmente escrito verticalmente, de cima para baixo. Além disso, as pessoas cegas desenvolvem um modelo de tempo da esquerda para a direita baseado apenas na sua experiência de leitura de Braille, que flui da esquerda para a direita.

A escrita é tão poderosa, de fato, que um estudo descobriu que é possível reverter a “direção” imaginada do tempo, treinando as pessoas a ler a escrita que tinha sido invertida pelo espelho. Os pesquisadores tinham holandeses participantes categorizar as palavras como sendo relacionadas com o passado ou o futuro, muito parecido com o passo estudo descrito anteriormente, mas com botão pressiona em vez de passos. Em geral, as pessoas eram mais rápidas para categorizar eventos passados ​​pressionando um botão à esquerda e movimentos futuros pressionando um botão à direita. Mas depois de apenas alguns minutos de leitura de texto espelhado, eles mostraram o padrão oposto. Práticas gráficas, onde elas são usadas, podem assim moldar nossas concepções de tempo em formas poderosas. A leitura e a escrita, no entanto, não são necessárias para desenvolver a intuição que o tempo

O futuro do tempo

O tempo pode ser o conceito abstrato que mais usamos – nas palavras de um estudioso, JT Fraser, é um “estranho familiar”. Isso torna o tempo um estudo de caso crítico para compreender a capacidade humana para o pensamento abstrato, uma marca registrada de nossa espécie . Mas o tempo não é o único domínio abstrato, nem é o único que entendemos através da metáfora. Para algumas noções etéreas, usamos metáforas baseadas na cor, no peso, no calor ou até mesmo no som – como quando nos sentimos loucos ou fervidos. Mas as metáforas espaciais são particularmente comuns, estruturando como pensamos não apenas no tempo, mas também na causalidade e no parentesco, na política e no poder (como na frase “ela tem a mão superior”). Por que o espaço é a raiz de tantas metáforas? O espaço é algo que os humanos evoluíram para ser especialmente bons em navegar, e nosso cérebro tem um sistema elaborado para mapeá-lo. Quando pensamos, falamos e descrevemos ideias abstratas como de natureza espacial, estamos capitalizando talentos cognitivos duramente conquistados.

A confiança humana em metáforas espaciais para o pensamento abstrato pode ter profundas raízes evolutivas e não é susceptível de mudar em breve. As metáforas em que nos apoiamos, no entanto, são produto da cultura – não da evolução biológica – e são muito mais maleáveis. A alfabetização é uma conquista recente e rápida no âmbito da saga humana, mas já teve profundas consequências sobre como as pessoas conceitualizam o tempo. Novas metáforas espaciais para nossos mais caros conceitos abstratos quase certamente entrarão no quadro à medida que nossa cultura evolui. As caixas de entrada de e-mail mostram os itens mais recentes na parte superior, mas as mensagens de texto vão para o outro lado, com a mais nova na parte inferior. E assim nós devemos querer saber: Que maneira o tempo fluirá em seguida?

Onde o futuro está para trás

Crédito: Dado galdieri AP Photo

Falantes de Aymara, uma língua dos Andes, concebem o passado como estando na frente deles e o futuro como por trás deles. O padrão pode ser visto na linguagem cotidiana. Nayra pacha significa “tempos antigos”, onde nayra é a palavra para “olho” ou “frente”, e pacha significa aproximadamente “tempo” ou “época”. Qhipa marana significa “próximo ano”, onde qhipa é a palavra para ” atrás”. E mara é “ano”. Esta concepção, no entanto, não é apenas uma questão de palavras. É também observável nos gestos espontâneos que os falantes aymara produzem enquanto falam, muitas vezes apontando para trás quando se referem aos tempos futuros e para a frente quando se discute o passado. O que motiva esse padrão “invertido”?

Para o Aymara, o conhecimento adquirido através da percepção visual é considerado certo e confiável. É de extrema importância comunicar fatos e histórias, marcando gramaticalmente se o que está sendo dito foi visto diretamente ou aprendido de outra fonte. O povo aymara passa muito mais tempo falando sobre eventos passados do que sobre tempos futuros. Afinal, eles podem dizer se o ano passado estava seco ou molhado – eles estavam lá e viu com seus olhos – e pode discutir isso com clareza e convicção. Mas como o próximo ano vai ser é a suposição de ninguém – ninguém o viu, e por isso é apenas uma questão de especulação fútil. O passado conhecido é, portanto, concebido como sendo visualmente na frente deles e do futuro desconhecido fora de vista por trás deles.

Fonte: Scientific American Mind

  • Denis Bandeira

    Texto muito interessante e completo. Obrigado Suzane Melo pela postagem do artigo em português. A questão do tempo é algo tão complexo e belo quanto a própria existência. Embora consideremos o passar do tempo como algo palpável (e por isso hajam tantos estudos em busca de acessos e manipulações temporais), ainda é um enigma se o tempo realmente existe e se desenvolve como o registro de um filme em uma película, ou se tudo que há é o agora e, tanto o ontem quanto o amanhã, não sejam mais do que apenas registros e projeções de um agora já percorrido ou a se percorrer, sem a possibilidade de navegação no mesmo (neste último caso, talvez o experimento mental do “Paradoxo dos gêmeos”, embora possível, não revele a existência de um rolo histórico acessível de passado e futuro, mas apenas uma maior ou menor aceleração na vivência de um agora único e exclusivo). Parabéns pelo post e pela escolha de tema de divulgação. Apenas uma errata: No texto diz que “O filósofo Santo Agostinho apontou isso em 400 a.C.” (Antes de Cristo), porém o texto original diz “Philosopher Saint Augustine put his finger on it in A.D. 400 “, ou seja, em 400 d.C. (Depois de Cristo – https://nossablogvida.wordpress.com/2007/06/04/diferenca-entre-ad-e-bc/), visto que santo agostinho (ou Agostinho de Hipona) viveu entre 354 d.C e 430 d.C (como aponta o Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Hipona). Creio ter sido apenas um erro de digitação durante a tradução e, desde já, peço desculpas por intervir sendo que estou pormenorizando apenas para auxiliar quem vier a ler o post e quiser mais detalhes sobre os itens mencionados.