Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

É possível a manutenção da biodiversidade de sapos durante replantio de palmeiras?

por em 19/07/2016 em Ciência | Nenhum comentário

É possível a manutenção da biodiversidade de sapos durante replantio de palmeiras?

A conversão de florestas em plantações causa perda de biodiversidade. Dendezeiros (Elaeis guineensis), usados para extração de óleo, o chamado óleo de palma (usado em cosméticos, alimentos industrializados e etc), que são cortados entre os 25 e 30 anos para substituição por novas árvores, causam grande mudança no ecossistema local, alterando a biodiversidade.

Os impactos dessas rápidas e constantes mudanças no ciclo de vida das palmeiras são pouco conhecidas. Mas, será possível replantar as palmeiras e mitigar os efeitos sobre a fauna e a flora?

Um grupo formado por pesquisadores do SMART Research Institute, Universidade de Cambrigde, MIT- Woods Hole e da Universidade de Würzburg tentam responder esta pergunta. Eles compararam populações de sapos de plantações maduras de dendezeiros, entre 21 e 27 anos, com áreas cujos dendezeiros foram replantados há dois anos, em Sumatra, Indonésia.

Em 18 lotes, de 2,25 hectares de área, foram encontrados 719 sapos de 14 espécies. Nos lotes de palmeiras replantadas, encontraram 9 espécies, enquanto em lotes com plantações maduras, encontraram 13 espécies. A abundância total de sapos é 47% menor nos lotes de replantio, e a composição da fauna é significativamente diferente entre ambas as áreas.

A maioria das espécies de sapos encontradas, pelos pesquisadores, são tolerantes a perturbações, embora quatro espécies de sapos tenham sido associadas aos lotes de plantações maduras, mesmo havendo uma distância de 28km entre as áreas de estudo e a floresta de ocorrência das espécies.

Os pesquisadores disseram que a prática de replantar e manter a conectividade entre as manchas de dendezeiros pode ajudar na manutenção da diversidade de sapos. Replantar grandes áreas de dendezeiros de uma vez leva a grande perda de biodiversidade, replantar de forma seriada permite o mantenimento da conectividade entre as manchas de plantações maduras de dendezeiros, permitindo que os sapos se desloquem entre as áreas e possam criar condições para manter uma população mais diversa de sapos.

Entretanto é fundamental que as florestas sejam protegidas, os resultados das pesquisas indicam que o manejo, relativo à agricultura em regiões tropicais, têm grandes impactos sobre a biodiversidade.

Caminhão carregado de cachos de frutos de dendê, em Riau, Sumatra no seu caminho; sendo levado para a extração do óleo de palma.

Caminhão carregado de cachos de frutos de dendê, em Riau, Sumatra no seu caminho; sendo levado para a extração do óleo de palma.

A implementação de práticas de manejo que reduzam os impactos sobre a biodiversidade é importante, pois os dendezeiros plantados durante o boom dos anos 80 estão encerrando seu ciclo de vida e grandes quantidades estão sendo replantadas. Sabe-se que as florestas devem ser protegidas, mas o estudo indica que há possibilidade de reduzir os impactos negativos sobre estas em plantações, como as de dendezeiros.

Os grupo de pesquisadores afirmam que ainda é necessário mais estudos do tipo com diferentes animais selvagens, que vivem nas plantações de dendezeiros, tais como formigas, morcegos, besouros, abelhas, serpentes, aves e pequenos mamíferos. Mas afirma que um melhor manejo das plantações, com a manutenção do sub-bosque das plantações, pode-se ajudar a reduzir o impactos imediato sobre a biodiversidade.

Um dos lotes de estudo. Plantação madura de dendezeiros, com mais de 20 anos.

Um dos lotes de estudo. Plantação madura de dendezeiros, com mais de 20 anos.

Fonte: Mongabay, David Kurz