Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Aprender a regular a amígdala pode modificar suas emoções

por em 06/10/2016 em Ciência | Nenhum comentário

Aprender a regular a amígdala pode modificar suas emoções

Treinar o cérebro para tratar a si mesmo é uma terapia promissora para o stress traumático. O treino usa um sinal visual ou sonoro que corresponde à atividade de uma região particular do cérebro, que pode guiar as pessoas para regular a sua própria atividade cerebral.

No entanto, o tratamento de distúrbios relacionados ao stress emocional requer acesso ao hub emocional do cérebro, a amígdala, localizada profundamente no cérebro e difícil de alcançar com os métodos típicos de neurofeedback. Este tipo de atividade só foi medida usando ressonância magnética funcional (fMRI), que é cara e de difícil acesso, limitando seu uso clínico.

Estudo publicado na Biological Psychiatry testou um novo método de imagem que forneceu neurofeedback confiável sobre o nível de atividade da amígdala usando eletroencefalografia (EEG), e permitiu que às pessoas alterar as suas próprias respostas emocionais através de auto-regulação.

“O grande avanço desta nova ferramenta é a capacidade de usar um baixo custo e método de imagem acessível, como EEG, para descrever uma atividade cerebral localizada profundamente”, disse afirma o autor Dr. Talma Hendler, de Tel-Aviv University em Israel e no The Sagol Brain Center de Tel Aviv Sourasky Medical Center, e primeiro autor Jackob Keynan, doutorando no laboratório de Hendler, por e-mail para Biological Psychiatry.

Os investigadores conseguiram graças a uma nova ferramenta de imagem, desenvolvida num estudo anterior que usa EEG para medir alterações na atividade da amígdala, indicada pela sua “impressão digital elétrica”. Com a nova ferramenta, 42 participantes foram treinados para reduzir um feedback auditivo correspondente à atividade da amígdala utilizando quaisquer estratégias mentais que considerassem eficaz.

Durante esta tarefa de neurofeedback, os participantes aprenderam a modular a atividade elétrica da própria amígdala. Isso também levou a uma melhor regulação dos sinais dependentes do nível de oxigênio no sangue, um indicador de ativação regional medido com fMRI.

Em outro experimento, com 40 participantes, os pesquisadores mostraram que aprender a regular negativamente atividade da amígdala pode realmente melhorar a regulação das emoções. Eles mostraram isso usando uma tarefa comportamental, invocando o processamento emocional na amígdala. Os resultados mostram que com esta nova ferramenta de imagem, as pessoas podem modificar tanto os processos neurais quanto as manifestações comportamentais de suas emoções.

“Há muito que sabemos que pode haver maneiras de sintonizar-se a amígdala através de biofeedback, meditação, ou mesmo os efeitos de placebos”, disse John Krystal, editor da Biological Psychiatry. “É uma ideia interessante que o feedback talvez direto sobre o nível de atividade da amígdala possa ser usado para ajudar as pessoas a ganhar o controle de suas respostas emocionais”.

Os participantes no estudo eram saudáveis, de modo que a ferramenta tem ainda de ser testado no contexto de traumatismo da vida real. No entanto, de acordo com os autores, este novo método têm implicações clínicas enormes.

A abordagem “mantém a promessa de alcançar qualquer um em qualquer lugar”, disse Hendler e Keynan. A mobilidade e baixo custo de EEG pode contribuir para o seu potencial  num tratamento de pacientes de trauma recente ou para a formação de resiliência ao estresse para pessoas propensas à traumas.

Fonte: Neuroscientist News

Modo Noturno