Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

A geografia dos sabores!

por em 06/12/2018 em Ciência, Notícias | Nenhum comentário

A geografia dos sabores!

Se você está na internet e nunca reclamou nas redes sociais de fome ou fez algum teste no Buzzfeed sobre qual batata você é… Por favor saia, você está usando a internet de modo errado.

Como já deu para perceber, o texto de hoje é sobre o assunto mais amado e aclamado da internet tupiniquim: COMIDA!

O que tem de geografia em falar de comida? Tem tudo! Mas calma, o que escrevo não é um texto determinista e simplista que dita: Os índios comiam mandioca porque na terra onde viviam dava mandioca. Afinal de contas, aqui é o Deviante. Me acompanha na viagem!

Vamos abrir aqui a caixa de Pandora da Geografia… O que é Geografia? Não vou me deleitar na infindável discussão (para a tristeza de uns e felicidade de muitos). Uma das premissas da geografia é a análise e interpretação do espaço vivido. Como fazemos isso? Bom de muitas maneiras… A mais comum é através da análise da paisagem.

Para analisar a paisagem, usamos geotecnologias, fotos, esboços e usamos a nós mesmos. Através dos nossos sentidos. De modo geral, a visão. Porém, os mais observadores e atentos também utilizam da audição, tato e olfato. Mas pera, e o paladar?

Aqui estamos nós, jovem Padawan! Podemos analisar a paisagem e o lugar em que estamos através daquilo que comemos.

Mas temos que pensar no paladar e nos sabores para além da gastronomia. A comida tem um poder mágico de nos evocar sensações… Prazer, conforto, saciedade… Sentimentos também, saudade, felicidade e outros.

Pensa agora, naquela comida de vó, de mãe. Ou qualquer outra que te faça sentir tipo assim:

Agora pensa nos sentimentos que você tem com relação aquele lugar, esse da comida que você pensou anteriormente. Isso é topofilia.

O que geógrafo Yi-Fu Tuan define como “todos os laços afetivos dos seres humanos com o meio ambiente material” (TUAN, 1980, p. 107). É como você organiza seus sentimentos com relação a um lugar no espaço.

Eu pensei no pastel de jaca que comi no pé da trilha para a Cachoeira do Véu da Noiva, na Chapada Diamantina (BA). Eu poderia comer pastel de jaca de novo em qualquer outro lugar do mundo. Nenhum outro teria o mesmo gosto.

Os sabores também têm muito a nos dizer sobre a cultura e as tradições daquele lugar. Afinal de contas, temos vários pratos com os mesmos ingredientes. Porém com resultados finais totalmente distintos entre si.

Os sabores, por si só, são elementos culturais! Alguns deles inclusive são tombados como patrimônio imaterial, por exemplo, o queijo do Serro em Minas Gerais.

Adriano Botelho, em um ensaio sobre geografia dos sabores, traz a seguinte citação de Sophie Bessis:

“Dize-me o que comes e direi que Deus adoras, sob qual latitude vives, de qual cultura nasceste, e em qual grupo social te incluis. A leitura da cozinha é uma fabulosa viagem na consciência que as sociedades têm delas mesmas, na visão que elas têm de sua identidade.”

Os sabores revelam a mais pura geograficidade das pessoas de um lugar. A interpretação que aquele grupo tem e faz do mundo a sua volta.

Quando você estiver em um lugar especial, comendo coisas especiais… Ou melhor, em casa, comendo o que você sempre come… Pense no por quê. Interprete a paisagem que você compõe! De barriguinha cheia, claro!

 

Nesse texto citei:

BOTELHO, Adriano. Geografia dos sabores:Ensaio sobre a dinâmica da cozinha brasileira. São Paulo, Revista Textos do Brasil, nº 13, p. 61 – 69, 2010.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1980.