Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Scicast #132: Design Inteligente

por em sex 22America/Sao_Paulo abr 22America/Sao_Paulo 2016 em Destaque, Scicast | 51 comentários

Scicast #132: Design Inteligente

OLÁ DEVIANTES! TEMA POLÊMICO!

Essa semana vamos discutir quantos anos tem o planeta terra, o porque temos cóccix e apêndice, vamos entender como os animais cabiam na arca de noé (SPOILER: PokeBolas), vamos… Ei… Não vamos….

O episódio dessa semana é sobre design inteligente, como podemos criar produtos que não agridam tanto o meio ambiente, reduza, recicle e de play nesse podcast!

Print

carro desmontado em várias peças

Publicidade:

Quer dar um Up na sua carreira ou conhecer as novas possibilidades de carreira que você pode seguir? Acesse o site do Carreira 21 e inscreva-se no evento Gestão de Carreira, não perca, de 25 a 28 de Abril (semana que vem, corre!).

Além disso, acompanhe o blog que têm artigos, palestras e muitas novidades!

Marie Curie Front

 

Contato Comercial:

Redes Sociais:

Aperte o pause:

 

Produção Geral: Tarik Fernandes. Edição: Talk’ nCastHosts: Fernando Malta e Marcelo GuaxinimEquipe de Pauta/Gravação: Juliana VilelaFabricio “Jedi” Vaz e  Werther Kroling. Convidada Especial: Marina Santa Rosa. Arte da Vitrine: Google imagens.

 

Comentados no Episódio e Sugestões de Leitura:

Bill of Rights for the Planet

SciCast #91 Lixo

How to Design for Disassembly and Recycling

Eco Design (da empresa de trens Alston)

Gana – A Lata de Lixo do Mundo

Reportagem África – Lixão Eletrônico

“The Lightbulb Conspiracy”: documentário sobre um consumidor que descobriu que sua impressora parava de imprimir propositalmente por conta de um chip instalado pelo fabricante e que a troca do chip sairia mais caro que comprar uma impressora nova.

Palestra “O futuro do Planeta Terra”: Fernanda e Werther falam sobre o consumo e a utilização dos recursos naturais.

Upcycling and business (palestra TEDx)

  • Denilton

    Esse episódio foi um pouco decepicionante, não por ser ruim, mas por criar uma falsa expectativa. Confesso que eu esperava o Átila, o Pirula em um debate refutando a maioria dos argumentos criacionistas.

    Apertei o play e algum tempo depois descubro que é um episódio relacionado a design industrial e a única coisa relacionada a biologia é a mensagem ecológica – que, aliás , o nome do capitulo poderia ser: “Design de Produção”, “Design Ecológico”, “Ecologia”, “Ciência do Design”, mas Design Inteligente mão pegou muito bem.
    Claro, minha opinião.

    Abraço, Scicasters ;)

    • Fernando Malta

      Grande Denilton, a ideia era justamente fazer esse “trocadalho”. Inclusive, caso tenha ouvido a abertura, brincamos com isso na própria introdução.
      Se quiser ouvir um pouco mais sobre evolução, temos o espetacular “Origem da Vida” (inclusive, com a presença do Átila): http://deviante.com.br/podcasts/scicast/72-origem-da-vida/
      Abração!

      • Fernando Malta

        E presença do Pirula também, claro! =)

        • Denilton

          Eu notei, mas não deu pra evitar a decepção, hahaahaha… Não sei se os outros ouvintes sentiram o mesmo!

          Espero que não, kkkkk.

          Grande Abraço!

    • também fiquei bem decepcionado, e depois ainda vira um programa bem esquerdista… Primeira vez que paro de ouvir um Scicast no meio :(

      • MarceloGuaxinim

        perdeu os e-mails! ficou bem engraçado!

        • Que pena, mas o programa foi muito decepcionante para ouvir novamente, se passar o tempo para os emails ai eu escuto só esta parte :)

          • Fernando Malta

            Amigo Gradash, somente para efeito de feedback: a parte decepcionante foi por ter algo factualmente errado, posições político-ideológicas distintas das que acredita ou outra coisa?

          • Sim e não, primeiro a decepção do tema, já escutei programas no qual eu discordava com quem falava, mesmo assim o debate era interessante, desta vez não houve qualquer debate interessante, apenas uma visão cega de apenas um lado (do Estado), sem uma única alma que tenha lido pelo menos Von Mises (para pegar leve) ou alguém que apontasse alguma outra solução que não viesse do estado. Como ficou muito na visão apenas de um lado e pior, na visão fanática de apenas um lado ai acabou perdendo por demais a relevância para mim.

          • Fernando Malta

            Na verdade o cast foi sobre um lado mesmo. Se estamos falando sobre diferentes formas de design ecológicos o pressuposto já é esse, não?
            De qualquer forma, agradeço o feedback. =)

          • Fernando Malta

            Em tempo e falo só por mim: já li Mises Hayek, Salerno e outros amiguinhos liberais – o que não quer dizer que tenha que concordar com tudo o que eles falam ;-)

          • Marina Santa Rosa

            Olá Gradash, não sei se entendi muito bem o que vc quis dizer com “visão cega de um lado (do Estado)”… Se estamos falando de design, não seria este um atributo e uma ação empresarial? que visão fanática você quis dizer? também fiquei sem entender…

          • Em certos momentos o pedido por regulamentação e afins, que o estado tem que decidir as coisas e como elas são usadas e feitas.

            E toda vez que regulamenta dá merda, olha o Uber ai, era uma maravilha. Netflix? Estão querendo regulamentar o que vai tornar o serviço impossível de se manter no Brasil e por ai vai. Um produto é e sempre é pensado em como o consumidor quer, a empresa cria o seu produto e o consumidor dá o seu voto, como vota? Com a carteira, se não vender bem é o que o consumidor não quer, então a empresa precisa mudar o produto para se adequar ao que o consumidor quer.

            O problema de quando você coloca governo na parada é que o governo “pensa” que sabe o que o povo precisa, e que o povo não sabe, então ele obriga as empresas a trabalharem da forma que ele quer, porém na realidade o governo tudo que faz é ajudar uma empresa X que normalmente comprou os políticos para passar leis que a favoreçam.

    • Edward Elric

      Muita gente caiu nesta pegadinha.

  • Marco Faleiro

    Por que não é mp3 mais o feed? E essa doideira de converter online não tá com nada, ein…

  • O estado realmente é toda a solução, graças a ele temos o que é chamado de corporativismo, onde uma empresa com dinheiro suficiente por comprar um político para passar leis que a favoreçam e impeçam empresas menores de surgir e assim não existindo o livre mercado onde empresas podem concorrer. Se está reclamando de que a Internet será limitada, saiba que a culpa é inteiramente do estado pois ele tem a maldita filha de uma put* da ANATEL, ela faz leilões de sinal onde somente empresas que pagam pelo leilão podem operar no Brasil, e você acha que uma empresa pequena pode pagar de milhões a bilhões em uma concessão estatal para operar? Não, o resultado é que apenas as grandes corporações podem (por isto é chamado de corporativismo e não capitalismo).

    Como não existe as pequenas para “encher o saco” das grandes com concorrência, quem se fod* é nós, onde ficamos presos como escravos de grandes empresas e o que elas querem. Um exemplo de livre mercado e o bem que ele faz é a Guatemala, que privatizou o sistema de telecomunicações estatal e não fez nenhuma ANATEL de merd* para ferrar com o povo, hoje eles são um sinônimo (em telecomunicações, o resto é controlado pelo estado e por isto vive na pobreza) sobre o bem que se faz quando se remove o estado e seu poder divino.

    Me diga, o que é mais fácil: Investir bilhões comprando concorrentes, fazendo marketing, melhorando o serviço, baixando preços, otimizando redes. Ou alguns poucos milhões (que normalmente nem chega nos 8 dígitos) e comprar políticos para passar leis que te favoreçam e desfavoreçam aqueles que vão lhe causar problemas (os pequenos empresários).

    No corporativismo a corporação faz o que quer, o consumidor não tem escolha, ou aceita ou fica sem, por isto eles não precisam otimizar o trabalho ou melhorar. Cuidado com meio ambiente? FOD*-SE, eles vão fazer o que é o mais barato e o menor custo e cuidar do meio ambiente é mais caro, e você como consumidor só pode fazer uma coisa, ficar sem ou aceitar o que eles fazem de orelha baixa. Agora quando existe livre comércio, você tem o poder de votar com a carteira. Se não gosta do que a corporação X faz com o meio ambiente, vai para a Y que é mais responsável. Hoje não podemos fazer isto, não temos escolha.

    E antes de falar que vivemos em uma democracia, saiba que dos 501 deputados, apenas 36 foram eleitos, todos os outros (465) entraram lá pela legenda, ou acha que a família lobão, sarney, etc se elegem mesmo? Como acha que tem políticos com carreira de mais de 30 anos de governo, simples. Não existe democracia neste país, apenas um governo ditatorial de esquerda (Itamar, FHC, Lula é tudo esquerda, só acha que FHC é direita ou centro pessoas alienadas) corporativista e socialista, e socialismo sempre vai para um caminho apenas. Ou vira Comunismo (Russia), Vira Fascismo (Itália) ou Nazismo (Alemanhã), governos controlados por poucos onde ou você obedece, ou morre. Vide a Venezuela que entrou no socialismo e agora é Fascista, e o Brasil está indo com os dois pés para o fascismo também, pois socialista já somos, abrir uma empresa no Brasil é quase impossível.

    Ouse não pagar os impostos (roubo), resistir ao sequestro (prisão), seu resultado será sempre o mesmo. Morte, pois é assim que vive um regime totalitarista.

    • Filipe Siegrist

      E viva rothbard!

    • Denilton

      Ao meu ver imposto não é roubo, principalmente diante do conceito de Estado-Nação que vivemos, roubo é o que fazem com ele. Claro, eu prefiro a visão mais keynesiana e gosto da criticas do Sponville.

      Também sou contra totalitarismo.

      Abraço.

      • Edward Elric

        Então pq o nome é “IMPOSTO”? Sabe, na idade média iam soldados junto com o coletor de impostos…

        • Denilton

          Sim, é verdade, mas eu vejo como um “aluguel”, eu moro em uma Nação, tenho liberdade de ir e vir em quaisquer ruas, posso frequentar uma universidade, um hospital, sem a interferência e as ressalvas de terceiros. Isso é mais teorico, verdade.
          Mas eu não me desvencilho do nodelo nórdico de bem estar social, não trocaria por um modelo privado. Perdão.

          Claro, eu tenho uma visão mais Weberiana – também sou defensor do Estado minimo presente em suas funções básicas, de que politicos deveriam trabalhar, acabar com essas mordomias e que o dinheiro que essa cambada consome da população fosse direcionado a pesquisa, hospitais modernos, educação, segurança. Me orgulho das quebras de patentes, por exemplo, como Sponville diz: “Precisamos do mercado para o que está à venda, e do Estado para o que não está.”

          Tenha total liberdade para discordar, sobre esse nosso Estado, mais ainda.

          Abraço.

          • Edward Elric

            Sem stresssssss

          • Você pode ir e vir? É livre? Tentou não pagar os impostos? Eles tiram rapidinho esta liberdade de você.

            Na Republica Tcheca você escolhe se quer pagar o plano de saúde do governo ou não, se não pagar não tem direito ao plano do governo, se quiser você paga e tem o direito. Isto meu colega é o que chamo de liberdade, a liberdade de escolher A ou B, aqui se você não quiser usar o SUS, é OBRIGADO A PAGAR mesmo não usando, então é obrigado a pagar o SUS e ainda um plano privado altamente regulamentado pelo governo que é uma merda também.

          • Denilton

            Diferente de paises como a Noruega, que tem altos teibutos e altos retornos. Como eu defendo que educação, saúde e segurança são deveres do Estado para com a população, acho uma cobrança necessária – as pessoas pouco se preucupam com isso.
            No Brasil pagar imposto é de boa, na Europa, EUA é prisão certa.

            Eu discordo de impostos para sustentar centenas de milhares de politicos, nesse caso – salários deles não atrasam, reformas hospitalares, sim. Em um Estado Weberiano, eu encararia como uma taxa de manutenção, um seguro.
            Por isso gosto tanto do modelo nórdico.

            Então, triste realidade de pagar algo que você não usa pela má qualidade. Mas em um momento, talvez você necessite e não vai ter que usar seu cartão de crédito para pagar uma injeção, soro.

            Eu defendo um Estado regulador – empresas não tem autonômia e nem respaldo para isso, principalmente em questões científicas – quantos placebos entrariam em farmácias?

          • Livre concorrência significa uma quantidade absurda de pessoas fazendo o mesmo serviço, por que você vai concorrer com 20 se pode abrir a sua clínica na cidade que tem 1? Então no final das contas tudo é coberto.

            Sobre os placebos, homeopatia é regulamentado e é considerado medicina pelo governo, então não parece ajudar muito esta regulamentação.

            Você está pegando meia dúzia de pessoas desonestas e quer que elas controlem a sua vida? Ok para você não para mim, mas infelizmente sou obrigado por causa de pessoas como VOCÊ a ter a minha vida controlada mesmo que eu não queira. Liberdade é o direito de dizer que 2 + 2 é 4. E eu não tenho esta liberdade, pois se o governo dizer que é 5, é 5 e ponto final. O meu irmão de 10 anos de idade está tendo um estudo LIXO, uma merda completa que está transformando ele em um imbecil, o que fiz? Comecei a dar aulas para ele, ensinar as coisas direito. O mais certo seria eu tirar ele daquela escola pois cada coisa que ensino a escola desensina. Porém se eu fazer isto eu sou preso pois sou OBRIGADO a colocar ele na escola e o Home Schooling é proibido por lei no Brasil.

            E por que será que é proibido? Para criar pessoas doutrinadas que acham que o sistema é perfeito, que sem o sistema não é possível viver. A pior coisa que o governo pode regulamentar é a educação, o MEC é a forma mais eficiente de doutrinação possível, só se pode estudar o que o governo quer.

            Se um professor falar sobre liberalismo na sala de aula, ele é desonerado, será que isto é justo? Além disto olha o nosso ensino, baseado em decoreba para passar em vestibular, ninguém realmente aprende nada, ao ponto que nem sabem o que é interpretação de texto.

      • Edward Elric

        Keynesiana? Opa, esta escola funcionou muito bem no Brasil…

      • Se imposto não fosse roubo, ele era opcional. Eu trabalho, e um bando de vadio que não faz merda nenhuma pega parte do meu dinheiro e vive de boa, com salários absurdos. Para mim isto é roubo.

        • Denilton

          Também não concordo com isso, não quero meuimposto pra sustentar vagabundo, hahaha. Mas eu escrevi minha opinião abaixo…

    • Andrey Santiago

      Mas quem começou a querer limitar a internet foi a empresa privada boazinha…

      • Edward Elric

        Mas quem permite que apenas existam apenas QUATRO grandes provedores nacionais? Papai estado. Quanto menos players, maior a chance do surgimento de um cartel, que no caso, só ocorreu quando o PAPAI ESTADO criou um ambiente propício para isto. Nós não somos os clientes da VIVO, OI ou NET. O cliente é a ANATEL.E quem é o dono da ANATEL? Os políticois. De uma olhada na história da telefonia na Roménia e na Guatemala.

      • Edward Elric

        Empresas não são boas ou más, elas querem apenas uma coisa, seu dinheiro, e farão o possível e impossível para atender todos os nossos desejos, isto claro quando elas estão em um ambiente onde dá menos trabalho comprar POLÍTICOS.

      • Sim, que tem todo este “direito” que foi dado pelo governo, tira a Anatel da parada para ver, era só anunciar isto que todas as outras empresas do Brasil fariam como a TIM e anunciariam que não ia ter este plano e levariam a VIVO a falencia, inclusive a NET já aplica isto faz um tempo, a parte engraça, ela tem acordos com o governo que em certas regiões só ela pode operar, nenhuma outra empresa pode trabalhar de forma legal.

    • Norbert Waage Jr.

      Um dos assuntos abordados no cast foi a questão de produto x serviços.
      Estamos começando a gostar menos de ter um carro e poder usar um transporte mais inteligente, como Uber, que possui preços muitos melhores do que o serviço de Taxi.
      Teria tudo para dar certo, ainda mais agora com a opção de compartilhamento de viagens, o que vai tirar muitos carros das ruas, transformar o transporte em algo mais inteligente, etc.
      Aí vem o estado e quer fazer o que? Regular.
      Quer limitar a quantidade de prestadores de serviços de Uber e seus futuros concorrentes. O que a limitação gera? Escassez.
      Conceito básico de economia. Quanto mais escasso um bem/serviço, mais caro seu preço.
      Obrigado Estado por fazer todo mundo pagar mais caro e por nos ensinar que você é nosso anjo protetor!

    • João Antonio Alves Martins

      Guatemala não tem orgão regulamentador? O que é isso aqui então?
      http://www.sit.gob.gt/index.php

  • Falando sobre design inteligente, evolucionismo e criacionismo, gravei com Márcio Campos e Reinaldo José Lopes sobre as teorias do evolucionismo e criacionismo, como são expostas em forma de contraposição e se podem coexistir

    http://www.alobrandalise.com/2016/04/alobrandalise-10-evolucionismo-e.html

    • Normalmente acho uma babaquice este tipo de coisa, fazer propaganda do seu programa no cast dos outros, mas vou dar uma colher de chá e ouvir.

      • Apenas trouxe a indicação porque tem relação com o “quase tema” do Scicast desta semana, o que seria uma coincidência gigante. Fora, isso, se não tiver nenhuma relação, não coloco o link

        • Fernando Malta

          Sinta-se à vontade de divulgar, André. Depois passo lá pra ouvir. :)

        • Mas eu curti o programa :)

    • Alex Alonso

      Temas legais, André. Passarei mais tarde para ouvir =)

  • thenets

    Pensando na fabricação dos produtos, tenho uma ideia absolutamente contra ideia produtos terem uma carcaça em peça-única. O maior defeito dos produtos eletrônicos, pelo menos, é esse. Se todos os hardwares seguissem um padrão de alto desempenho, como o PCI Express 3.0 ou USB Type-C, e uma arquitetura tbm padrão, como o x86, dava muito bem para fazer um design todo modular, com módulos universais.
    Se seu celular ta lento, vc troca o processador, que é compatível com qualquer outro celular, TV, computador, etc. E a reciclagem seria muito fácil, já que tudo segue um padrão. E a maior prova que dá pra reciclar produtos padronizados é a Apple, que liberou no mês passado um relatório que englobava a grande economia que tiveram com os iPhones reciclados. E se tem reciclagem, que exista o consumismo. Um exemplo bom, ainda que não perfeito, é o Japão.

    • Fernando Malta

      Oi Thenets. Tinha um projeto desses, de um celular modular, há uns anos atrás, não? Lembro de ter visto um vídeo. Não sei se era só um projeto ou se foi pra frente…

      • Gabriel Muller

        O google comprou, e adivinha? Engavetou

      • thenets

        Exatamente. Os fabricantes de componentes ganham muito dinheiro com as pessoas comprando celular todo ano. No fim, o Project Ara não teve apoio de grandes fabricantes, especialmente de processadores.

    • Marina Santa Rosa

      Reciclagem é excelente! Mas geralmente demanda muita energia para ser realizada (não só pela parte industrial mas pela logística envolvida)… Por isso estimular o design modular é incrível, já que se evita a reciclagem do aparelho inteiro e troca-se só a peça com defeito. Sobre os iPhones reciclados, vou olhar melhor esse relatório, mas uma coisa que devemos pensar é se tuuudo é reciclado mesmo uma vez que, sabemos, rejeitos são naturais devido ao aumento da entropia…

      • thenets

        Uso de muita energia é o menor dos problemas. Quando o datacenter do Facebook for inundado e os problemas climáticos fazerem grandes politicos se foderem no governo, ai o povo volta a investir fortemente em energia nuclear.
        Minha preocupação é se teremos bons meios de reciclagem.

  • Gustavo Rocha Bastos

    Excelente. Recentemente fui até o norte de Minas Gerais, visitar uma parte da minha família. No passado, o local era repleto de rios e córregos, e a natureza fornecia água pra todo mundo. O problema é que algumas pessoas passaram a plantar Eucalipto por toda a região, a fim de fazerem carvão e gerarem lucro. Mas se esqueceram de que o eucalipto absorve muita água pra crescer. Com o passar dos anos, devido à quantidade exagerada de plantações, os rios diminuiram drásticamente, e já não existem córregos. Resultado: muitas famílias e vilarejos com carência de água. E é bastante provável que aquela região se torne inabitável no futuro. É como vocês disseram, interesses individuais podem prejudicar uma população inteira. Triste!

    • Werther Krohling

      Olha aí a Tragédia dos Comuns…

  • SciCastPodcast
  • Leo_Stuker

    Qual a musica que abre os e-mails nesse cast?

%d blogueiros gostam disto: